Os Myky, foram contatados em junho de 1971 nas cabeceiras do córrego Rico, região do rio Papagaio.Eram apenas 23 pessoas, vivendo arredias nas matas e cabeceiras dos córregos por medo de ataques já sofridos, sobretudo dos índios Erikbatsa. Usavam ainda machados de pedra.

Atualmente moram em uma única aldeia, desde o tempo do contato, com uma população de 80 pessoas, sendo que 74 são Myky e 6 Irantxe que vivem entre eles.

O território dos Myky situa-se a 50 KM do município de Brasnorte, estado do Mato Grosso. A área territorial é de 47.094 ha e está demarcada e homologada.

Os Myky sempre possuíram grandes roças de milho, mandioca, batata, e várias outras espécies de feijão. Conheciam o caju do mato, o pequi e coletavam vários tipos de frutas e cocos silvestres.

Continuam usando como arma o arco e a flecha, embora muitos possuam arma de fogo. Conservam seus rituais e muitos de seus costumes tradicionais, como dança, objetos, jogo de bola de mangaba (cabeça), sistema social com suas normas de parentesco e reciprocidade e todo complexo religioso tradicional.

Há vários anos, o povo Myky vem pleiteando junto à Funai a incorporação das áreas “Castanhal e Tucum“, que faziam parte do território tradicional e ficaram de fora da área demarcada.

A equipe da Opan iniciou os trabalhos junto aos Myky em agosto de 1997, com objetivos principais de promover ações indígenistas nas áreas de saúde, economia e terra. 

Fonte: Opan