Ocupaçãoda Amazónia


BBC Brasil – BBC

 

Tamanho do texto? A A A A

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

 

- A organização não-governamental Survival International lançou nesta quarta-feira uma campanha para proteger tribos isoladas da Amazônia.

De acordo com a ONG, que produziu um filme para a campanha, mais de cem tribos em todo o mundo continuam sem manter contato com a civilização.

“Elas representam os povos mais vulneráveis do mundo, que podem ser exterminados nos próximos 20 anos caso os seus direitos a um território não sejam reconhecidos e defendidos”, afirmou a atriz Julie Christie, estrela do filme Doutor Jivago (1965) e narradora do filme.

A campanha da ONG defende o direito desses índios de viverem isolados e alega que o contato com o “homem branco” trouxe conseqüências negativas a várias tribos.

A organização cita o exemplo dos akuntsu, um povo das florestas de Rondônia. Hoje, há apenas seis sobreviventes dessa tribo.

De acordo com a Survival, quando a Funai tentou entrar em contato com os akuntsu em 1995, descobriu que criadores de gado tinham invadido as terras deles e massacrado quase todos.

Depois da matança, segundo a ONG, os agressores teriam destruído as ocas com tratores para eliminar provas do crime.

“Um dos homens (que sobreviveram ao ataque), Pupak, ainda guarda uma bala de chumbo nas costas e conta que homens armados o perseguiram a cavalo. Eles vivem em um pequeno resto de floresta”, diz o texto da Survival.

Outro exemplo citado pela ONG para justificar a necessidade de isolamento dos índios é o da tribo Awá, um povo de caçadores nômades do leste da Amazônia.

De acordo com a Survival International, hoje os awá estão sob pressão de enormes projetos agroindustriais, criadores de gado e grileiros.

“Estamos sendo encurralados pelos brancos. Eles estão sempre avançando e agora estão quase em cima de nós. Estamos sempre em fuga. Amamos a floresta porque nascemos aqui e sabemos como sobreviver a partir dela. Sem a floresta, vamos sumir, vamos ser extintos”, afirmou um líder indígena dos awá, To”o, à ONG. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

via Estadão

From the Independent last week:

An eight-month investigation by Greenpeace into the land scam, revealed that the Brazilian land reform agency, INCRA, had set up large settlements in rainforest areas instead of placing them in already deforested areas, and settling urban families who promptly sold logging rights to major timber companies.”Instead of helping, the official efforts are putting in place mechanisms to ensure the supply of timber to loggers. This opens the door to further forest destruction and climate change,” says Greenpeace’s André Muggiati.

A prosecutor took up the case, but of course the government said we were off the mark. Now a federal judge has ruled the case has merit. The judge also ruled that INCRA was operating improperly, without regard for environmental laws, and that no further settlements are allowed without the approval of the Brazil’s federal environmental agency.

 

Link: Amazon forest carved up in resettlement scam

in Blog Making Waves

28 August 2007
Magazine issue 2618

 

Fast-growing indigenous populations hunting for bushmeat inside national parks must be a huge threat to wildlife, right? Well, not necessarily. A study in Manu National Park, on the edge of the Amazon rainforest in Peru, has found “little or no evidence” that any of the most hunted species are in decline, despite a doubling of the numbers of the local Matsigenka tribe in the past two decades.

For years conservationists have warned that the thousand or so Matsigenka people living and hunting in Manu were taking too many birds and mammals, threatening the future of one of the world’s richest wildlife reserves. In fact, nature is more resilient than that, say ecologist Julia Ohl-Schacherer and colleagues from the University of East Anglia in the UK (Conservation Biology, DOI: 10.1111/j.1523-1739.2007.00759.x).

in New Scientist 

by Jose Murilo Junior

The Ashaninkas are the largest indigenous group in the Peruvian Amazon and differently from the majority of the South American original dwellers, their cultural identity is greatly preserved. Apart from being among the native nations of the continent connected with the traditional use of Ayahuasca, the Ashaninkas are specially known for their use of beautiful cotton robes, or cushmas, which are woven by the Ashaninka women for the men of their tribe. Cushmas are an Ashaninka’s most prized possession and there is a very long tradition of giving and exchanging cushmas and cloth with nyomparis (or trading partners) which linked distant Ashaninka villages into cycles of meetings, collaboration and resource sharing.

Accounts from the beginning of the last century tells about some Ashaninka groups that escaped from the Peruvian “caucheiros” [rubber tappers], and today a few hundred of them live on the Brazilian side of the border. There are stories about the braveness of the skilled warriors who expulsed the wild Amahuakas from the area around the Amonia River in the Upper Juruá. These few groups achieved the ownership of their land in the 90s, after many decades of struggle against the successive waves of colonization, and nowadays they strive to engage in activities that can help them to communicate with the world, and better defend their land and their culture from their current enemies.

It’s been a month since the blog of the Ashaninka Society of the Rio Amônia (Apiwtxa), has been decrying that workers from the Peruvian company Venao Forestal had illegally crossed into Brazil, and were now logging mahogany and cedar there. On a recent expedition to supervise the border, the Brazilian Ashaninkas were received with death threats from a task leader of the Peruvian company, which raised some worries about the possibility of violent clashes in the region. The power of the Internet and the blogs for outreach and networking have recently been discovered by some of the young leaders of these communities, and this fact is surely making a difference in the present struggles faced by their people.

“I have a friend who I see as a kind of Guardian, a Guardian of the border. He lives at the Upper Juruá, in the Apiwtxa community, and he is from the Ashaninka people. His name is Benki Piyãko. Some days ago I received an email from him reporting about a case not detailed, but which has troubled him. To those who are not following the recent events at the Brazilian-Peruvian border, Peruvian logging companies continue to invade our forests. An encirclement is advancing. Benki’s indigenous territory and its people have been victimized for years, and the sad new is that the invasion has reached the Upper Juruá Reserve on its West and South borders (see post “Encirclement on the Border). Well, there was an Ibama’s [Ministry of Environment] action along with the Army on the border, and some persons were imprisoned. All the dirty work from the Peruvian companies involves suspect alliances (on which terms?) with indigenous people living on the region. There are things like logging companies backing handling plans of indigenous communities, who will in the end sell them the wood. One of the Army’s tenants told Benki that a resident from the reserve who had guided that expedition was receiving death threats from “Peruvian Indians”, who might have been looking for him at his house. The case has not unfolded into a more serious situation, but it has alerted the Guardian. “As a leader of the Apiwtxa community, I see it as a dirty strategy of the company Venao to manipulate our indigenous relatives to generate conflict with our Brazilian country, threatening persons and communities”.

Guardião – A Flora

What makes this case notable, however, is that Venao Forestal has been FSC certified by SmartWood, which awarded the certificate in April 2007 after an evaluation in September-October 2006. According to OlyEcology, “Forestal Venao is infamous in Ucayali, Peru for their indifference to laws, indigenous people, and the rainforest environment. They have built an illegal, non-state sanctioned logging road from the banks of the Ucayali to the Juruá basin on the Brazilian border. This is no small skid trail, but a network of roads whose main trunk extends over 120 kilometers”.

The blog from the Ashaninka Society of the Rio Amônia (Apiwtxa) has been the instrument for announcing that the group would “take immediate action to stop the advance of this exploitation”, and the intention to “appeal to international courts to protect Brazilian sovereignty, their territory, the preservation area, and the still existent biodiversity of the region.” It is important to follow what will be done in a certification system which certifies a company deserving the blacklist.

“From our side, we demand to be consulted this time, which is something that did not happen before the SmartWood / Rainforest Alliance certified Forestal Venao in April of this year. We hope that as long as we obtain the confirmation of its illegal activities on Brazilian territory, as well as in Peru, the certification will be immediately canceled, according to a commitment by the Alliance.”

Forestal Venao investigada no Peru e no Brasil – Apiwtxa

The Ashaninka are so intimate with the forest that they see their own clothing as akin to the plants covering of the earth. The young Ashaninka leader Benki Piyãko actively uses the latest Internet tools to reach out to the world, giving a global voice to the forest and the wisdom of his people, as the following eloquent message testifies.

http://www.globalvoicesonline.org/2007/08/26/indians-blog-to-defend-against-illegal-logging-along-the-brazil-peru-frontier/

Manaus, Brasil — Relatório do Greenpeace denuncia esquema envolvendo criação de assentamentos-fantasmas do Incra para a exploração de madeira por empresas.

Liminar concedida pelo juiz federal Francisco de Assis Garcês Castro Júnior, da Subseção de Santarém, determinou a interdição de 99 projetos de assentamento criados desde 2005 pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na região oeste do Pará. As famílias já assentadas não serão obrigadas a sair de onde estão, mas ficarão impedidas de receber os créditos da Reforma Agrária e qualquer documento que ateste legalmente a posse plena dos lotes.

O pedido para interdição desses assentamentos até o julgamento da ação que pede o cancelamento das suas portarias de criação foi encaminhado à Justiça pelo Ministério Público Federal no início de agosto. Na semana passada, o Greenpeace lançou relatório denunciando esquema envolvendo criação de assentamentos do Incra para exploração de madeira, com ampla repercussão na imprensa nacional e internacional.

O juiz Castro Junior também proibiu a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sectam) de emitir novos licenciamentos em projetos do Incra, como vinha fazendo, sob pena de ser multada em R$ 10 mil por dia. A interdição, segundo o juiz federal, vai perdurar até que o Incra obedeça às exigências legais que atribuem ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e não a um órgão estadual, a competência de fazer estudos de viabilidade e de emitir licença prévia de projetos de assentamento para os quais são repassados recursos federais.

“É uma decisão importante”, afirmou André Muggiati, da Campanha Amazônia do Greenpeace. “Esperamos que o Incra não comece uma batalha judicial recorrendo da decisão e inicie uma investigação séria sobre o caso. Além disso, os madeireiros envolvidos em atividades dentro das áreas de assentamentos devem ser retirados do local para barrar a destruição da floresta”.

O relatório do Greenpeace revela que o órgão estimulou parcerias entre madeireiras e supostas associações de assentados, em um esquema que prejudica a floresta amazônica e famílias de trabalhadores rurais sem-terra. A investigação, realizada nos últimos oito meses, mostra que o Incra acelerou a criação de dezenas de assentamentos nas áreas ricas em recursos florestais para atender aos interesses das empresas madeireiras. Alguns deles são assentamentos-fantasma – que existem no papel, mas não contam com nenhum morador.

Pelo esquema, as empresas madeireiras assumem parte das obrigações na implementação dos assentamentos – como a construção de estradas e escolas, que seriam tarefas do Incra. Em troca, ficam com o direito de explorar a madeira da área. Os acordos também ajudariam o Incra a superestimar o número total de famílias supostamente assentadas em 2006. Das 136 mil famílias assentadas no ano passado, 34 mil estão na região de Santarém.

Historicamente, a exploração predatória de madeira abre as portas da devastação da floresta. A Amazônia brasileira perdeu mais de 700 mil quilômetros quadrados de sua cobertura florestal nas últimas quatro décadas. O desmatamento e as queimadas são a principal contribuição brasileira ao aquecimento global, colocando o País na incômoda posição de quarto maior emissor mundial de gases que provocam o efeito estufa.

 

Mais informações:

Assentamentos de Papel, Madeira de Lei – Parceria entre Incra e madeireiros ameaça a Amazônia

Manaus, Brasil — Fotografias georreferenciadas comprovam irregularidades e atividade madeireira predatória dentro e no entorno de assentamentos na região de Santarém, no Pará

O Ministério do Desenvolvimento Agrário informou hoje, por meio de sua assessoria, que não vai instaurar qualquer procedimento investigativo sobre as denúncias contidas no relatório do Greenpeace “Assentamentos de Papel, Madeira de Lei” , antes de receber um pedido formal de investigação. A denúncia foi apresentada no programa Fantástico, da TV Globo (19/08), e no jornal inglês The Independent (21/08), que publicou hoje nova reportagem sobre o assunto, dizendo que o governo brasileiro vai iniciar investigação.

O Greenpeace protocolou no MDA um pedido oficial de audiência com o ministro Guilherme Cassel, para entregar o relatório e discutir pessoalmente os crimes denunciados. “O ministério não pode deixar casos dessa gravidade passarem em branco. É necessário investigar minuciosamente e pedir a retirada de madeireiras e grileiros dessas áreas o mais rápido possível”, afirmou André Muggiati, da Campanha Amazônia do Greenpeace. O relatório “Assentamentos de Papel, Madeira de Lei” já foi encaminhado para o Ministério Público Federal, em Santarém.

O Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém e a Associação dos Servidores da Reforma Agrária do Oeste do Pará (formada por funcionários do Incra) publicaram notas confirmando as denúncias e também solicitando apuração.

Em vez de iniciar investigações imediatamente, o MDA publicou em seu site uma nota  refutando dados apresentados pelo Greenpeace e buscando desqualificar a denúncia. A resposta do Greenpeace às incorreções da nota do MDA segue abaixo.

Clique aqui para ver fotos georreferenciadas dos sobrevôos e das missões de campo que a equipe do Greenpeace realizou durante a investigação sobre os assentamentos-fantasma criados pelo Incra no oeste do Pará. Para visualizar as fotos e imagens de satélite da área é preciso ter instalado o aplicativo Google Earth. Se você não possui, clique aqui para fazer o download.

RESPOSTAS À NOTA PUBLICADA PELO MDA SOBRE REPORTAGEM DO FANTÁSTICO E RELATÓRIO DO GREENPEACE

Algumas incorreções na nota de resposta do MDA referente à reportagem sobre “assentamentos-fantasma”, veiculada no programa Fantástico no último domingo, com base em dados do relatório do Greenpeace “Assentamentos de Papel: Madeira de Lei”:

- O relatório do Greenpeace, o programa do Fantástico e a investigação do Ministério Público Federal denunciam um esquema de exploração predatória de madeira;

- O MDA afirma que o desmatamento mostrado pelo Fantástico no assentamento Santa Clara foi realizado pelo grileiro Donizeti Pires de Oliveira. O desmatamento de Donizeti Pires foi denunciado pelo Greenpeace em 2006, com um banner de 160 metros quadrados, exposto pela organização e destruído, no local, pelo grileiro. Esse desmatamento está localizado *FORA* do assentamento Santa Clara e *NÃO* foi exibido pelo Fantástico;

- O MDA afirma que em apenas dois assentamentos há acordos entre assentados e madeireiras. O Greenpeace reuniu documentação, referenciada no relatório “Assentamentos de Papel: Madeira de Lei”, demonstrando que esses acordos existem em pelo menos cinco assentamentos. Na reportagem do Fantástico, o presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras do Oeste do Pará, Luiz Carlos Tremonte, admitiu a existência desses acordos. Na CPI da biopirataria, na Câmara dos Deputados, em 2006, o próprio Tremonte afirmou que os madeireiros estariam indicando ao Incra o local onde gostariam que os assentamentos fossem criados. Diversos casos de acordos entre associações de assentados e madeireiros foram relatados à equipe de pesquisa do Greenpeace e precisam ser investigados pelo governo;

- O MDA afirma que nenhum dos assentamentos envolveu deslocamento de populações de região. O Greenpeace reuniu dezenas de “Espelhos da Unidade Familiar”, documento do próprio Incra, que demonstram que alguns dos assentados encontram-se a mais de mil quilômetros de distância do assentamento para os quais foram designados e, às vezes, até mesmo em outro estado. Ofícios encaminhados por assentados ao Incra também apontam erros de colocação em assentamentos;

- O MDA diz que não existem “assentamentos-fantasma” e menciona um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre o Ministério Público Federal e o Incra, pelo qual os assentados devem aguardar o licenciamento ambiental antes de irem para os assentamentos. O que o MDA não diz é que continua descumprindo esse Termo e o próprio Ministério Público Federal pediu, na semana passada o cancelamento da portaria de criação de 99 assentamentos na região de Santarém, por não estarem licenciados. Essas pessoas não deveriam sequer ter sido “assentadas” ou seja, serem contabilizadas em RBs (Registros de Beneficiários) do Incra. Não deveriam, também, ser contabilizadas como “assentadas”, na prestação de contas do cumprimento de metas da reforma agrária do governo.

Aguardamos a providências do Ministério no sentido de investigar as denúncias, conforme menciona a nota.

Mais informações:

Assentamentos de Papel, Madeira de Lei – Parceria entre Incra e madeireiros ameaça a Amazônia

Escândalo: Incra cria assentamentos-fantasma para madeireiras no Pará

in Greenpeace

Menos intenso, desmatamento se agrava em pontos isolados
Mapa do desmatamento evidencia nova dinâmica marcada por frentes menores e difusas, como no Amazonas e em Roraima. Queda do preço de produtos primários ajuda a explicar desaceleração do desflorestamento.

« Página anteriorPágina seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 26 outros seguidores