Temas como trabalho escravo e violência contra crianças e adolescentes estão entre as principais preocupações do Movimento Humanos Direitos (MHuD), entidade que congrega nomes conhecidos como Camila Pitanga, Letícia Sabatella e Marcos Winter

por Mauricio Monteiro Filho

Nos intervalos de gravações e ensaios, um grupo formado basicamente por atores e atrizes tem se dedicado a um tema que ainda ocupa uma tímida fatia da programação televisiva: a luta pelos direitos humanos.

Formado há cerca de quatro anos, o Movimento Humanos Direitos (MHuD) – http://www.humanosdireitos.org/ – lança mão da visibilidade de seus membros para trazer a público questões relacionadas a trabalho escravo, violência contra crianças e adolescentes, desrespeito ao meio ambiente. Dessa forma, fora do horário nobre, a dupla Jáder (Chico Diaz) e Bebel (Camila Pitanga), que diverte a audiência da novela “Paraíso Tropical”, da Rede Globo, troca a representação pela ação política. Também fazem parte do grupo artistas renomados como Letícia Sabatella, Osmar Prado, Dira Paes, Wagner Moura e muitos outros atores, atrizes e profissionais de áreas variadas.

De acordo com o diretor-geral, o também ator Marcos Winter, a área de interesse da entidade transita sobre “questões por demais desgraçadas, fruto de descaso e de um atraso muito grande no país, porque precisamos de reformas básicas e estruturais”.

Entre as questões mais recentes em que o grupo se envolveu, está um caso de violência sexual contra menores na cidade de Sapé, estado da Paraíba, em que o MHuD pronunciou seu apoio à promotora de Justiça do município, que está sendo ameaçada de morte.

Outra campanha atual da entidade é o repúdio à construção da barragem de Estreito, na divisa entre o Maranhão e o Tocantins. O empreendimento, que já está em fase de início das obras, alagará uma área de 400 quilômetros quadrado. Além disso, afetará 12 municípios e três terras indígenas, desalojando cerca de 20 mil pessoas.

Ambas as intervenções do Humanos Direitos – além de outras – estão no site da entidade, ou podem ser acessadas pelos links ao fim do texto.

O MhuD também tem desempenhado um importante trabalho no acompanhamento do projeto de emenda constitucional (PEC) 438, que trata da expropriação de terras em que forem encontrados trabalhadores escravos. O grupo esteve pessoalmente no Senado Federal durante a votação do texto, que foi aprovado, mas atualmente está travado na Câmara, aguardando votação em segundo turno.

Winter também identifica que a vanguarda lançada pelo MHuD tem gerado uma sensibilização maior do setor artístico para temas sociais. “É bom ver a Xuxa dizendo que não se deve bater em crianças, na televisão”, exemplifica. Mas ele julga que, enquanto não houver “disponibilidade para encarar as tragédias do país de perto”, não haverá transformação social real.

Assista:
Vídeo do MHuD sobre os riscos da construção da barragem de Estreito
Vídeo do MHuD em apoio à promotora de justiça de Sapé (PB)