O Brasil vai oferecer conexão gratuita à internet por satélite para tribos indígenas da Amazônia e para outras comunidades, em mais um esforço para combater o desmatamento ilegal da floresta.

“É uma forma de abrir comunicações entre as comunidades indígenas, quilombos, quebradores de castanhas, pescadores ribeirinhos e o resto da sociedade”, disse a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, na quinta-feira, após assinar o acordo que põe o plano em vigor.  “Essas comunidades são os verdadeiros protetores das suas áreas”, disse ela.

O projeto levará a internet sem fio a 150 pequenas comunidades da Amazônia, do Pantanal e do sertão nordestino.  Muitas dessas comunidades vivem isoladas devido à falta de infra-estrutura básica, como estradas.

Contribuir com a preservação do meio ambiente é um dos principais objetivos do programa.  “A Internet nos ajudou a trazer a polícia (quando houve desmatamento ilegal na reserva)”, disse Benhi Piyanko, que vive numa reserva habitada por 500 índios ashaninka no Acre.  “Conseguimos passar a mensagem bem amplamente, atingimos até o presidente”, afirmou.

O governo federal vai entrar com o acesso à internet, mas caberá a prefeituras e governos estaduais conseguir os computadores.

Líderes indígenas apóiam o programa, mas temem que os computadores possam destruir as culturas dos mais de 200 povos nativos, disse Ailton Krenak, membro da Rede de Povos da Floresta.  “Não gosto de computadores, mas também não gosto de aviões.  O que se pode fazer?”, questionou.

in Reuters