Documentação


As lanças do crepúsculo – relações jivaro na Alta Amazônia
Philippe Descola
Tradução: Dorothée de Bruchard
Revisão técnica: Renato Sztutman
Publicação: set. 2006

Esta obra se inscreve na tradição francesa dos relatos de viagem ou, mais especificamente, dos relatos de pesquisa de campo antropológica.
O livro é um relato subjetivo, que descreve a experiência de Descola entre os índios Achuar da Amazônia equatoriana – entre 1976 e 1978 -, misturando a observação etnográfica – que transita do cotidiano ao extraordinário – com digressões sobre temas antropológicos e filosóficos variados, sempre sob um tom literário capaz de transformar situações vividas em enredos que prendem a atenção do leitor.
As lanças do crepúsculo é, por isso, um livro escrito não apenas para especialistas da área, mas sobretudo para um público mais amplo, interessado na experiência de um antropólogo com uma população indígena da floresta amazônica.
Para esta edição, foram recuperadas as fotos que o próprio autor fez durante sua estadia entre os Jivaro e publicadas na edição francesa original. Os desenhos dos objetos indígenas são de Philippe Munch.
Além disso, o volume é acompanhado de glossários, índices onomásticos, temáticos e de lugares e sobre o autor.

Werner Herzog's Fitzcarraldo There is an old adage your mother may once have taught you about the neighborhood weirdo – commonly referred to in English Literature as the “village idiot” – which goes something like this: “poor people are crazy, rich people are eccentric.”

 

For the purposes of this discussion, though, we should add the following caveat: “local people have good ideas they never seem to act on, while outsiders all have crazy ideas they always act on.”

 

Remarkably, most times we remember the crazy ideas best – and, equally remarkable, they’re usually the ones that “work out” in the end.

 

One of many such ideas is the focus of German director, writer and producer Werner Herzog’s fantastic jungle opus Fitzcarraldo (1982). Fantastic, that is, in the dictionary sense of the word, as in “strange,” “freakish,” “odd,” and totally “farfetched.” Webster’s New World Thesaurus even lists “foreign” as a plausible substitute.

 

We also have “absurd” and “futile,” both synonymous with the writings of French philosopher Albert Camus,* in particular the essay “The Myth of Sisyphus,” based on his existential analysis of the tragic Greek figure of the same name, condemned, in the afterlife, to roll a huge rock up a hill, only to see it slide back towards the ground upon reaching the summit.

 

Yes, all these descriptions are fine and accurate and certainly help to convey the surreal atmosphere that surrounds this mesmerizing adventure flick at times, yet none of them truly suffice as much as the term “madness” does.

 

Madness in the way the director eschewed special effects for larger-than-life realism in his grueling account of Irish entrepreneur (and resident outsider) Brian Sweeney Fitzgerald, transformed by the natives into the more euphemistic sounding “Fitzcarraldo,” and his cockeyed scheme to provide opera to the isolated Peruvian village of Iquitos.

 

Madness in Herzog’s use of authentic Amazonian locales, despite the inherent difficulties and insurmountable obstacles that shooting in that part of the world entailed for him and his long-suffering cast and crew.

 

Madness in his insistence on a real 340-ton steam vessel, to be hauled, by real Indians, first up, then down a real mountain slope – never mind the fact that the real Fitzcarraldo, a 19th-century, devil-may-care businessman, had chosen to dismantle his vessel before actually transporting it.

 

And madness in his employment of unruly screen veteran Klaus Kinski (Aguirre, The Wrath of God, 1972; Nosferatu, The Vampyre, 1978) – the epitome of erratic behavior both on and off the set – in place of the previously announced Jason Robards (who came down with amoebic dysentery only four months into shooting) and rock star Mick Jagger (who left soon after to join a Rolling Stones concert tour). They both got off easy as a result.

 

That the film was completed at all after having suffered through these and countless other ignominious torments – and went on to become a hallmark of the epic-movie genre as well – is the unlikeliest (and likewise maddest) concept of all.

 

Still, the sheer thought of bringing grand opera to the tropical forest area was not as improbable as it might first have appeared, even for a work of pure fiction.

 

Indeed, for all its vaunted inaccessibility and vastness, the Amazon has historically been the site of not one but several elaborately furnished opera houses bankrolled by the rich and powerful rubber barons of the period – the most famous of which, the pink-marbled Teatro Amazonas in Manaus, makes an eerie nocturnal appearance early on in Herzog’s accident-prone production.

 

Opera à la Carte (and in Your Face)

 

Relative to this is Fitzcarraldo’s openly mad obsession with the operatic art (shared fully by the movie’s obsessive-minded director), made apparent by his constant playing of scratchy old 78’s on a dilapidated Victrola – a lifesaver, it turns out, for him and his steamboat’s motley crew; and in the fantasy-like opening sequence, a harbinger of greater “eccentricity” to come.

 

In it, we glimpse the disheveled Irishman, in his trademark white planter’s suit and wide-brimmed hat, alongside his bordello-owner mistress Molly (played by Italian actress Claudia Cardinale), exhausted after a 1200-mile trek down the Amazon River, feverishly paddling away in an open-air motorboat, as he tries to catch what remains of Verdi’s four-act opera Ernani, starring his favorite singer, the fabled Enrico Caruso (voiced by real-life tenor Veriano Luchetti).

 

At first blocked from crashing the black-tie event by the persistent black doorman (an uncomfortably bedecked Milton Nascimento, in his foreign-picture debut, who was ludicrously dubbed into German by another actor), the mismatched pair nonetheless manages to sweet-talk their way into the auditorium, as the frazzled doorman looks on with a good deal of skepticism if not outright concern for the safety of the patrons ensconced within.

 

No sooner has the couple taken up its position at the back of the theater, than the lead soprano begins the final trio, with the great Caruso, at one point, extending his hand into the audience in a spontaneous gesture the manic adventurer conveniently mistakes as a sign of his impending good fortune: “He pointed to you,” Molly excitedly tells him.

 

“Yes,” cries Fitzcarraldo in acknowledgment. “He pointed to me. You see…he means me.” (Of course he does – in his mind’s eye, at any rate.)

 

With this fortuitous bit of self-justification, our accidental “tourist” hits upon his life’s chief purpose: he vows, then and there, to replicate his thrilling experience in Manaus in his own backwater’s main square, as evidenced by the rollicking scene in which he plants himself atop the local parish, ringing its bells and shouting to the populace below, “This church remains closed until this town has an opera house! I will build my opera house! I want to have my opera!”

 

This begs the question, then, of whether the belligerent actions of a desperate, turn-of-the-century music buff are, in reality, the ravings of a reckless and misguided lunatic (see Hector Babenco’s At Play in the Fields of the Lord, from 1991, for another view of this issue, this time involving born-again Christian missionaries let loose in the wilds of the Brazilian rainforest).

 

For non-lovers of the form, however, it can prove exceedingly difficult to grasp, let alone appreciate, where enthusiasm for opera ends and madness begins.

 

Having myself been a lifelong guild member of the Metropolitan Opera, along with expressing a keen interest in classic films, musical theater, and the plastic and performing arts (with “fan,” in this case, representing the shortened version of the word “fanatic”), I can readily attest to that misconception.

 

On a more positive note, not since the premiere of French filmmaker Jean-Jacques Beneix’s wickedly creative Diva (1981), with its stylish décor and cinematography, smart-ass urban attitude, and post-Nouvelle Vague production values, has there been a protagonist as enthralled with the lyric art, or as enamored of its infinite possibilities, as the one embodied in Herzog’s pet project Fitzcarraldo.

 

Even still, such unbridled “passion” (for what it’s worth) can be off-putting to those insensitive to the title character’s needs or to his peculiar brand of exuberance – his modus operandi, if you will.

 

More to the point, even time spent in jail does not thwart him from his self-appointed task of harvesting latex in a remote region of the Amazon too impractical for rubber-tapping, hence his use of a steamboat over that precipitous incline; then, once on the other side, shipping the raw material out and selling it for a quick profit, thus providing him with enough of a return to build his longed-for opera house.

 

But where would he find the outlay for such an outrageous endeavor? Fortunately for Fitzcarraldo, aid comes in the aesthetically pleasing shape of the sympathetic Molly, who decides to part with her brothel’s “hard-earned” cash – in a seriocomic episode that has her and her “girls” attempting to fleece the required funds from the all-too accommodating rubber barons – for the sake of her lover’s bold plan.

 

For her efforts, Fitzcarraldo christens his steamer, the Molly Aida, after her – and well he should, since it was her belief in his questionable abilities that helped finance the dubious venture in the first place – and in deference to his all-consuming interest in opera.

 

Whistle While You Work

 

This brings the main section of the story into play, wherein Fitzcarraldo’s doggedly determined vision for making his impossible dream come true – the long and deliberately agonizing climb up the treacherous hill, with a thousand-and-one native extras pulling, tugging and coaxing the huge vessel along – takes on the truly quixotic proportions of an old Cecil B. DeMille spectacle.

 

“This is a film that challenges the most basic laws of nature,” Herzog explained at the outset. “Boats are just not meant to fly over mountains.”

 

No, they’re not. Nor were they meant to be hurled down the raging Pongo das Mortes (“Rapids of Death”), either – which is exactly what happens next: loosening the ship from its moorings, the inscrutable tribesmen (called, disparagingly, the “bare-asses” in the movie’s script) offer the Molly Aida up as a symbolic gesture to their river god.

 

Miraculously, the tempest-tossed steamer, with Fitzcarraldo and his waterlogged crewmates still on board, withstands the rocky onslaught, but with his hopes for bringing opera to his village seemingly shattered by this harrowing experience, in a manner not unlike that of his mythological counterpart Sisyphus and that backsliding rock of his.

 

Waxing philosophical for the moment, let us turn now to Camus’ musings on the nature of the absurd, for a more discerning look into Sisyphus’ fate and, by implication and association, Fitzcarraldo’s own future:

 

“From the moment absurdity is recognized, it becomes a passion, the most harrowing of all…[Sisyphus’] passion for life won that unspeakable penalty in which the whole being is exerted toward accomplishing nothing. This is the price that must be paid for the passions of the earth…Happiness and the absurd are two sons of the same earth. They are inseparable. It would be a mistake to say that happiness necessarily springs from the absurd. It happens as well that the feeling of the absurd springs from happiness…

 

“[T]he absurd man, when he contemplates his torment, silences all the idols…There is no sun without the shadow, and it is essential to know the night. The absurd man says ‘yes’ and his efforts will henceforth be unceasing. If there is a personal fate, there is no higher destiny…but one which he concludes is inevitable and despicable…

 

“I leave Sisyphus at the foot of the mountain! One always finds one’s burden again. But Sisyphus teaches the higher fidelity that negates the gods and raises rocks. He too concludes that all is well. This universe henceforth without a master seems to him neither sterile nor futile…The struggle toward the heights is enough to fill a man’s heart. One must imagine Sisyphus happy.”

 

That last line is especially noteworthy, to be sure, since it should remind attentive viewers of a similar piece of dialog, delivered by sadistic Japanese Colonel Saito (Sessue Hayakawa) to the brutalized British prisoners of war, in the WWII action-adventure drama The Bridge on the River Kwai: “Be happy in your work,” he grudgingly informs them, as they prepare to take part in the back-breaking building of that fatal span.

 

Noteworthy, too, is the last line of the picture (“Madness, madness”) uttered by the uncomprehending Major Clipton (James Donald), upon witnessing the destruction of the very same Kwai Bridge that the by-the-book British commander, Colonel Nicholson (Oscar-winner Alec Guinness), had ordered put up to boost his men’s sagging morale.

 

Ah, the abounding absurdities of life! So where did we leave off, and how does Fitzcarraldo fit into all this?

 

For one, the two films share many cinematic elements in common, among them impressive location footage and realistic props and sets (a real bridge and train, for instance, in Bridge on the River Kwai); and for another, they’re both one-of-a-kind classics of their respective movie types. Need we say more?

 

Having His Cake – and Eating It, Too

 

Though none the worse for wear (one presumes), Fitzcarraldo finally returns to his town’s homeport, but immediately experiences another of those blinding flashes of “inspiration.”

 

This time, however, it pays off handsomely for him, and for all concerned: he sells the Molly Aida in exchange for sufficient earnings to rent out the entire opera company for a day.

 

We next see the makeshift ensemble, being floated down the river on small barges, with all the participants therein clothed, in 17th-century English garb, as pilgrims in Vincenzo Bellini’s I Puritani, singing their hearts out in the act-one bel canto number, “A te, o cara” (“To you, my beloved”), accompanied by several more barges replete with the remaining orchestra members. But where is Fitzcarraldo?

 

There he is, floating right beside the others – smoking an enormously fat cigar, it would seem – as happy and contented in his work, and in his achievement, as was Dr. Seuss’ red-eyed foe, the evil Mr. Grinch, in bringing Christmas back to Whoville.

 

And speaking of cartoon creations, it all seems so silly, really, when one stops to think about how much consternation our hero has caused for the folks around him, and for something so alien and mundane to the locals as opera. Yet there is (you’ll pardon the expression) method to Fitzcarraldo’s madness: after all, he did do exactly what he set out to do – he brought opera to the town of Iquitos. It’s only his bizarre execution of that incredible feat that left everyone slack-jawed and bewildered, that’s all.

 

Nevertheless, he showed them, all right. And things did “work out” in the end, though, didn’t they? No longer the brunt of cruel jokes, nor the laughingstock of his community, this “village idiot,” at least, has succeeded in his prime objective, while enjoying the fruits of his labors – as well as his flotilla’s victory display.

 

We realize now, of course, that he’s not really mad, nor even crazy. He’s just a little bit…well, you know…eccentric.

 

* Another Frenchman with the surname of Camus – the director Marcel Camus – had himself, in fact, exploited the rich font of Greek myths, specifically the tale of Orpheus and Eurydice, by placing it in the context of a Rio de Janeiro Carnival parade and celebration, in the ward-winning Orfeu Negro, or Black Orpheus.

 

Joe Lopes, a naturalized American citizen born in Brazil, was raised and educated in New York City, where he worked for many years in the financial sector. In 1996, he moved to Brazil with his wife and daughters. In 2001, he returned to the U.S. and now resides in North Carolina with his family. He is a lover of all types of music, especially opera and jazz, as well as an incurable fan of classic and contemporary films. You can email your comments to <!– var prefix = ‘ma’ + ‘il’ + ‘to’; var path = ‘hr’ + ‘ef’ + ‘=’; var addy26582 = ‘JosmarLopes’ + ‘@’; addy26582 = addy26582 + ‘msn’ + ‘.’ + ‘com’; document.write( ‘‘ ); document.write( addy26582 ); document.write( ” ); //–>\n JosmarLopes@msn.com <!– document.write( ‘‘ ); //–> This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it <!– document.write( ” ); //–> .

in BrazzilMag 

Autorizar soja transgênica só pode trazer prejuízo ao Brasil. Contas mirabolantes e dados confusos: este é o balanço da argumentação favorável à liberação do produto no Brasil. Nada autoriza a pensar que ela seja mais produtiva ou econômica do que a soja tradiiconal.

 

 

O jornal “O Estado de São Paulo” publicou há algumas semanas, com grande destaque, matéria onde afirmava que o Brasil perdeu 26 bilhões de reais desde 1996 por não ter liberado a produção comercial de transgênicos já a partir daquele ano. A matéria está baseada em estudo da empresa de consultoria econômica Céleres, de Minas Gerais, e causou total incredulidade a quem acompanha o tema, pois nem os propagandistas mais ferrenhos ousaram, até então, afirmar cifras tão gigantescas.

O estudo não só foi amplamente divulgado pela mídia como valeu aos seus autores convites para exporem seus resultados em palestras no Congresso Nacional, transformando-se em importante argumento na campanha em curso para pressionar o governo do presidente Lula a acelerar as liberações de cultivos comerciais dos transgênicos, atropelando as avaliações de impacto ambiental e de riscos para a saúde dos consumidores.

A análise detalhada das informações apresentadas no estudo, entretanto, mostra a sua inconsistência e a leviandade de se dar publicidade a tais argumentos. Se esta é a base sobre a qual se apóia a pressão para a liberação dos transgênicos é melhor, definitivamente, não liberá-los.

O cálculo das alegadas “perdas” indicadas pela Céleres tem como premissa básica que os produtos transgênicos têm custo de produção mais baixo que os convencionais e aplica este princípio à produção de soja, milho e algodão, quer resistentes ao herbicida glifosato ou tendo um poder tóxico capaz de matar lagartas (e outras espécies não-alvo).

Dos três produtos, a soja resistente ao glifosato, conhecida como soja RR, da multinacional Monsanto, é o único produto transgênico cultivado no Brasil desde 1996 sendo, portanto, o único sobre o qual é possível avaliar os resultados práticos a partir de dados empíricos e não de especulações. Por esta razão vamos analisar apenas as afirmações da Céleres sobre as “perdas” derivadas da não liberação da soja RR em 1996, que eles dizem ser da ordem de 4,6 bilhões de dólares.

Em primeiro lugar, o estudo diz que a produtividade das variedades de soja transgênica importadas clandestinamente da Argentina e reproduzidas nas propriedades dos agricultores é “elevada, o que potencializou a vantagem quantitativa da semente geneticamente modificada”.

Esta linguagem enrolada parece indicar que a produtividade foi mais alta do que nas variedades convencionais o que não se verificou em nenhum lugar do mundo. Os únicos testes comparativos de que se tem notícia no Brasil foram realizados pela Fundacep, do Rio Grande do Sul. Em todos os testes de campo, tanto as sementes de variedades transgênicas produzidas ilegalmente como as fornecidas pelas empresas tiveram resultados piores do que os das variedades convencionais, com uma diferença média da ordem de 13%. Os testes realizados nos Estados Unidos confirmam esta verdade com um diferencial de produtividade da ordem de 6,0% em média contra as variedades de soja transgênica no conjunto do país[ii].

Apesar deste comentário sobre a produtividade, o estudo da Céleres não atribui qualquer ganho de produtividade na soja RR quando faz seus cálculos sobre as “perdas”. Esta é apenas uma dentre as muitas inconsistências do estudo.

A Céleres cita uma empresa inglesa de consultoria, a PG Economics, como fonte para afirmar que existe redução nos custos de produção da soja RR devido a uma diminuição da ordem de 53% no uso de herbicidas; de 3,06 kg/ha para 1,44 kg/ha. No estudo da PG Economics encontrado no seu site estes números simplesmente não existem. Ao contrário, na página 7 do mesmo se lê: “deve-se notar que em alguns países, como na América do Sul, a adoção da soja RR coincidiu com aumentos no volume de herbicidas empregados em relação aos seus níveis históricos”.

Apesar da indicação acima sobre o aumento do uso dos herbicidas na América do Sul a PG Economics afirma que houve uma redução nos custos do uso de herbicidas no Brasil com a entrada da soja RR, redução de 73 dólares por hectare. Esta contradição não é explicada no texto, mas talvez os ingleses não saibam que o Brasil fica na América do Sul. Mas de onde tiraram esse dado?

A PG Economics não fez qualquer pesquisa no Brasil, ao contrário do que aparece no estudo da Céleres. Sua fonte de informação é uma publicação do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o USDA. O Gain Report Br4629, de novembro de 2004, apresenta uma tabela comparativa entre os custos de produção da soja transgênica e da soja convencional apenas para a safra 2004/2005 e apenas para a região de Cascavel, no Paraná. Com base em dados tão parciais a consultora inglesa extrapola as supostas economias de 73 dólares por hectare para todo o Brasil e para todo o período de 1996 a 2006.

Mas de onde o USDA tirou o seu dado? A publicação americana cita o Deral, Departamento de Estudos rurais da Secretaria de Agricultura do Estado do Paraná, mas a tabela em questão simplesmente não existe no site do Deral.

Contas mirabolantes
Para confundir ainda mais o leitor é preciso dizer que o estudo da Céleres apresenta uma tabela onde a economia de custos conseguida com o uso de soja RR é de 35 dólares por hectare, em média, para todo o Brasil de 1996 a 2006, mais uma vez devida a uma redução de 50% na quantidade de herbicidas utilizada. A fonte é uma outra empresa, Arcádia Internacional, de origem belga. Nenhum dos textos obtidos no site da dita empresa, entretanto, permitiu identificar qual a fonte de informação utilizada para esta suposta redução do uso de herbicidas.

A Céleres não teve sequer o cuidado de incluir nas suas contas o custo da tecnologia transgênica, observação que a Arcádia faz na sua tabela. A Monsanto cobra 2% sobre o valor da saca de 60kg de soja entregue pelo agricultor. Hoje a saca tem um valor médio de 25 reais e a parte da Monsanto seria de 50 centavos por saca. Calculando uma produtividade de 50 sacas por hectare, o custo da tecnologia seria de 25 reais por hectare. Este valor é de aproximadamente 12,5 dólares por hectare, ou seja, no balanço entre a suposta economia de 35 dólares no uso de herbicidas e o aumento de custo de 12,5 dólares pelo uso da tecnologia, o resultado é uma redução no custo de produção da ordem de 22,5 dólares apenas, menos do que o mercado está pagando de prêmio de qualidade para a soja não transgênica _ 30 dólares por hectare para uma produtividade de 3000 kg/ha.

Em outras palavras, o que queremos dizer é que o estudo da Céleres não se sustenta porque está baseado no estudo da PG Economics que está baseado no boletim do USDA que está baseado em um estudo atribuído equivocadamente ao Deral e cujos critérios e fontes não podem ser verificados. Por outro lado, a citada tabela da Arcádia Internacional também não dá a fonte dos dados e a Céleres esqueceu de incluir o custo da tecnologia nas suas contas. O que temos aqui são puras especulações de “pesquisadores internacionais” que são citados pelos pesquisadores nacionais como fontes sérias e seguras e, com isso, busca-se impressionar o público leitor.

A notória inconsistência dos dados apresentados é perceptível para qualquer um que esteja familiarizado com o uso de herbicidas na agricultura. A mera idéia de que o dado de uso de herbicidas em um determinado ano possa ser extrapolado para dez anos já é um absurdo total.

O caso dos EUA
Na falta de qualquer estudo minimamente sério sobre a cultura de transgênicos no Brasil, penso que podemos olhar para os estudos realizados nos Estados Unidos e que cobrem quase o mesmo período daquele da consultora inglesa, nove anos desde 1996. Estes estudos, realizados pelo pesquisador norte americano Charles Benbrook usam dados oficiais do governo daquele país e uma metodologia que é apresentada de forma transparente em seus estudos[iii].

O estudo de Benbrook prova que o uso de soja RR nos Estados Unidos desde 1996 fez crescer e não diminuir o consumo de herbicidas em comparação com os cultivos de soja convencional. Trabalhando com médias nacionais, Benbrook mostra que em 1996, o primeiro ano de cultivo de soja RR nos EUA, a redução do uso de herbicidas foi da ordem de 30% enquanto no segundo ano a redução foi de 23% em comparação com a soja convencional. Em 1998, a comparação entre a soja RR e a soja convencional resultou em um consumo de herbicidas 6% maior para a primeira. Deste ano em diante, as diferenças de uso de herbicidas vão ficando cada vez maiores, chegando a soja RR a consumir 86% mais herbicidas do que a convencional no nono ano do cultivo, 2005.

O estudo de Benbrook sobre milho e algodão resistentes a herbicidas segue o mesmo padrão, com 20% e 56% de uso de herbicidas a mais nos produtos transgênicos ao final de nove anos de cultivos.

Como é possível que os dados sejam tão discrepantes? Haverá realmente ou terá havido uma redução no uso de herbicidas pelo emprego de soja transgênica no Brasil? Pelo padrão exposto pelo pesquisador americano é provável que no início tenha havido uma redução de uso que, junto com a maior facilidade na aplicação dos herbicidas, tenha provocado o entusiasmo dos agricultores do Rio Grande do Sul em relação a esta tecnologia. Mas é impossível que os dados econômicos e agronômicos tenham se mantidos neste patamar ótimo entra ano e sai ano desde 1996. Já se fala em resistência das ervas invasoras ao uso do Roundup crescendo no RS há alguns anos. As estatísticas sobre o uso de herbicidas no RS, embora não detalhadas por cultura apontam para um forte crescimento no consumo que coincide com a expansão da área com cultura de soja RR naquele estado.

A hipótese mais provável é que a forte redução nos preços do glifosato, com o fim da patente da Monsanto junto com a súbita queda no valor do real em 1999, tenha mascarado as contas dos agricultores. Com o glifosato até 50% mais barato de um ano para outro, usar mais herbicida não aumentou os custos de produção quando comparados com os anos anteriores. Com o dólar quase dobrando também de um ano para outro, os sojicultores do RS tiveram ganhos tão significativos que certamente lhes pareceu justificar até um uso maior de herbicida para ter mais facilidade no controle de invasoras. Daí a se afirmar que o país perdeu bilhões por não ter usado soja RR mais cedo vai uma leviandade que beira a má fé.

Se as tendências constatadas por Benbrook para os Estados Unidos se confirmam para o Brasil _ e não há porque haver diferenças significativas entre os dois casos _ o “atraso” na regulamentação da soja RR em nosso país representou uma forte economia de custos, de cerca de dois bilhões de dólares, e não uma perda de 4,6 bilhões como especula o estudo da Céleres.

Está na hora de se fazer um estudo a sério sobre os custos de produção da soja RR no Brasil e suspender as operações de marketing com cálculos mirabolantes sem base na realidade após dez anos de produção no Rio Grande do Sul. O estudo da Céleres, assim como o da inglesa PG Economics ou o da belga Arcádia em que o primeiro se baseia, é totalmente inconsistente.

* Jean Marc von der Weid é economista e coordenador da AS-PTA (Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa) aspta@aspta.org.br

——————————————————————————–

Informativo Fundacep. ANO XI, nº 14, Agosto/2004.

[ii] ELMORE, R.W. et al. Glyphosate-resistant soybean cultivar yields compared with sister lines. Agronomy Journal, 93408-412, 2001.

[iii] Genetically Engineered Crops and Pesticide Use in the United States: The First Nine Years. Charles M. Benbrook, BioTech InfoNet, Technical Paper Number 7, October 2004. Disponível em: http://www.biotech-info.net/Full_version_first_nine.pdf

 

 

This video is a little long, but it is an amazing view of the dangers faced by activists working in places like this.

 

From the Guardian’s website:

Paulo Adário, the coordinator of Greenpeace’s Amazonia campaign, who led the mission subsequently complained that ‘We heard from the Mayor and all of the others that the Constitution does not exist in Juína, there is no right to go and see, no freedom of the press. It is completely unacceptable that ranchers, with the support of the local authorities, can violate our freedom of movement and freedom of expression in this way.’Unfortunately such threats are both very real and very common in Brazil today. Over the past 30 years, 1,237 rural workers, union leaders and activist have been killed in Brazilian land disputes and only a tiny handful people have ever been convicted as a result.

I have huge respect for journalists and activist who put their lives on the line to get the truth out. But as Paulo reminded me by email:

We could leave the region with our plane and – that Tuesday – remove the two Opan guys. But the Enawene will stay there forever, and Opan needs to come back to help them. They are under threat, not us.

He’s right. They’ve asked for our help, and brave people like that deserve it. One way we can help to keep them safe is to spread the word. So please forward this video around.

 

Survival International is also calling on people to write emails and letters. Also see the OPAN website.

 

post do Andrew no Blog Making Waves

 

***************************************

 

August 30, 2007

 

Threats and intimidation down Amazon way

 

As the narrator of this startling video states, “working in the Amazon forest is not for the faint of heart.” In the past, people from campaigning organisations have been bullied by land owners and workers, facing intimidation, violence, death threats and even murder. The most recent example, documented in the video from Greenpeace Brazil, happened just last week and seeing footage of a situation verging on outright violence, I’ve found a new level of respect for the men and women who put themselves in the firing line.

 

 

The trouble began when a group of representatives from Greenpeace and Operation Native Amazon (an organisation working with forest communities), along with two French journalists, went to visit the indigenous Enawene-Nawe people near the town of Juina in Mato Grosso state. All they wanted to do was document their way of life in the forest, but were prevented from doing so by an angry mob of farmers and local officials.

 

Attempts to negotiate failed as it became clear that the farmers considered themselves as owners of not just the land and roads, but also the Enawene-Nawe as well. As the group are escorted away by a convoy of Jeeps and pick-up trucks, this appalling affront to civil liberties in a democratic country is a shock to the system, particularly as the town mayor was helping to run them out of town. At least they could leave, but the Enawene-Nawe’s lands are surrounded by farms which are continually encroaching on the forest.

 

When it comes down to it, the rights of a community who have lived there for generations are being challenged by the commercial ambitions of farmers who have been cutting down the forest for perhaps 20 years. I know who I’m backing.

 

post do Jamie no Blog Making Waves

PROJETO PRODES
MONITORAMENTO DA FLORESTA AMAZÔNICA BRASILEIRA POR SATÉLITE

Apresentação Geral

Desde 1988, o INPE vem produzindo estimativas anuais das taxas de desflorestamento da Amazônia Legal. A partir do ano de 2002, estas estimativas estão sendo produzidas por classificação digital de imagens seguindo a
Metodologia PRODES. A principal vantagem deste procedimento está na precisão do geo-referenciamento dos polígonos de desflorestamento, de forma a produzir um banco de dados geográfico multitemporal.

A partir dos incrementos de desflorestamento identificados em cada imagem, as taxas anualizadas são estimadas para a data de 1/agosto do ano de referência. Os dados tabulares mais recentes publicados pelo INPE são:

    • Dados de entrada 2000-2005: Dados de entrada usados para o cálculo das estimativas anuais. 

    • Ano 2001-2002: Taxas de desflorestamento obtidas por classificação de 161 imagens LANDSAT. O INPE estima que o desflorestamento no período de Agosto de 2001 a Agosto de 2002 seja de 21.237 km2.

    • Ano 2002-2003: Taxas de desflorestamento obtidas por classificação de 191 imagens LANDSAT. A taxa total confirmada pelo INPE para o período de Agosto de 2002 a Agosto de 2003 é de 25.282 km2.

    • Ano 2003-2004: Taxas de desflorestamento obtidas por classificação de 207 imagens LANDSAT. O INPE estima que o desmatamento no período de Agosto de 2003 a Agosto de 2004 seja de 27.379 km2.

    • Ano 2004-2005: Taxas de desflorestamento obtidas por classificação de 211 imagens LANDSAT e de outros satélites quando houver cobertura de nuvens. Ao usar imagens de mais de um satélite (de datas próximas), o resultado é composto usando como base o recorte da cena Landsat. O INPE estima que o desmatamento no período de Agosto de 2004 a Agosto de 2005 seja de 18.759 km2, com uma margem de erro de 4%.

    • Ano 2005-2006: Taxas de desflorestamento obtidas por classificação de 211 imagens LANDSAT e de outros satélites quando houver cobertura de nuvens. Ao usar imagens de mais de um satélite (de datas próximas), o resultado é composto usando como base o recorte da cena Landsat. O INPE estima que o desmatamento no período de Agosto de 2005 a Agosto de 2006 seja de 14.039 km2, com uma margem de erro de 4%.

A descrição dos dados tabulares e a metodologia usada para o cálculo das taxas a partir de 2002 estão descritas na Metodologia PRODES.

Além dos dados tabulares, também estâo disponiveis à  comunidade brasileira os resultados do PRODES digital nos formatos descritos abaixo:

    • De 2000 a 2004 os dados estão disponiveis em banco de dados SPRING contendo: (a) Imagens de satélite por cena LANDSAT (órbita/ponto); (b) Mapa temático de desflorestamento do ano; (c) Mapa temático da extensão do desmatamento acumulado. Além do banco SPRING está disponível para download o shapefile do Mapa temático de desflorestamento do ano com polígonos de: incremento de desmatamento do ano, floresta, desmatamento_total acumulado até o ano anterior, nuvens e nao-floresta (Acesso ao banco de dados PRODES).
    • A partir de 2005, os dados disponíveis para a comunidade são: shapefile do Mapa Temático de Desflorestamento do ano para cada cena Landsat, e shapefile do mosaico de todas as cenas (Acesso ao banco de dados PRODES).

Para manter o histórico dos resultados gerados, também estão disponíveis os relatórios do PRODES ANALÓGICO: 1997-1988, 1998-1999, 1999-2000, 2000-2001.


O projeto PRODES conta com a colaboração do Ministério do Meio Ambiente e do IBAMA, e é financiado pelo MCT, através da Ação “Monitoramento Ambiental da Amazônia”. Veja ainda a Apresentação Geral em Slides do PRODES


Os mapas e dados disponíveis neste sítio são copirraite do INPE/MCT. É permitido seu uso para estudos e análises científicas e políticas públicas, desde que mencionada a fonte.

 

in Projecto PRODES

28 August 2007
Magazine issue 2618

 

Fast-growing indigenous populations hunting for bushmeat inside national parks must be a huge threat to wildlife, right? Well, not necessarily. A study in Manu National Park, on the edge of the Amazon rainforest in Peru, has found “little or no evidence” that any of the most hunted species are in decline, despite a doubling of the numbers of the local Matsigenka tribe in the past two decades.

For years conservationists have warned that the thousand or so Matsigenka people living and hunting in Manu were taking too many birds and mammals, threatening the future of one of the world’s richest wildlife reserves. In fact, nature is more resilient than that, say ecologist Julia Ohl-Schacherer and colleagues from the University of East Anglia in the UK (Conservation Biology, DOI: 10.1111/j.1523-1739.2007.00759.x).

in New Scientist 

Recebi um email do Ben Wikley, da Avaaz. Dado o interesse em que o conteúdo se espalhe pelo maior número de pessoas possível, entendi por bem repassar aqui no blog. Creio não estar cometendo nenhuma inconfidência.

Geralmente os assuntos que afetam mais vidas não estão nas primeiras páginas dos jornais. Esse mês nós temos a oportunidade de fazer algo sobre um deles: a crise pesqueira global.

Pescadores de pequeno porte estão pegando cada vez menos peixes por causa da pesca predatória massiva de frotas de navios pesqueiros altamente equipados. A grande causa são os bilhões de dólares em subsídios dados a essas frotas pelos países ricos. O resultado é uma concorrência desleal na indústria pesqueira e o esgotamento da população de peixes á níveis assustadores.

Em setembro a Organização Mundial do Comércio(OMC) vai liberar um novo tratado de pesca global. Essa é a nossa chance de agir. Agora mesmo a OMC está consultando os Ministros das Relações Exteriores/Ministro de Negócios Estrangeiros para decidir essas regras. Apóie nossa campanha e enviee uma mensagem ao seu ministro, pedindo para ele apoiar um sistema pesqueiro justo e sustentável.

Clique neste link para ver um modelo ou escrever sua própria mensagem.

Um estudo recente descobriu que 90% dos peixes grandes como o atum e o peixe-espada já desapareceram. As grandes frotas comerciais dos países desenvolvidos não pescam só em alto mar mas também na costa dos países em desenvolvimento, literalmente roubando o sustento de comunidades pesqueiras que sobrevivem da pesca.

Na semana passada o Dr. Francis K. E. Nunoo, um cientista de Gana colheu o seguinte depoimento de um pescador local:

“Há dez anos atrás, durante o pico da temporada de pesca, eu enchia meu barco com um único lançamento da rede. Recentemente nós temos que lançar a rede 7 vezes antes de encher o mesmo barco. A situação está piorando a cada ano.”

A OMC é governada por seus 151 países membros, e temos membros da Avaaz em cada um desses países. Portanto se agirmos juntos vamos ter a incrível oportunidade de influenciar a nova regulamentação global de subsídios pesqueiros. A OMC estará elaborando essa proposta nas próximas semana, portanto precisamos espalhar essa mensagem rápido.

http://www.avaaz.org/po/make_fishing_fair/?cl=16451401

A crise da pesca é um exemplo de como o sistema de comércio internacional apresenta sérias desvantagens tanto para as populações de países em desenvolvimento como para o meio ambiente. Juntos podemos lutar por políticas e regulamentos que equilibrem o lucro econômico com um balanço sócio-ambiental justo.

Ajude a espalhar a mensagem

Com esperança,

Ben, Graziela, Ricken, Paul, Iain e toda a equipe Avaaz

 

P.S. – Para saber mais sobre o assunto, sugere-se que siga os links:

Pesca Predatória:
http://oceans.greenpeace.org/pt/nossos_oceanos/pesca_predat%
http://www.cutthebait.org (em Inglês)

Pesca Predatória no Brasil:
http://www.brasilcidadao.org.br/noticias/textos.asp?id=90
http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=131092

Proposta para eliminação de subsídios pesqueiros:
http://www.ipcdigital.com/ver_noticiaA.asp?descrIdioma=br&codNoticia=6939&codPagina=7219&codSecao=369
http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/03/05/materia.2007-03-05.4547179694/view

Página seguinte »