O que chama a minha atenção, mas provavelmente isso não tenha ainda uma influência direta sobre o desmatamento, é que estão chegando hoje na Amazônia empresários de vários setores à procura de oportunidades. Nós estamos num momento em que estão se desenhando novas formas de ocupação e de exploração da Amazônia e, através disso, podemos ter certeza que virá mais desmatamento. Não se tem claramente definido quais serão as novas formas de ocupação. Mineração, intensificação da pecuária, transportes, cadeia da produção de grãos, turismo, comércio…  A gente pode pensar que não vai demorar a termos uma nova explosão na ocupação do território. O simples anúncio de Belo Monte e das barragens no rio Madeira, a mineração de bauxita em Juruti, no extremo oeste do Pará, a nova planta industrial em Barcarena, as promessas de asfaltamento das estradas, etc., tudo é pretexto para ocupar e tudo é sinal de ocupação.

por Jean Pierre Leroy (*) [ler]

(*) Coordenador do Projeto Brasil Sustentável e Democráico/Fase. Foi Relator nacional para o direito humano ao meio ambiente (2003-2004). Autor de “Uma Chama na Amazônia”.