Estudo publicado pela revista científica americana ´PNAS´ traça um quadro sombrio para os ambientes do planeta no final deste século. Segundo a pesquisa, vastas regiões da Terra poderão estar tomadas por dois fenômenos igualmente aterradores no ano 2100: o surgimento de climas que não se parecem com nada que conhecemos hoje e o desaparecimento de climas típicos do mundo atual.

No estudo, os pesquisadores usaram simulações para ver o que aconteceria com os climas da Terra em cada cenário. O resultado: no cenário mais pessimista, entre 12% e 39% do planeta abrigaria climas totalmente ´inéditos´, enquanto entre 10% e 48% da Terra teriam regimes climáticos em fase de desaparecimento. No cenário mais pessimista, a fração estimada tanto para climas ´inéditos´ quanto para climas em desaparecimento fica entre 4% e 20% da superfície terrestre.

Outra descoberta: nas simulações, essas áreas em polvorosa correspondem justamente a regiões com altíssima biodiversidade. A Amazônia e a floresta da Indonésia estariam entre as regiões com climas sem nenhuma semelhança com os existentes nos dias de hoje.

in Diário do Nordeste