Viagens


The chattering classes are heading to the Amazon in search of esoteric highs. Are shamans the new shrinks?

At a dinner party in Gloucestershire, Lucy, a mother of three, is regaling her guests with details of her last trip abroad. She has honeyed limbs and high-maintenance hair, suggestive of regular villa breaks in Ibiza or Tuscany. But earlier this year, as a 40th-birthday present to herself, she went to Brazil for a 10-day guided retreat in the Amazon, where she underwent a series of plant rituals involving the powerful hallucinogen ayahuasca. “It was as far removed from taking normal party drugs as you can imagine,” she says, eyes glittering. “It was frightening and extraordinary.”

Lucy’s experience is symptomatic of a collective search for a complete wilderness experience as a panacea for our troubled souls. “I went to the Amazon because I felt my whole life needed shaking up, and I just didn’t know how to do that in England. I had everything I wanted, in terms of a stable marriage, lovely kids and a nice home, and although I knew I shouldn’t feel dissatisfied, I did. I wanted to reconnect with myself and the way I live before I got much older.”

Deep immersion in a faraway jungle is the latest fix for those stuck in the cultural, spiritual or personal malaise that besets many in the 21st century. Having an extreme psychological experience such as ayahuasca at the same time makes it all the more desirable. The Brighton-based writer and therapist Ross Heaven, author of Plant Spirit Shamanism, has been leading trips into the Amazon for 10 years. “In the 1990s, only real new-age devotees had heard of ayahuasca, but the sort of person going on retreats has changed dramatically,” she says. “I’m taking a trip in October that will include account managers, business professionals, a media figure, a conventional doctor and a nurse. People are getting turned on to the fact that in the Amazon we can learn something about the wisdom of native culture and the psychological healing aspects of the plants there, while also gaining from personal exploration and creativity.”

It was inevitable that we would find a faster, harder, more esoteric replacement for yoga. As eastern mysticism starts to look a bit, well, passé, people are looking elsewhere for their spiritual kicks. They now have a desire to immerse themselves in an extreme environment, which is why the Amazon has never been as hot as it is now. Sting and Madonna first swung our global eyes to the rainforest in the 1980s. But then we forgot about it as we turned our gaze back to organic vegetable boxes and carbon footprints.

Now, once more, the Amazon is gripping our attention: the interest in ayahuasca is emblematic of a growing fascination with tribal life. A rumbling collective disquiet suggests that we’ve got it all wrong, and that it is those naked men in the jungle – whom we might once have dismissed as savages, or patronised by buying their handcrafted tables for our fashionable lofts – who have actually got it all right. Could it be that such tribes might hold a key to global salvation? Shamanism and ayahuasca are slipping into the spiritual dialogue of the chattering classes where once there was ashtanga and kabbalah.

Bruce Parry has done a brilliant job of bringing these wild worlds into our sitting rooms, and in doing so has scored a hit for the notion of the noble savage who can teach us how to coexist with the planet. “We shouldn’t romanticise these tribes, but they do have a great way of living with the environment, which we can learn from,” he says. “This is all in vogue because we are so worried about the way our individual morality is going. They have a much more sharing community.”

It is clear that these tribes, living in genuine harmony with their environment, possess a spiritual enlightenment that we, watching Big Brother in our centrally heated houses, can only dream of. And the growth in the psycho-spiritual healing industry suggests there is a huge market for lost souls in need of spiritual TLC. Going to the jungle to reconnect with the natural world is an obvious extension of this, but it’s hardly new. Ayahuasca has been used by Amazonian tribes for 10,000 years. It is a monoamine oxidase inhibitor, which means it causes your body to receive a chemical compound it would normally screen out. It is prepared – ideally by a friendly indigenous shaman – by boiling and blessing the stems of Banisteriopsis caapi with the leaves of Psychotria viridis, which is rich in the hallucinogen dimethyltryptamine, to produce a bitter-tasting liquid that induces a trip lasting several hours.

The clinical psychologist and shamanic healer Silvia Polivoy established Ayahuasca Healing, her retreat in the Amazon, in 1997, when only a handful of companies offered such services. Now, there are more than 40. She moved into transpersonal therapy after becoming frustrated by the limitations of conventional psychotherapy. In some circumstances, she says, a session of ayahuasca can have the same effect as years of therapy.

There is a romance to the idea of the wild, exotic spiritual healer, but the practice of shamanism is not confined to the Amazon. Google “shaman” and you’ll probably find there’s one living next door to you, or running a workshop in your local community centre. In America, there’s even an International School of Shamanism, with a decidedly western-sounding board of directors and a trademarked name.

Inevitably, with increasing numbers of people travelling to the Amazon to experience ayahuasca and find the shaman to guide them, a new tourist industry is forming around the cult of the noble savage who can hold our hand as we hurtle towards environmental and psychological meltdown. Isn’t there a danger that in attempting to connect with the mystical, we will destroy it? And isn’t there something patronising about using our wealth to purchase the secrets of indigenous tribes, belching out tons of carbon as we go?

Genuinely losing it in the jungle is a pretty terrifying thought. But if there’s hot and cold running water and a masseur and chef on hand, well, that’s a different matter entirely. However, according to Tahir Shah, who experienced the plant in decidedly nonluxurious circumstances in Peru while researching his book Trail of Feathers: In Search of the Birdmen of Peru, you can’t really have a chichi ayahuasca experience. “The point of ayahuasca is that it completely undoes you. I was in total darkness in a longhouse in the deep jungle, and had to crawl through mud to the water’s edge, slipping and sliding like a pig in filth. I crapped and threw up at the same time, my eyes blinded by colours. I thought I was dying. And that’s the whole point.”

But practitioners argue that the growing interest in shamans and the plants they work with is symptomatic of the fact that a collective consciousness is working together to seek out a redemptive future for the planet and mankind. They claim that the spirit of ayahuasca is so strong, so extraordinary, it is creating its own calling – just don’t mention carbon footprints.

Polivoy is philosophical about the environmental damage caused by flights to her retreat, but admits that western culture could be as well served by using its own rituals and working with its native plants. Maybe we would be better off drinking a potion made from tree bark and magic mushrooms and taking part in a Morris dance, which, after all, is closer to our spiritual roots. It’s unlikely, though, that Lucy would want to entertain her dinner party guests with details of that trip, isn’t it?

in Times Online 

 

This video is a little long, but it is an amazing view of the dangers faced by activists working in places like this.

 

From the Guardian’s website:

Paulo Adário, the coordinator of Greenpeace’s Amazonia campaign, who led the mission subsequently complained that ‘We heard from the Mayor and all of the others that the Constitution does not exist in Juína, there is no right to go and see, no freedom of the press. It is completely unacceptable that ranchers, with the support of the local authorities, can violate our freedom of movement and freedom of expression in this way.’Unfortunately such threats are both very real and very common in Brazil today. Over the past 30 years, 1,237 rural workers, union leaders and activist have been killed in Brazilian land disputes and only a tiny handful people have ever been convicted as a result.

I have huge respect for journalists and activist who put their lives on the line to get the truth out. But as Paulo reminded me by email:

We could leave the region with our plane and – that Tuesday – remove the two Opan guys. But the Enawene will stay there forever, and Opan needs to come back to help them. They are under threat, not us.

He’s right. They’ve asked for our help, and brave people like that deserve it. One way we can help to keep them safe is to spread the word. So please forward this video around.

 

Survival International is also calling on people to write emails and letters. Also see the OPAN website.

 

post do Andrew no Blog Making Waves

 

***************************************

 

August 30, 2007

 

Threats and intimidation down Amazon way

 

As the narrator of this startling video states, “working in the Amazon forest is not for the faint of heart.” In the past, people from campaigning organisations have been bullied by land owners and workers, facing intimidation, violence, death threats and even murder. The most recent example, documented in the video from Greenpeace Brazil, happened just last week and seeing footage of a situation verging on outright violence, I’ve found a new level of respect for the men and women who put themselves in the firing line.

 

 

The trouble began when a group of representatives from Greenpeace and Operation Native Amazon (an organisation working with forest communities), along with two French journalists, went to visit the indigenous Enawene-Nawe people near the town of Juina in Mato Grosso state. All they wanted to do was document their way of life in the forest, but were prevented from doing so by an angry mob of farmers and local officials.

 

Attempts to negotiate failed as it became clear that the farmers considered themselves as owners of not just the land and roads, but also the Enawene-Nawe as well. As the group are escorted away by a convoy of Jeeps and pick-up trucks, this appalling affront to civil liberties in a democratic country is a shock to the system, particularly as the town mayor was helping to run them out of town. At least they could leave, but the Enawene-Nawe’s lands are surrounded by farms which are continually encroaching on the forest.

 

When it comes down to it, the rights of a community who have lived there for generations are being challenged by the commercial ambitions of farmers who have been cutting down the forest for perhaps 20 years. I know who I’m backing.

 

post do Jamie no Blog Making Waves

Paulo Adario às margens do Rio Juruena com Atainaene escoltado por  PMs.

Foto de Juína Brasil
Paulo Adario às margens do Rio Juruena com Atainaene escoltado por PMs.

 

 

Juína, Brasil — Greenpeace e Opan pedem investigação contra fazendeiros e políticos que expulsaram as organizações e dois jornalistas franceses da cidade de Juína, no Mato Grosso.

O Greenpeace e a organização indigenista Opan (Operação Amazônia Nativa) pediram hoje ao Ministério Público Federal a apuração dos graves incidentes ocorridos há dois dias em Juína, no Mato Grosso, que resultaram na expulsão, por fazendeiros, de um grupo de representantes da Opan, ativistas do Greenpeace e dois jornalistas franceses. Entre os ambientalistas estava o coordenador do Greenpeace na Amazônia, Paulo Adario.

Veja as imagens:

 

Cópias de duas horas de imagens em vídeo documentando ameaças, ofensas e o processo de expulsão do grupo foram entregues agora à tarde ao Procurador Federal da República em Mato Grosso, Mário Lúcio Avelar. Pela manhã, Adario fez um pronunciamento sobre o assunto durante reunião especial do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) que se realiza em Cuiabá, e pediu providências das autoridades estaduais e federais. Ontem, durante a abertura da reunião, o governador Blairo Maggi anunciou que irá pedir a presença do Exército para enfrentar a grilagem e garantir a ordem no noroeste do estado, onde está Juína. O governo do estado havia sido informado no dia anterior que o Greenpeace, a Opan e jornalistas estavam praticamente mantidos como reféns num hotel da cidade, cercados por quase uma centena de fazendeiros.

“Ao mesmo tempo em que o governo celebra e assume o mérito pela queda das taxas de desmatamento na Amazônia, o episódio em Juína mostra que sua presença ou é rala ou ainda está muito longe daqui”, disse Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia do Greenpeace, que fazia parte do grupo. “É inaceitável que fazendeiros, com o apoio de autoridades locais, cerceiem a liberdade que todo cidadão tem de ir e vir e revoguem a Lei de Imprensa, cassando o direito de jornalistas exercerem sua profissão com segurança”.

O grupo do Greenpeace, da Opan e os jornalistas franceses foram expulsos por fazendeiros na segunda-feira pela manhã (20/08), depois de ser mantido durante toda a noite sob vigilância em um hotel da cidade. O grupo de nove pessoas estava de passagem por Juína e seguia em direção à terra indígena Enawene-Nawe. O objetivo da viagem era documentar áreas recém-desmatadas, além de mostrar a convivência de um povo indígena que vive de agricultura e pesca com a floresta e seu papel em preservar a biodiversidade.

No final da tarde de domingo, fazendeiros abordaram integrantes das duas organizações no hotel onde estavam hospedados, querendo saber quem eram e o que estavam fazendo em Juína. A área onde está localizada a terra indígena está em disputa entre os Enawene Nawe e os fazendeiros e expressa o conflito da expansão agrícola sobre áreas protegidas e territórios de povos indígenas.

Os índios reivindicam a reintegração de parte do território tradicional que teria ficado de fora da demarcação e que contém uma área de pesca cerimonial, fundamental nos rituais sagrados dos Enawene. Os fazendeiros, por sua vez, alegam que a terra é deles e estão dispostos a lutar para mantê-las. Eles se mostraram muito irritados quando souberam que jornalistas integravam o grupo que estava no hotel.

Na manhã seguinte, o local foi cercado por dezenas de fazendeiros e o presidente da Câmara Municipal, vereador Francisco Pedroso, o Chicão (DEM), que exigiam esclarecimento sobre os objetivos dos visitantes. O grupo foi levado à Câmara Municipal, onde uma sessão especial foi rapidamente organizada. Estavam presentes o prefeito da cidade, Hilton Campos (PR), o presidente da Câmara, o presidente da OAB, o presidente da Associação dos Produtores Rurais da região do Rio Preto(Aprurp), Aderval Bento, vários vereadores e mais de 50 fazendeiros. E também a polícia. Durante seis horas, os fazendeiros e repetiram que a entrada do grupo na terra Enawene Nawe não seria permitida e que seria “perigoso” insistir na viagem. Esmurrando a mesa, o prefeito de Juína, Hilton Campos, afirmou que não iria permitir a ida do grupo para o Rio Preto, sendo aplaudido fervorosamente pelos colegas fazendeiros.

Para evitar maiores conflitos, a viagem foi cancelada. O grupo, então, se dirigiu ao local de encontro com os Enawene, uma ponte sobre o Rio Preto, a 60 km de distância, para dar a eles combustível e comida para a volta. A viagem foi feita sob escolta policial, para garantir a segurança dos jornalistas, da Opan e do Greenpeace. Mas nem isso evitou que os fazendeiros, que acompanharam a viagem de ida e volta em 8 oito caminhonetes lotadas, continuassem intimidando e ameaçando o grupo. O grupo se refugiou no hotel de onde não pôde sair nem para comer. Uma viatura da Polícia Militar ficou na área, para impedir qualquer tentativa de invasão, mas não conseguiu impedir que um fotógrafo fosse agredido. Os fazendeiros fizeram uma vigília na frente do hotel durante toda a noite.

De manhã cedo, 30 caminhonetes lotadas de fazendeiros, com faróis acessos a buzinando sem parar, insultando e ameaçando o grupo, escoltaram o grupo, que estava protegido por duas viaturas policiais, até o aeroporto.Foram advertidos a decolar imediatamente, ou o avião seria queimado. No momento, todos se encontram em segurança em Cuiabá.

 

in Greenpeace

15th-Century Getaway A hand-colored 1911 photograph of Machu Picchu, the wintertime retreat of the Inca ruler Pachacuti Yupanqui. More Photos >

Published: June 24, 2007 in The New York Times

The stones at Machu Picchu seem almost alive. They may be alive, if you credit the religious beliefs of the ruler Pachacuti Yupanqui, whose subjects in the early 15th century constructed the granite Inca complex, high above a curling river and nestled among jagged green peaks. To honor the spirits that take form as mountains, the Inca stoneworkers carved rock outcrops to replicate their shapes. Doorways and windows of sublimely precise masonry frame exquisite views. But this extraordinary marriage of setting and architecture only partly explains the fame of Machu Picchu today. Just as important is the romantic history, both of the people who built it in this remote place and of the explorer who brought it to the attention of the world. The Inca succumbed to Spanish conquest in the 16th century; and the explorer Hiram Bingham III, whose long life lasted almost as many years as the Inca empire, died in 1956. Like the stones of Machu Picchu, however, the voices of the Inca ruler and the American explorer continue to resonate.

Imposingly tall and strong-minded, Bingham was the grandson of a famous missionary who took Christianity to the Hawaiian islanders. In his efforts to locate lost places of legend, the younger Bingham proved to be as resourceful. Bolstered by the fortune of his wife, who was a Tiffany heiress, and a faculty position at Yale University, where he taught South American history, Bingham traveled to Peru in 1911 in hopes of finding Vilcabamba, the redoubt in the Andean highlands where the last Inca resistance forces retreated from the Spanish conquerors. Instead he stumbled upon Machu Picchu. With the joint support of Yale and the National Geographic Society, Bingham returned twice to conduct archeological digs in Peru. In 1912, he and his team excavated Machu Picchu and shipped nearly 5,000 artifacts back to Yale. Two years later, he staged a final expedition to explore sites near Machu Picchu in the Sacred Valley.

If you have visited Machu Picchu, you will probably find Bingham’s excavated artifacts at the Yale Peabody Museum in New Haven to be a bit of a letdown. Mostly, the pieces are bones, in varying stages of decomposition, or pots, many of them in fragments. Unsurpassed as stonemasons, engineers and architects, the Incas thought more prosaically when it came to ceramics. Leaving aside unfair comparisons to the jaw-dropping Machu Picchu site itself, the pottery of the Inca, even when intact, lacks the drama and artistry of the ceramics of earlier civilizations of Peru like the Moche and Nazca. Everyone agrees that the Machu Picchu artifacts at Yale are modest in appearance. That has not prevented, however, a bare-knuckled disagreement from developing over their rightful ownership. Peru says the Bingham objects were sent to Yale on loan and their return is long overdue. Yale demurs.

In many ways, the dispute between Yale and Peru is unlike the headline-making investigations that have impelled the Metropolitan Museum in New York, the Getty Museum in Los Angeles and the Museum of Fine Arts in Boston to repatriate ancient artifacts to their countries of origin. It does not revolve around criminal allegations of surreptitious tomb-raiding and black-market antiquities deals. But if the circumstances are unique, the background sentiments are not. Other countries as well as Peru are demanding the recovery of cultural treasures removed by more powerful nations many years ago. The Greeks want the Parthenon marbles returned to Athens from the British Museum; the Egyptians want the same museum to surrender the Rosetta Stone and, on top of that, seek to spirit away the bust of Nefertiti from the Egyptian Museum in Berlin. Where might it all end? One clue comes in a sweeping request from China. As a way of combating plunder of the present as well as the past, the Chinese government has asked the United States to ban the import of all Chinese art objects made before 1911. The State Department has been reviewing the Chinese request for more than two years.

The movement for the repatriation of “cultural patrimony” by nations whose ancient past is typically more glorious than their recent history provides the framework for the dispute between Peru and Yale. To the scholars and administrators of Yale, the bones, ceramics and metalwork are best conserved at the university, where ongoing research is gleaning new knowledge of the civilization at Machu Picchu under the Inca. Outside Yale, most everyone I talked to wants the collection to go back to Peru, but many of them are far from disinterested arbiters. In the end, if the case winds up in the United States courts, its disposition may be determined by narrowly legalistic interpretations of specific Peruvian laws and proclamations. Yet the passions that ignite it are part of a broad global phenomenon. “My opinion reflects the opinion of most Peruvians,” Hilda Vidal, a curator at the National Museum of Archaeology, Anthropology and History of Peru in Lima, told me. “In general, anything that is patrimony of the cultures of the world, whether in museums in Asia or Europe or the United States, came to be there during the times when our governments were weak and the laws were weak, or during the Roman conquest or our conquest by the Spanish. Now that the world is more civilized, these countries should reflect on this issue. It saddens us Peruvians to go to museums abroad and see a Paracas textile. I am hopeful that in the future all the cultural patrimony of the world will return to its country of origin.” Behind her words, I could imagine a gigantic sucking whoosh, as the display cases in the British Museum, the Smithsonian, the Louvre and the other great universal museums of the world were cleansed of their contents, leaving behind the clattering of a few Wedgwood bowls and Sèvres teacups.

Richard Burger’s office at Yale is dowdily decorated with modern Peruvian handicrafts, sculptures and fabrics. Although Burger, a professor of anthropology, has devoted his professional career to Peruvian archaeology, everything he excavates remains in Peru, as required by law. With his wife, Lucy Salazar, a native of Lima whom he met while she was studying archaeology at San Marcos University there, Burger organized an exhibition, “Machu Picchu: Unveiling the Mystery of the Incas,” which, in 2003 and 2004, toured the United States and displayed many of the objects that Bingham sent back to Yale.

When Burger and Salazar came to Yale in 1981, most of the Inca artifacts were in storage. “We didn’t know if the collection would support an exhibition,” Burger told me. “It was scattered in different rooms of the Peabody. There had been fires and floods. Some of it desperately needed conservation work — it was deteriorating because it wasn’t climate-controlled.” Their notion was to create an exhibition in cooperation with the government of Peru, a prospect that the Peruvian tourist authority greeted with enthusiasm but no financing. Since Yale would provide only seed money, they had to come up with financing — slightly more than $1 million — to conserve the objects and bankroll the exhibition.

Never relinquishing hope that Peru might be a sponsor of the show, they were encouraged by a change of administration. The authoritarian Alberto Fujimori regime fell in a human rights and corruption scandal in 2000; following a brief transitional government, Alejandro Toledo was elected in 2001 as the first ethnically indigenous president of the country. Toledo has an inspiring personal story. Growing up as an impoverished shoeshine boy in a small town, he caught the eye of a Peace Corps volunteer, who arranged to have him study in California at the University of San Francisco. Toledo went on to do graduate work at Stanford University, where he met his future wife: Eliane Karp, a French-born student of anthropology and linguistics who was preparing a Ph.D. dissertation on the Latin American indigenous-culture movement and its relationship to Europe in the early 20th century. A gifted linguist, she speaks the native Andean language of Quechua. (Her husband does not.) At the suggestion of a friend who was advising the Toledo campaign, Burger and Salazar met with Karp-Toledo in her temporary office in August 2001, just after the new administration took power. The meeting went well. “We were very optimistic,” Burger told me. “This is a guy with a degree from Stanford, and his wife speaks Quechua and is interested in anthropology. We thought maybe Yale and Peru could have an educational initiative together.” Karp-Toledo told them she would like to learn more.

“She said, ‘Send me a proposal, not to my office but to my house, and I’ll show it to my husband,’ ” Salazar recalled.

“So we wrote up a proposal that involved an educational mission,” Burger said. “We sent it to them. When we went to Peru the following year, they said, ‘Why don’t we meet in the palace?’ ”

continua AQUI

Ministros e autoridades em turismo dos países membros da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) se reuniram neste domingo em Berlim.  Entre os assuntos em pauta, foram discutidas formas de divulgar a região Amazônica como um roteiro de turismo sustentável.  “A idéia é falar sobre a diversidade da Amazônia e estabelecer destinos turísticos conjuntos entre os oito países da bacia amazônica, não isoladamente cada um, mas uma proposta conjunta, de destinos atraentes para os turistas de diferentes lugares do planeta”, explicou a secretária-geral da OTCA, Rosalía Arteaga.

Ela informou que durante a reunião o coordenador de turismo da entidade, Donald Sinclair, fez uma exposição sobre a criação da marca Amazônia.  A instituição pretende lançar 2009 como o “Ano Destino Amazônia”, e já começa a discutir estratégias para dar visibilidade à região no mercado mundial.

Para Arteaga, o turismo na bacia amazônica poderia fomentar a criação de empregos e a melhoria da qualidade de vida da população.  “O turismo é uma iniciativa que pode compartilhar recursos entre diferentes atores dentro de um país e, neste caso, da bacia Amazônica”, disse.

Até o mês de julho a instituição espera receber dos países membros uma avaliação sobre os prováveis roteiros turísticos e os problemas de infra-estrutura das localidades.

O encontro em Berlim ocorreu paralelo à Feira Internacional de Turismo e contou com a participação de cinco dos oito países do bloco: Equador, Peru, Colômbia, Brasil e Bolívia.  São ainda países membros da OTCA Guiana, Suriname e Venezuela.

Fonte: Diário do Pará 

por José Carlos dos Reis Meirelles Jr. (*)

Existe um povo nas terras firmes do alto rio Envira que já viu muitas coisas estranhas que homens de outro povo fazem, riscando árvore de leite, cortando árvores e não plantando nada no lugar, matando veados, porcos e onças e aproveitando só o couro. Sem nenhum motivo, “os homens desse estranho povo, com suas armas compridas e ocas que gritam como trovões, enchem os corpos dos nossos de caroços pequenos e enfeitiçados que matam”. Nas noites sem lua, à beira da fogueira, os mais velhos conversam, pensam, falam, trocam idéias e tentam colocar os que fazem isso na categoria de homens verdadeiros. Amanhã é dia de caçar. O moquém está vazio e as mulheres estão brabas!

E nós – 21 trabalhadores da firma que foi demarcar a Terra Indígena Kampa e Isolados do Envira, três Ashaninka, eu e mais dois mateiros – nos preparamos para entrar na mata e fazer as picadas da demarcação. Picadas que desconfiei que passassem próximas à maloca dos índios isolados. A impressão de que isso não ia dar certo não me saía da cabeça. E lá fomos nós, dar aos índios o direito àquela terra!

Ispaô, homem de meia idade, bom caçador e filósofo, rastejava um bando de porcos do mato, usando só a vista, pois a cabeça pensava na terra, naquele chão que ele e os porcos pisavam.

“Meu avô dizia que a terra não é nossa, nós somos da terra. Sábio avô, com o nome que herdei. Primeiro neto, nome do avô. Os porcos estavam perto, o cheiro doía nas ventas”.

Atravessaram uma grota e… “Um caminho estranho na mata. Largo, uns seis ou sete passos, todo cortado. Os matos finos com corte liso, como mordida de onça. Os mais grossos com pequenas mordidas, como besouro serra-pau, rolados em pedaços. Muito rastro estranho, com pés sem dedos”.

O ouvido fino de Ispaô escutou um som rouco, ora agudo, ora grave. O som parou e deu lugar ao de uma grande árvore caindo. Os porcos, espaventados, correram a todo casco, como quem farejou o diabo! Ispaô tomou chegada pelo lado do caminho até ver quase 30 homens, todos entretidos na tarefa de fazer o caminho que vai no rumo da maloca.

“As histórias do vovô!!! Trovões, gritos, mulheres mortas, crianças espetadas e nossos homens sendo mortos…”.

De volta pra maloca, quase correndo, a cabeça zunindo de tanto pensar, Ispaô deu a notícia ao povo, entre exclamações e gestos rituais. A noite era pequena para a reunião dos homens em torno dos mais velhos.

“Sim, é preciso fazer alguma coisa. Amanhã vamos ver onde estão acampados, quantos são, o jeito deles”.

Saí para dar uma volta em torno do acampamento, ver sinais e matar alguma caça. Vi caça braba e macaco arisco. Vi também vestígios de parentes isolados, do dia!!! A sensação do isto-não-vai-dar-certo voltou mais forte. À noite, inambus, macacos, urus, macucaus e mutuns resolveram dormir perto do acampamento. Os parentes!

Ispaô e outros homens foram escalados para vigiar os homens do caminho grande e, de preferência, não deixá-los dormir, arremedando todo tipo de bicho.

“Quem sabe eles não ficam com medo e vão embora. Ao mesmo tempo, outros homens foram escalados para queimar a casa do barbudo, de onde esse bando de gente veio”.

Assim foi feito. De manhã, quando falamos com nossa base, que havia ficado com apenas dois trabalhadores, fomos informados de que a Frente Envira havia sido totalmente queimada! A presença de espírito de nossos mateiros salvou somente o radiotransmissor, a bateria e a antena. O resto virou cinza.

E todos nós na mata estávamos cercados pelos parentes. Voltar como? Solicitei um helicóptero do Exército para nos retirar, com temor de que, na volta, pudéssemos ser atacados pelos parentes que estavam só esperando a gente se movimentar. Na mata se enxerga com o nariz e os ouvidos. Quem não quer ser visto que fique quieto. Não ande. Assim fizemos, além de uma clareira, em tempo que, se cronometrado, entraria para o livro dos recordes. Dois dias depois, fomos retirados por um helicóptero do Exército, em três viagens.

Ispaô e seus companheiros, depois de correrem assustados com “o gafanhoto enorme que comeu os homens do caminho e os levou em sua barriga verde”, foram examinar o caminho. Tanta árvore derrubada, mato cortado, um estrago.

“Pedras quadradas, feitas pelos homens do caminho grande, apareciam depois de se andar uma mesma distância. Pedras estranhas, com um olho amarelado brilhante em sua cabeça”.

Nós deixamos para trás uma picada com seis metros de largura, os marcos de mil em mil metros e uma enormidade de mata derrubada.

Aliviados com nossa saída, Ispaô e os seus, após várias noites de histórias, risos e dúvidas, ainda não tinham chegado à conclusão de que tipo de homens eram aqueles que derrubam mato à toa, fazem caminho que não leva a lugar nenhum, não plantam nada onde derrubam e são engolidos por um gafanhoto gigante. E o pior: como chamá-los, quando a história fosse contada para as futuras gerações?

As chuvas do inverno começaram. Dentro da maloca, as discussões continuaram sobre o povo misterioso do caminho grande. Ispaô, num canto, ajeitava a pena de mutum numa flecha de matar macaco. A roda de homens continuava a discutir o assunto. Afinal, que povo doido era esse? Lampejando sabedoria, Ispaô, num pulo, gritou:

– “É o povo que planta pedra!!!”

Todos sorriram, a discussão acabou. Era hora de dormir. No dia seguinte, tinha muito que fazer. As mulheres já tinham ido, muito brabas, com a discussão que não acabava mais, reclamando que os maridos acordariam tarde e com preguiça de caçar.

in Revista Brasil Indígena (Ano III, nº 5, janeiro/2007 – Funai)

(*) sertanista e chefe da Frente de Proteção Etnoambiental Rio Envira, da Funai. Desde 1987, Meirelles vive e trabalha nas cabeceiras do Envira, garantindo os territórios de um considerável número de povos indígenas ditos “isolados”.

**********

meireles.jpg
Sertanista Meirelles (ao centro) com trabalhadores da Frente de Proteção Etnoambiental do Rio Envira, da Funai.

O relato de Meirelles foi feito ao co-editor da Revista, Felipe Milanez, que há pouco andou pelo Acre, onde participou de uma fiscalização realizada pela Funai, o Ibama e a Polícia Federal no Alto Envira, para encontrar possíveis evidências da entrada de madeireiros peruanos em território brasileiro, e visitou as aldeias Yawanawá, na Terra Indígena Rio Gregório.

A crônica tem como pano de fundo a demarcação física da Terra Indígena Kampa e Isolados do Rio Envira, realizada em 1997, pela Asserplan – Engenharia e Consultoria Ltda., empresa de agrimensura contratada pela Funai, empreitada na qual Meirelles, dois mateiros e três Ashaninka também participaram. Durante os trabalhos de abertura das picadas e do assentamento dos marcos, os “isolados”, alarmados com o ronco das motoserras, os tiros de espingardas, a derrubada da floresta e a eminente aproximação do caos à sua maloca, decidiram tomar providências: atearam fogo na sede da Frente de Proteção e cercaram a equipe da empresa. Esta, após quase 60 horas sitiada, acabou resgatada por um helicóptero do Comando Militar da Amazônia. Mesmo não plenamente concluída, a Funai acabou por reconhecer a demarcação, iniciativa que deu início à configuração de um amplo corredor, hoje formado por nove terras indígenas e uma unidade de conservação, de pouco mais de dois milhões de hectares, destinado à proteção dos territórios habitados e usados pelos índios “isolados” ao longo da fronteira Brasil-Peru.

A crônica resgata esse tenso momento da demarcação, sob dois pontos de vista distintos, mas coetâneos. Um, o do próprio Meirelles, sertanista com vinte anos de profissão, profundo conhecedor do alto Envira e arguto observador das práticas dos “isolados” que por ali vivem e andam, enquanto participava de uma atividade que desconfiava poderia desandar a qualquer momento. O outro, o dos “isolados”, dos “parentes”, como diz Meirelles, ao tentaram compreender as atividades da equipe de brancos e de outros índios, também humanos, mas portadores de estranhas atitudes face à floresta e de um aparato tecnológico até então pouco conhecido pelos moradores da maloca.

Hoje, com a perspectiva da exploração de petróleo e gás nas florestas do Acre, a crônica de Meirelles, fruto de seu esforço de traduzir o contraste entre esses dois pontos de vista sobre aquela mesma situação, parece uma sutil e sábia parábola.

É fato que o senador Tião Viana, que garantiu os recursos para que a Agência Nacional do Petróleo proceda com as atividades iniciais de prospecção no Acre, já assumiu compromisso de que as explorações não acontecerão em terras habitadas por índios “isolados”.

A crônica, por sua vez, ajuda a jogar um foco de luz sobre outras questões, mais amplas e igualmente pertinentes. Uma primeira: como os índios, os agroextrativistas e os demais habitantes da floresta verão e interpretarão as estranhas atividades dos homens das motoserras, dos aviões e helicópteros, das explosões, das sondas, das grandes torres, dos gasodutos, das doenças e da parafernália adicional que a exploração petrolífera e de gás trará para seus locais de moradia e seus territórios coletivos?

E outra: a demarcação da terra indígena, em 1997, visava, na ótica do governo brasileiro, garantir aos “isolados” (e aos Ashaninka) o direito à sua terra. Essa bem-intencionada iniciativa, contudo, poderia ter gerado uma catástrofe social, cultural e ambiental de grandes proporções, à vista dos “isolados”. Atualmente, a nova “redenção” para o Acre é propagandeada como uma atividade econômica sustentável, geradora de riqueza, bem-estar e conservação ambiental, por meio do repasse de royalties aos municípios, de múltiplos negócios para o empresariado local e do acesso de combustíveis não-poluentes e mais baratos à população em geral. Cabe se indagar, de novo: num futuro próximo, quando a exploração de gás e petróleo já estiver em curso, com desdobramentos ambientais, sociais e culturais de grande monta, como os povos da floresta conceberão e julgarão essa iniciativa do governo federal em suas terras, viabilizada com o apoio de nossos políticos e realizada por grandes empresas?

Nossos políticos: por ora, um senador, com certeza bem-intencionado, convicto da sua proposta e eficaz na sua atuação para torná-la realidade. Os demais, federais e estaduais, permanecem, até agora, num silêncio surpreendente. Mas, quem cala, consente, diz o velho brocardo, também em forma de parábola.

Das empresas, a atuação, no últimos anos, da “nossa” Petrobrás no exterior tem sido vangloriada, de forma recorrente, como exemplo inspirador para a nova “redenção” do Acre, nos releases de imprensa produzidos pelo gabinete do senador, e reproduzido nas matérias, editoriais e colunas políticas dos jornais locais, hoje descapitalizados e ávidos por reaver contratos sustentados com verba oficial.

No Peru, para ficar apenas num exemplo mais próximo, as façanhas da estatal brasileiras são várias. Sua atuação é fortemente questionada no Departamento de Loreto, onde atua no Lote 117, sobreposto à Reserva Territorial Napo Tigre, proposta para a proteção de grupos indígenas isolados. Em junho de 2005, a empresa assinou contrato para a exploração de petróleo e gás no Lote 58, adjacente ao Projeto Camisea (Lote 88), um dos exemplos preferidos da propaganda “oficial” para exemplificar os possíveis ganhos que resultarão da produção de petróleo no Acre. Citam o imenso potencial produtivo dessa região, mas se furtam de informar que, há vários anos, o Camisea é um acirrado campo de luta para as organizações indígenas e ambientalistas, peruanas e internacionais, com o respaldo da própria Defensoria del Pueblo (nosso Ministério Público), por conta das ameaças aos “isolados” que vivem na Reserva Territorial Kugapakori Nahua, sobreposta pelo Projeto, dos incontáveis desastres socioambientais e da quebra de acordos, salvaguardas e compensações previstos nos EIA-RIMAs, cometidos pelas empresas concessionárias. Fatos reconhecidos, aliás, pelo próprio BID, financiador da etapa inicial do Projeto, que, em final do ano passado, negou novo empréstimo ao consórcio Peru LNG para a segunda fase do gasoduto.

Em dezembro de 2005, a Petrobrás Energia Perú S.A. assinou com a Perupetro S.A., contrato para a exploração, por um período de 40 anos, do Lote 110, situado nas bacias dos rios Ucayali e Alto Juruá. Com pouco mais de 1,4 milhão de hectares, esse lote, adjacente ao Parque Nacional Alto Purús e sobreposto à Reserva Territorial Murunahua, destinada a povos indígenas “isolados” Murunhaua e Chitonaua, tem um de seus limites próximo, no Acre, às cabeceiras dos rios Envira, Tarauacá, Jordão e Breu, região onde estão situadas terras indígenas reconhecidas pelo governo brasileiro para os Kaxinawá, os Ashaninka e os “isolados”.

São esses os exemplos da estatal brasileira, para ficarmos apenas no Peru (e não lembrarmos a sua catastrófica atuação no Parque Nacional Yasuní, no Equador), nos quais devemos nos mirar para ficarmos convencidos, de uma vez por todas, da importância, da viabilidade e da sustentabilidade da exploração de gás e petróleo nas florestas do Acre?

Vida longa ao Meirelles, que, de longe, nas cabeceiras do rio Envira, em seu digno trabalho e seu jeito tão próprio de viver e ver o mundo, nos suscita oportunas reflexões, em meio às perspectivas que se delineiam hoje para as florestas acreanas e seus moradores, nesses novos tempos, do “ouro negro”, das estradas (as BRs e as binacionais) e do manejo madeireiro. Para não falar da BR-319 (Manaus-Porto Velho), do gasoduto Urucu-Porto Velho e das hidrelétricas do Madeira, todos logo ali, a leste, e das atividades das empresas petrolíferas e madeireiras nas florestas do Peru, ao longo de nossas bacias hidrográficas e fronteira comuns.

Enfim, parece que um certo modelo de desenvolvimento, assentado sobre as grandes obras de infra-estrutura e a questionável extração de recursos da floresta e de seu subsolo, está prestes a se consolidar na parte mais ocidental da região amazônica. Certamente, ele não é coincidente com as formas de vida e os anseios dos povos da floresta, com as agendas, históricas e atuais, de suas lideranças e organizações de representação política ou mesmo com os sonhos e planos do Governo da Floresta, que, no Acre, deles brotou há quase uma década.

A sábia prosa do Meirelles é pequena, “curta e grossa”, diria ele, mas boa para pensar sobre várias questões grandes, de longa duração e delicadas conseqüências. Vamos a elas, guiadas, agora, por um texto mais maneiro e gostoso de ler. Quem não gostar, que conte outras, com pontos de vista diversos, sem ataques pessoais, alegações de “terrorismo”, ambiental ou indigenista, ou acusando os “isolados”, os índios e outros viventes da floresta, e suas organizações, de constituir obstáculo à “redenção” do Acre. O debate está aberto, deve ser democrático, aberto a todos, e é essencial para melhor informar à sociedade sobre os projetos de desenvolvimento e de futuro em pauta para o estado.

A quem gostar, contudo, sugiro a leitura de outra bela crônica, “Entrechuvas”, também em forma de parábola, publicada pelo amigo Toinho Alves, em seu blog, O Espírito da Coisa, a 26 de fevereiro.

por Marcelo Piedrafita Iglesias

belempara_malinche.jpg 

Moderna e bela, a capital paraense vive um ótimo momento. A terra do cupuaçu é abençoada por chuvinhas diárias que acompanham o ritmo dos belenenses: livre, leve e solto. Uma das portas da Amazônia, a cidade demonstra com louvor suas influências indígenas na arte e na cozinha, que utiliza ingredientes da floresta para se tornar tão rica e peculiar.

Casarões azulejados na Cidade Velha revelam as raízes portuguesas que fundaram Belém em 1616, e que posteriormente a transformaram em uma importante região portuária. Isto é visível na Estação das Docas, área transformada em pólo cultural e gastronômico, bom de observar a baía do Guajará enquanto degusta uma salada de siri e toma um suco ou uma cerveja para refrescar a vida. Neste mesmo calçadão, você assiste aos shows folclóricos, no ritmo do carimbó, do siriá e do lundú, obras regionais. Música ao vivo, exposições, oficinas, lojinhas de artesanato, livros e uma brisa úmida tomam a atenção na antiga estação portuária.

Mas isto é apenas o começo, Belém possui qualidades que a diferenciam de qualquer outra cidade brasileira. Talvez sejam as regalias da modernidade desfrutadas com simplicidade; talvez sejam as pessoas, que vivem de gentilezas e despreocupação; talvez sejam as cores do Mercado Ver-o-Peso e todas as histórias que seus vendedores contam; talvez seja o conjunto desses e outros pequenos detalhes, que fazem a cidade representar a alma do Brasil com magnificência.

O ecossistema amazônico é contemplado através de conjuntos como o Parque Emilio Goeldi, onde animais como a onça pintada e o peixe elétrico, além de enormes árvores amazônicas são preservados. O Mangal das Garças, que conta com mirante e passarela sob a mata; e o Jardim Botânico, com trilhas e um orquidário também são ótimos lugares para apreciar a riqueza da natureza local.

As construções históricas também valem atenção especial. Um programa imperdível é uma visita ao Theatro da Paz, que passou dois anos fechado e reabriu em 2002. Inspirado no Teatro Scala, de Milão, todavia possui mobília original de 1878, ano de inauguração. O Forte do Presépio é outro grande atrativo por ser a primeira construção da cidade e por abrigar o Museu do Encontro, que conta a história da colonização portuguesa na Amazônia desde o século 17. A Casa das 11 Janelas hoje em dia é centro cultural com diversas atrações e o melhor chope da cidade, mas já foi residência de senhor de engenho e a partir de 1768 abrigou o Hospital Real.

Formado por um conjunto arquitetônico datado de 1698, o Museu de Arte Sacra guarda um acervo com cerca de 320 peças de arte religiosa. No Palácio Antônio Lemos está instalado o Museu de Arte de Belém, com obras de Cândido Portinaro, Alfredo Volpi e artistas locais.

DICAS 

Como Chegar: Existem vôos diretos das principais capitais do país até o aeroporto internacional de Val de Cans, que em 2001 foi inaugurado com lojas, praça de alimentação, salão de beleza e lan-house.

Melhor Época: Reforma nenhuma muda o calor em Belém, fato. Seja qual for a época do ano, as temperaturas permanecem na média de 30ºC. Além disso, a umidade produz um mormaço que pode não agradar os desacostumados. Fora isso, a chuva é um dos símbolos de Belém e está presente todos os dias, o que compensa o calor e produz uma brisa deliciosa. Dezembro a maio é a época que mais chove. O resto do ano é agraciado por pancadinhas rápidas no final da tarde. Nunca saia sem guarda-chuva!

Gastronomia: A grande referência da cozinha paraense é o pato no tucupi. Para traduzir, tucupi é um soro da mandioca que é extraído e fervido antes de envolver a ave. O ensopado é enriquecido com jambu, erva amarga que entorpece os lábios. Outro prato famoso é a maniçoba, tipo de feijoada que substitui o feijão pela maniva, uma planta venenosa. É preciso cozinhar as folhas durante uma semana, para que no sétimo dia as carnes sejam adicionadas sem perigo de haver veneno. O cheiro é uma delícia. Mesmo com o clima escaldante, os pratos são servidos muito quentes. O tacacá, por exemplo, uma sopa feita com tucupi, goma de tapioca, jambu e camarões secos, é servida em temperaturas efervescentes em barraquinhas pela cidade sob os 40 graus, que seja. Os frutos são uma atração a parte. Á começar pelas deliciosas castanhas do Pará e de caju, são torradas na hora e vendidas como água por toda a cidade. O cupuaçu é outra delícia a ser explorada, assim como o taperebá, o muruci, o bacuri e o rambotã. Para finalizar, Belém é também a terra do Açaí. O pequeno fruto consumido por marombeiros como energético, fora do Pará, é outra história. Nem pense em pedir granola para misturar ao açaí em forma de mingau, simplesmente porque isso não existe praquelas bandas. Os acompanhamentos originais são farinhas de tapioca e mandioca, camarões salgados, ou quem sabe pedaços de carne-seca. Ao contrário da energia que o açaí provoca no resto do Brasil, em Belém ele provoca moleza: caia na rede e aproveite a sesta amazônica!

Antes de ir: O ministério da Saúde recomenda tomar vacina contra febre amarela pelo menos dez dias antes.

Página seguinte »