Política


llegal loggers have put the survival of the last isolated indigenous groups increasingly at risk

Jan Rocha in São Paulo
The Guardian
Article history

Monday 27 April 2009 00.05 BST

Lost tribe found in Brazil

Members of an unknown Amazon basin tribe brandish weapons as a flight over the rainforest passes their settlement in 2008. Photograph: Reuters

The last isolated indigenous tribes, located deep in the Amazon rainforest, may need to be contacted for the first time to protect them from illegal loggers, according to Brazil‘s agency, Fundação Nacional do Indio (Funai).

The Funai official José Carlos Meirelles, who has been monitoring the groups along the border between Brazil and Peru for over 20 years, told the Guardian that he believes their survival is increasingly at risk.

The decision to make contact with the tribes is not one to be taken lightly. The last time isolated groups were contacted in the Amazon was in 1996, but the Korubo in the Javari valley have since suffered epidemics of malaria and hepatitis, resulting in many deaths.

Establishing contact, however, could be the only deterrent from the looming danger of loggers. If friendly contact were established, Funai would build a post inside their area to deter the loggers and offer healthcare, vaccinating tribe members against the many diseases that contact with the outside world inevitably brings.

The risk comes not only from the loggers, but gold prospectors and coca planters who have also invaded the region, bringing disease and violence.

Meirelles wants to see an international boycott of mahogany products: “Americans should know that with each mahogany coffin they use to bury a dead person, they are also burying two indians,” he warned. He said 80% of the world’s mahogany comes from the region where the isolated indians live, logged illegally, but sold to consumers in Europe, Asia and the USA through legal companies.

Meirelles, 60, spends most of his time almost as isolated as the tribes, living at a base deep in the forest, powered by solar energy, linked to Funai HQ in Brasilia by radio. He has acquired an intimate knowledge of the territory, trekking through the forest and travelling the rivers and inlets to record signs of their presence and map out the area they inhabit. This area is now officially recognised by the Brazilian government and designated as an indigenous area.

Over the years he has caught many glimpses of the tribes. At first, he says, they were hostile, but now they seem to realise that he does not wish them harm, but they never go near him: “They don’t want contact.” Meirelles said he has suffered over 30 bouts of malaria in the forest and last year survived a deep arrow wound when a tribesperson shot him, apparently mistaking him for a logger.

Another threat to survival is the increasing presence of international oil companies like Anglo-French Perenco, Canada’s Petrolifera and Brazil’s Petrobras, eager to drill in a huge oilfield located in the Peruvian Amazon. The Peruvian government at first denied there were any uncontacted tribes in the area, but has now admitted their existence.

Indigenous groups have already begun fleeing across the border, invading areas of isolated tribes on the Brazilian side, leading to conflicts and deaths.

“If this situation continues, contact will become inevitable, and it is better that it happens with us than with loggers or goldpanners,” says Meirelles.

Before any contact is made, Funai is organising meetings with anthropologists, NGOs, and especially with the accultured tribes living in the same Amazon area, to build up a consensus about how and what should be done.

Meirelles estimates that there are approximately 600 indigenous people on the Brazilian side, divided among four groups, and an unknown number on the Peruvian side. Some groups are nomadic, hunting, fishing and collecting fruits and nuts from the forest. Others are sedentary, growing crops and living in settlements of straw-roofed huts, like the ones who were filmed last year firing arrows at a Funai helicopter which overflew their area.

The Brazilian indigenous population is at least 500,000. Most are in the Amazon, speaking over 180 languages and dialects, at different stages of acculturation, but until contact is made, nobody knows the origin of these particular isolated groups.

Anúncios

At the first global gathering of Indigenous Peoples on climate change, participants were outraged at the intensifying rate of destruction the climate crisis is having on the Earth and all peoples.

Participants reaffirmed that Indigenous Peoples are most impacted by climate change and called for support and funding for Indigenous Peoples to create adaptation and mitigation plans for themselves, based on their own Traditional Knowledge and practices. Indigenous Peoples also took a strong position on emission reduction targets of industrialized countries and against false solutions.

The majority of those attending looked towards addressing the root problem – the burning of fossil fuels – and demanded an immediate moratorium on new fossil fuel development and called for a swift and just transition away from fossil fuels.

“While the arctic is melting, Africa is suffering from drought and many Pacific Islands are in danger of disappearing.  Indigenous Peoples are locked out of national and international negotiations,” stated Jihan Gearon, Native energy and climate campaigner of the Indigenous Environmental Network. “We’re sending a strong message to the next UN Framework Convention on Climate Change this December in Copenhagen, Denmark that business as usual must end, because business as usual is killing us.  Participants at the summit stood united on sending a message to the world leaders in Copenhagen calling for a binding emission reduction target for developed countries of at least 45% below 1990 levels by 2020 and at least 95% by 2050.”

“In Alaska, my people are on the front lines of climate change and are devastated by the fossil fuel industry,” related Faith Gemmill, Executive Director of Resisting Environmental Destruction on Indigenous Lands (REDOIL).  “Alaska natives network and we are fighting back.  We recently won a major battle last week as the District Court of Columbia threw out a plan to access 83 million acres of the Outer Continental Shelf that was driven by Shell Oil. Shell has a long history of human rights violations, for which many have suffered and died, like Ken Saro-Wiwa of the Ogoni People in the Niger Delta of Africa.”

Tom Goldtooth, Indigenous Environmental Network’s Executive Director, commented, “We want real solutions to climate chaos and not the false solutions like forest carbon offsets and other market based mechanisms that will benefit only those who are making money on those outrageous schemes ”  He added, “For example one the solutions to mitigate climate change is an initiative by the World Bank to protect forests in developing countries through a carbon market regime called Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation or REDD.”  He concluded, “Don’t be fooled, REDD does nothing to address the underlying drivers of deforestation.”

At a World Bank presentation at the global summit, Egberto Tabo, General Secretary of COICA, the Coordinating Body of Indigenous Organizations in the Amazon Basin denounced “the genocide caused by the World Bank in the Amazon.” Mr. Tabo also categorically rejected the inclusion of forests in the carbon market and the Bank’s funding of REDD. The World Bank’s representative, Navin Rai admitted that “the Bank has made mistakes in the past..We know that there were problems with projects like the trans-amazon highway.” But REDD, he argued would not be more of the same. However, indigenous leaders at the global summit were unconvinced by his assurances and the Work Bank presentation ended with a Western Shoshone women’s passionate appeal to the Bank to stop funding projects that endanger the survival of indigenous peoples.
Source: Global Justice Ecology
Published Monday, 27 April, 2009 – 13:19

03 April 2009

At yesterday’s press conference at the Embassy of Brazil after the G20 summit, President Lula remarked that because the world financial crisis had originated in the richest countries, for the first time ever the developed and developing worlds had participated in a major international meeting on an equal footing – ‘There’s been no one claiming to know everything, as if we knew nothing,’ he said.

He added that although the International Monetary Fund and World Bank need more funds to help the poorest countries, at present the best way for the world’s richest countries to help the rest of the world would be through their own economic recovery.

President Lula also said that as a consequence of the crisis there had been a shared understanding at the summit that ‘the market is not always right’, and later emphasised the importance of regulating the world financial system ‘so that it is orientated more towards the productive rather than the speculative sector’.

Immediately before the press conference the President gave an interview to BBC Newsnight, which will be possible to view on the programme’s website until 8 April.

Source: Embassy of Brazil

G20: President Lula is famous for his metaphors about barbecue and football – The Daily Telegraph

G20 summit logistics: leaders and their retinues spend a few days in London – The Guardian

VEJA TAMBÉM:

Related

4 Apr 2009

The gaffes at G20 summit

2 Apr 2009

Larry Elliott: Just as poorer countries start to get a voice, development slips down the agenda

2 Apr 2009

Michelle Obama does London – the fashion story so far

1 Apr 2009

AudioBoo takes a G20 field trip – and stays up Just.

Pelo menos 16 projetos de lei relacionados ao tema tramitam no Senado e na Câmara. A maioria está estacionada há mais de dois anos. Levantamento mostra falta de empenho tanto dos membros do Legislativo como do Executivo

Por Beatriz Camargo e Iberê Thenório
04/03/2008

As fiscalizações do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) bateram recorde em número de pessoas libertadas da escravidão em 2007, com 5.877 trabalhadores em 197 fazendas. Trabalho escravo e degradante estão cada vez mais em destaque no noticiário nacional, principalmente pelos recentes flagrantes em fazendas do setor canavieiro – vedete em tempos de coroação dos biocombustíveis. Exemplos disso foram as ações em propriedades do Grupo Carlos Lyra, em fevereirro último no estado de Alagoas; na Usina Debrasa, da poderosa Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool (CBAA), em novembro de 2007, no Mato Grosso do Sul; além do flagrante na fazenda e usina Pagrisa, no Pará, em junho do mesmo ano, que libertou 1.064 trabalhadores.

Enquanto isso, no Congresso Nacional, a maioria das 16 principais matérias ligadas ao combate à escravidão está há mais de dois anos sem dar um passo na tramitação, fora das pautas de plenários e comissões ou aguardando designação de relatores. Nove projetos estão na Câmara e sete no Senado. Apenas cinco deles já passaram da primeira “etapa” e mudaram de uma Casa à outra, dentro do Parlamento que reúne representantes de todo o país.

A PEC 438/2001, conhecida como “PEC do trabalho escravo” é um exemplo do que acontece com projetos de lei (PLs) nas instâncias parlamentares. Aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados em agosto de 2004, ela aguarda desde então a votação em segundo turno no Plenário. Entre todos os projetos sobre o tema que aguardam o crivo de senadores e deputados, é o que tem o andamento mais avançado.

Órgãos governamentais e entidades da sociedade civil de combate à escravidão consideram a PEC 438 um dos projetos mais importantes no enfrentamento a esse crime. Ela propõe mudança na lei que determina a expropriação de terras onde houver cultivo de plantas psicotrópicas ilegais, como a maconha. O trabalho escravo passaria a ser mais um motivo para o confisco, sem indenização.

Além dessa solução, outras propostas parlamentares sugerem aumento das multas e penas mais severas para o crime em questão, além de restrição a créditos financeiros e a contratos com estatais ou empresas mistas.

Projetos estacionados
Em levantamento anterior feito pela Repórter Brasil em junho de 2006, foram identificados 12 Projetos de Lei no Legislativo. De lá para cá, dois PLs foram arquivados, há projetos novos e, dos que já estavam listados, poucos avançaram.

A PEC 438/2001 está na lista de prioridades para este ano encaminhada pelo presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), aos líderes dos partidos. “A aprovação da PEC 438 é uma prioridade dele [Chinaglia]. Mas a matéria é difícil levando-se em conta a mobilização de bancadas contra a PEC. A intenção é chegar a um acordo”, informa a assessoria do presidente. Outro obstáculo citado pela assessoria é o excesso de Medidas Provisórias (MPs), que impedem o andamento das pautas da Casa. Segundo o gabinete do presidente da Câmara, são 19 MPs para serem votadas até abril.

A Repórter Brasil entrou em contato com o líder do governo na Câmara Federal, deputado Henrique Fontana (PT-RS), para obter uma avaliação dos planos governistas com relação à PEC 438/2001 e a outras matérias referentes ao tema, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.

A mais antiga das propostas em tramitação é de 1997, de autoria de Paulo Rocha (PT-PA). O PL inclui na definição de trabalho escravo – descrito no Art. 149 do Código Penal – a exploração de mão-de-obra infantil. Está parado desde 2003 na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Outros três PLs que tratam do assunto também estão na mesma CCJ.

Segundo o gabinete do senador Marco Maciel (DEM-PE), presidente da CCJ do Senado, não há perspectivas de avanço dos quatro projetos que estão na comissão: dois aguardando designação de relator e dois esperando para entrar na pauta de votação. “Não existe pressão para que nenhuma matéria sobre esse assunto entre em votação e a Comissão está com um acúmulo de outros projetos para serem tratados”, informa a chefia de gabinete.

Na Câmara, há cinco projetos atualmente na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Três deles estão empacados desde 2004. O presidente da comissão em 2007 foi o deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), sócio da empresa Agrovás, que já esteve na “lista suja” do trabalho escravo. Na semana passada, a CCJC escolheu um novo presidente: Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na opinião do presidente da subcomissão do Trabalho Escravo do Senado e autor de um dos projetos que tramitam sobre o tema, José Nery (PSol-PA), as matérias têm tramitação lenta porque em alguma medida contrariam o interesse dos parlamentares. “É verdade que tem uma parcela [do Congresso] comprometida com a mudança da legislação para beneficiar os trabalhadores. Mas também é verdade que a maioria está muito distante dessa luta para instituir instrumentos legais para a erradicação do trabalho escravo. Essa postura revela os interesses de classe, do latifúndio”, critica.

Para o deputado Eduardo Valverde (PT-RO), que também tem um projeto sobre trabalho escravo, esse assunto é um tabu na Câmara, já que a bancada ruralista, que costuma fazer oposição a essas proposições, é muito bem articulada. Poucos são os que têm coragem de se colocar publicamente contra propostas que combatem o crime, avalia o parlamentar. “Há matérias que são polêmicas, que dão desgastes políticos. Muitos fazem corpo mole, que também é uma forma de negação”.

Dando exemplo
Enquanto o Congresso Nacional demora para aprovar propostas que contribuem para o combate ao trabalho escravo, alguns estados saíram na frente. Rio de Janeiro, Piauí, Maranhão e Mato Grosso já sancionaram uma lei estadual que proíbe que órgãos públicos façam contratos diretos ou indiretos com empresas ou pessoas que utilizaram trabalho escravo. Na Câmara, o Projeto de Lei que trata do assunto, de 1996, tramita apensado, com outros 101 projetos, a um projeto de lei que modifica as regras para contratações da administração pública. Não há previsões de andamento dessa proposta.

Veja, no quadro abaixo, quais são os 16 projetos de lei relacionados ao trabalho escravo que tramitam no Parlamento: aqui

O Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva lançou, dia 25 de Fevereiro, um programa de 11.300 milhões (4.500 milhões de euros), para reduzir a pobreza em áreas rurais de baixo desenvolvimento social no Brasil.
    Segundo o Lula da Silva, este é “o segundo passo para acabar com a pobreza”, referindo-se também ao programa de transferência de renda Bolsa-Família, que beneficia mais de 11 milhões de famílias.
    A iniciativa é denominada Territórios da Cidadania e reunirá 135 acções de 19 ministérios para atender cerca de mil municípios brasileiros este ano, beneficiando populações indígenas, quilombolas, pescadores e agricultores familiares.
    Os municípios escolhidos foram reunidos em territórios com base na identidade cultural, económica e produtiva.
    Cada território terá de 10 a 30 municípios e haverá pelo menos um em cada Estado do Brasil.
    Lula afirmou que, assim como o Bolsa-Família, o Territórios da Cidadania deverá também receber críticas por ser considerado assistencialista, mas disse confiar que “o povo brasileiro saberá distinguir o que é boa fé do que é de má fé”.

Fonte: Lusa

MANAUS – Servidores de órgãos federais no Amazonas gastaram, no segundo semestre do ano passado, mais de R$ 3,1 milhões com a utilização do cartão corporativo, criado para custear despesas como compra de material e serviços. As informações estão no site da Controladoria Geral da União (CGU), o ‘Portal da Transparência’ (www.transparencia.gov.br). Os gastos representam 4,1% do total gerado pelos 23 ministérios do governo federal (órgãos superiores), que entre os meses de junho e dezembro gastaram R$ 75.656.353,91.No Amazonas, 15 órgãos federais subordinados a 12 ministérios fizeram uso do cartão corporativo realizando, na maioria das vezes, saques em dinheiro diretamente nos caixas eletrônicos e em menor quantidade, compras à vista.

Entre os órgãos no Estado que mais utilizaram recursos do cartão de crédito corporativo estão o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que gastou mais de R$ 2,5 milhões (que corresponde a 79,7% do total utilizado pelos órgãos federais no Amazonas) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que utilizou mais de R$ 382 mil, sacados em caixas bancários. No ano passado, o IBGE realizou a contagem populacional em todo o País.

De acordo com as informações do Portal da Transparência, há registro de que a maioria dos funcionários dos órgãos federais que realizaram saques em ‘cash’ (valor em espécie), fizeram mais de uma operação financeira dessa natureza no mesmo dia. Como exemplo, uma funcionária do IBGE que sacou mais de R$ 110 mil ao longo de 2007.

Anatel
No ano passado, as agências reguladoras do governo, entre elas a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) gastaram mais de R$ 1 milhão nos cartões de crédito corporativos do governo. A Anatel foi umas das agências que mais gastou, cerca de R$ 243 mil.

Dos gastos da agência, 55% foram de saques em caixas eletrônicos. No escritório do Amazonas, somente um funcionário sacou R$ 63 mil. Ao todo, funcionários da agência sacaram R$ 133 mil.

A Anatel informou, através da assessoria de imprensa, que o uso do cartão corporativo para saques em caixas eletrônicos se deve ao fato de haver fiscalização em áreas remotas.

Além disso, a Anatel informou que muitos estabelecimentos não aceitam cartões, por isso a necessidade do uso de ‘dinheiro vivo’, o que justificaria os saques em espécie

In Diário do Amazonas

Revisão de plano contra trabalho escravo reforça expectativas
Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) definirá novas metas para o Plano Nacional sobre o tema no início de 2008. Avaliação de entidades é de que o combate ao trabalho escravo saiu fortalecido de 2007

Governo anuncia recorde de 5.877 escravos libertados em 2007
Grupo móvel superou marca de 2003 e estabeleceu novo recorde de trabalhadores libertados da condição análoga à escravidão. Operações, indenizações e multas também foram as maiores desde 1995

Página seguinte »