MANAUS – A juíza da Vara Cível da Infância e Juventude, Carla Dias, determinou, ontem (16 de Abril), a permanência da criança da etnia ianomâmi, de um ano, no Hospital Infantil Dr. Fajardo, no Centro de Manaus, segundo informação do jornal Diário do Amazonas.

Para evitar que a família da menina indígena tente invadir a unidade, a magistrada pediu o auxílio da Polícia Militar (PM). A criança apresenta um quadro clínico de hidrocefalia, tuberculose, desnutrição e pneumonia, e está internada desde o dia 13 de março.

A decisão da Justiça contraria a vontade da família da menina, que solicitou a remoção dela para a aldeia Kona, em Santa Isabel do Rio Negro (a 631 quilômetros de Manaus). Segundo Termo de Declaração, traduzido pela Fundação Nacional do Índio (Funai), “a mãe, Kamila Ianomâmi, requer que sua filha seja imediatamente liberada do hospital, por quer voltar à aldeia, onde pretende que aconteça seu falecimento.

De acordo com a diretora do Hospital Dr. Fajardo, Glória Chíxaro, o estado da criança é estável e ela não corre risco de morte, se permanecer na unidade. Na sentença, a juíza Carla Dias ressaltou que o hospital deverá informar à Justiça quando a menina se recuperar. “Nós decidiremos se ela volta ou não para a aldeia”.

Fonte: Diário do Amazonas – RC