A expansão da fronteira agrícola para a pecuária e a agricultura tem sido uma das causas da redução das florestas em todo o mundo.  A avaliação é do representante da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), José Tubino, que concedeu entrevista hoje (16) à Rádio Nacional.

Um estudo divulgado nesta semana pela FAO mostra que os países que mais desmataram no mundo entre 2000 e 2005 são Indonésia, México, Papua-Nova Guiné e Brasil.  Esses países concentram 80% das florestas do planeta.  O Brasil, segundo o relatório, é responsável por 74% do desmatamento sul-americano.

“Por ser o Brasil um país de tamanho continental, é claro que em números gerais o Brasil teria o maior desmatamento”, afirmou Tubino.  Segundo ele, mais de 100 países já têm constituído programas nacionais de florestas, o que é positivo.  “Sabemos que as políticas públicas do governo brasileiro assim como de outros países, que já têm instituído os Programas Nacionais de Florestas, estão tendo um efeito positivo para a redução do desmatamento”.

Para o representante da FAO, no entanto, o ritmo de desaceleração do desmatamento é preocupante.  “Temos que saber que aproximadamente 20 mil hectares de florestas primárias estão sendo perdidas a cada dia no mundo”, afirmou.

Ele lembrou que a destruição das florestas contribui ainda mais para o aquecimento do planeta.  “O que estamos fazendo basicamente é incrementar a quantidade de carbono na atmosfera”.

Fonte: RadioBras