A já tradicional encenação da “Paixão de Cristo” no anfiteatro Vitória Régia, em Bauru, virá carregada de apelos à preservação da Amazônia e dos demais ecossistemas brasileiros. Este ano, a tragédia da morte de Cristo organizada por iniciativa dos freis missionários da Congregação Santo Inácio de Antioquia é toda representativa da região amazônica, seus problemas e preocupações com a manutenção da floresta.

“O próprio anfiteatro faz menção ao tema, já que a Vitória Régia é a flor símbolo da Amazônia”, inicia dizendo o frei Alfredo Francisco de Souza. O religioso ainda aponta que o sofrimento de Jesus representará também o sofrimento da região e a violência contra a mata e o povo da região. Por sua vez, Verônica e os demais personagens que tentam auxiliar Cristo durante o calvário, ajudam a mostrar as dificuldades enfrentadas por aqueles que tentam ajudar a floresta.

Ainda sob as relações, o frei aponta que a morte de Cristo reflete a morte de muitos dos que defendem um desenvolvimento sustentável e a autonomia dos povos amazônicos. E, enfim, a ressurreição aponta para uma perspectiva futura movida pelas ações que ainda podem preservar e fazer ressurgir o meio ambiente como um todo.

A encenação da Paixão de Cristo, pelo quarto ano consecutivo se alia à temática da Campanha da Fraternidade, promovida pela Igreja Católica. Este ano o tema é “Fraternidade e Amazônia”, com o lema “Vida e missão neste chão”. A união do tema bíblico e da campanha abre espaço à discussão sobre a preservação do meio ambiente de maneira ampla, assim sendo, durante o espetáculo, questões sobre as ameaças ao meio ambiente regional estarão presentes. “Aqui, perto de nós, também há devastação e poluição em diversos níveis. Não cuidamos de nosso cerrado, nem de nossos rios”, diz o frei.

Como ocorrido no ano passado, a apresentação tem o apoio de órgãos voltados ao tema da campanha. Este ano, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) apóia a congregação com o fornecimento de flores e árvores que irão compor o cenário. A Polícia Ambiental vai ceder animais empalhados, típicos da região amazônica, para a encenação.

O frei explica ainda que a realização das encenações de Páscoa no Vitória Régia ajuda na valorização do anfiteatro como um ponto de encontro e compartilhamento da comunidade de Bauru e região. O convite para a encenação da Paixão de Cristo está aberto a toda comunidade, a todas as religiões. “Queremos que todos tenham consciência da importância da reflexão e dos cuidados com o meio ambiente”, conclui o frei.

O espetáculo envolve cerca de 150 pessoas diretamente em sua execução e tem duração variável entre 1h30 e 2h. O público deste ano deve superar os cerca de 2.500 espectadores que prestigiaram a apresentação no ano passado.

• Serviço

A encenação da “Paixão de Cristo” está marcada para a terça-feira da Semana Santa, dia 3 de abril. O espetáculo tem início previsto para as 20h. O ingresso pode ser trocado por um quilo de alimento não perecível, com exceção de sal.

in Jornal da Cidade de Bauru