Com apenas 14.314 famílias beneficiadas, o Amazonas é o estado mais atrasado no cronograma de instalação do Programa Luz Para Todos no Brasil. O dado foi apontado no relatório do Ministério de Minas e Energia, divulgado na última terça-feira. A meta, até 2008, é atender 81 mil famílias amazonenses.

Com base no relatório, a logística para chegar material de trabalho e o clima da região que atrapalham as instalações são as principais causas do resultado negativo do Estado. Prefeitos de alguns municípios amazonenses reclamam que a Eran – empresa vencedora da licitação para atender a maioria das cidades que constam no cronograma do governo, ao todo 62 municípios – não teria estrutura suficiente para realizar a instalação da rede de eletrificação rural.

“Simplesmente a Eran não tem estrutura para atender ao interior. As poucas máquinas que mandaram para cá estão paradas, nem funcionários têm”, reclamou o prefeito de Apuí (a 220 quilômetros de Manaus), Antônio Roque Longo.

De acordo com Longo, dos 25 mil habitantes do município, pelos menos oito mil vivem no escuro. “Desde 2005, apenas 105 famílias foram beneficiadas com o programa”, lamentou.

Números divulgados no site da Manaus Energia informam que, até agora, uma média de 4,6 mil famílias foi atendida pela empresa na capital, enquanto a Centrais Elétricas do Amazonas (Ceam) beneficiou 9.714 no interior. A reportagem tentou falar com a empresa Eran, responsável pela instalação da rede no interior, mas não obteve resposta.

Poucos avanços

Segundo o secretário de Administração de Boa Vista do Ramos, Dilmar Erichfranke, até hoje a cidade conta com apenas 29 quilômetros de rede instalada, atendendo somente a 700 famílias. “A meta, segundo o governo federal, é que três mil sejam beneficiadas. Mas a esse passo de tartaruga acho impossível”. O município, que fica a 270 quilômetros de Manaus, tem 13,6 mil habitantes e 40% não têm energia elétrica em suas casas, conforme informações do secretário.

Para os sete mil habitantes do município de Anamã (a 168 quilômetros da capital amazonense), o Luz Para Todos é pura ficção. “Até hoje não temos nenhuma família beneficiada com o programa. Aliás, por dois anos seguidos teve gente do governo federal aqui fazendo levantamento, mas nunca retornaram com ação”, afirmou o prefeito da cidade, Luiz Guedes. Dados da prefeitura apontam que, pelo menos, 40% dos habitantes ainda vivem à luz de velas e candeeiros.

in Amazonas Em Tempo