Meio Ambiente


At the first global gathering of Indigenous Peoples on climate change, participants were outraged at the intensifying rate of destruction the climate crisis is having on the Earth and all peoples.

Participants reaffirmed that Indigenous Peoples are most impacted by climate change and called for support and funding for Indigenous Peoples to create adaptation and mitigation plans for themselves, based on their own Traditional Knowledge and practices. Indigenous Peoples also took a strong position on emission reduction targets of industrialized countries and against false solutions.

The majority of those attending looked towards addressing the root problem – the burning of fossil fuels – and demanded an immediate moratorium on new fossil fuel development and called for a swift and just transition away from fossil fuels.

“While the arctic is melting, Africa is suffering from drought and many Pacific Islands are in danger of disappearing.  Indigenous Peoples are locked out of national and international negotiations,” stated Jihan Gearon, Native energy and climate campaigner of the Indigenous Environmental Network. “We’re sending a strong message to the next UN Framework Convention on Climate Change this December in Copenhagen, Denmark that business as usual must end, because business as usual is killing us.  Participants at the summit stood united on sending a message to the world leaders in Copenhagen calling for a binding emission reduction target for developed countries of at least 45% below 1990 levels by 2020 and at least 95% by 2050.”

“In Alaska, my people are on the front lines of climate change and are devastated by the fossil fuel industry,” related Faith Gemmill, Executive Director of Resisting Environmental Destruction on Indigenous Lands (REDOIL).  “Alaska natives network and we are fighting back.  We recently won a major battle last week as the District Court of Columbia threw out a plan to access 83 million acres of the Outer Continental Shelf that was driven by Shell Oil. Shell has a long history of human rights violations, for which many have suffered and died, like Ken Saro-Wiwa of the Ogoni People in the Niger Delta of Africa.”

Tom Goldtooth, Indigenous Environmental Network’s Executive Director, commented, “We want real solutions to climate chaos and not the false solutions like forest carbon offsets and other market based mechanisms that will benefit only those who are making money on those outrageous schemes ”  He added, “For example one the solutions to mitigate climate change is an initiative by the World Bank to protect forests in developing countries through a carbon market regime called Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation or REDD.”  He concluded, “Don’t be fooled, REDD does nothing to address the underlying drivers of deforestation.”

At a World Bank presentation at the global summit, Egberto Tabo, General Secretary of COICA, the Coordinating Body of Indigenous Organizations in the Amazon Basin denounced “the genocide caused by the World Bank in the Amazon.” Mr. Tabo also categorically rejected the inclusion of forests in the carbon market and the Bank’s funding of REDD. The World Bank’s representative, Navin Rai admitted that “the Bank has made mistakes in the past..We know that there were problems with projects like the trans-amazon highway.” But REDD, he argued would not be more of the same. However, indigenous leaders at the global summit were unconvinced by his assurances and the Work Bank presentation ended with a Western Shoshone women’s passionate appeal to the Bank to stop funding projects that endanger the survival of indigenous peoples.
Source: Global Justice Ecology
Published Monday, 27 April, 2009 – 13:19

Chuvas na Amazônia devem aumentar nos próximos meses

JB Online – Rio de Janeiro,RJ,Brazil
MANAUS – As chuvas que atingem a região Norte nos últimos dias e que já deixaram milhares de desabrigados devem se agravar até junho, mês de maior alta do

Governo alerta para risco de enchentes na Amazônia
Zero Hora – Porto Alegre,RS,Brazil
Agora a principal preocupação das autoridades é com o município de Manaus. A Agência Nacional de Águas já soltou o alerta: em dois dias, um dos principais

amazon1.jpg

Today the soya trading companies operating in Brazil – this includes giants such as Cargill, Bunge, ADM, Dreyfuss, Amaggi and others – will announce that the monitoring of the current soya crop (2008-2009) found soya planted where it shouldn’t be: in areas deforested in the Amazon after July 2006. This is the date when the soya industry announced a moratorium for buying soya coming from newly deforested areas in the Amazon – a direct result of a strong campaign led by Greenpeace and soya European consumers, including McDonalds and its allies.

The good news is that the volume of soya resulting in deforestation is pretty small and traders will finally enforce their promises of not buying soya from farmers who disrespected the moratorium. Additionally, traders will cut credits of these farmers or others who challenge the moratorium – the soya traders fund large part of the Brazilian soya production.

Last year, the monitoring found new deforestation in the surroundings of traditional soya farms but didn’t find soya planted in those areas (only rice which is not part of the moratorium). It has been pretty easy and comfortable for traders to claim that they are respecting an agreement which was not welcomed by farmers – in fact, it was imposed to them. Now, we are happy to see the trading companies making good on their promises to protect the world’s largest tropical rainforest!

This decision of the traders shows that companies can really play a fundamental role in fighting deforestation and join the global effort to stop climate change.

cheers,
paulo

Apenas quatro por cento dos oceanos permanecem virgens em relação à actividade humana, segundo especialistas norte-americanos, que consideram que a pressão do homem nos ecossistemas marinhos tem sido subestimada.

Biólogos e oceanógrafos estabeleceram pela primeira vez um atlas planetário do impacto de 17 diferentes aspectos da actividade do homem nos oceanos, como a pesca, a poluição ou as alterações climáticas.

Os recifes de corais, o plâncton e os fundos oceânicos são alguns dos aspectos da vida marinha que têm sido afectados.

Mais de 40 por cento dos oceanos foram fortemente afectados pelas actividades humanas e poucas áreas marinhas permanecem virgens.

As zonas mais afectadas são o Mar do Norte, o Sul e Sudeste do Mar da China, baía das Caraíbas, a costa este da América do Norte, o Mediterrâneo, Mar Vermelho, o Golfo Pérsico, o Mar de Bering e várias regiões ocidentais do Pacífico.

Os ecossistemas oceânicos mais preservados situam-se globalmente nas regiões polares.

«Mas estes santuários estão ameaçados de uma degradação rápida devido ao desaparecimento da calote glaciar, em resultado do aquecimento global», segundo um dos investigadores do projecto.

Para os responsáveis pela investigação, este projecto permite «finalmente começar a conhecer a forma como os homens têm afectado os oceanos».

«Os resultados revelam um impacto global mais nefasto do que o que imaginávamos e foi surpreendente», comentou Ben Halpern, investigador da Universidade da Califórnia, principal autor do estudo, citado pela agência France Press.


 


First, thanks for all your efforts to give indigenous leaders the opportunity to voice their opposition to petroleum development in the Amazon at the Houston Petroleum Club. The trip was quite successful. National and international allies staged an important protest outside the venue, while the vice president of AIDESEP (the Inter-ethnic Development Association of the Peruvian Amazon), Robert Guimaraes, took the opportunity to speak to potential investors and let them know the risks of investing in oil development in the Amazon.

Unfortunately, two of the three Shipibo delegates were not able to make the trip because their visas were denied by the US government. In many respects, this symbolizes the obstacles that indigenous people face in participating in global dialogue that are crucial in exercising the right to determine their own “development” path.



The good news is that Robert Guimaraes was able to deliver a powerful message to potential investors and to Perupetro, Peru’s hydrocarbon licensing agency. Quoting Robert Guimaraes, “We request that you exclude those blocks that overlap communal indigenous territories. More that 80% of the population in Corrientes river, mostly children, have cadmium and lead in their blood. Just as for you there are things that cannot be negotiated, for us some things, like indigenous land, cannot be negotiated.” The cadmium and lead that Robert refers to is the result of over 30 years of Oxy Petroleum operations in Northern Perú, where the Achuar people have been severely affected.



The Peruvian government’s latest efforts to place the Amazon region in the hands of oil developers puts the entire Amazon at risk, especially indigenous people in voluntary isolation, and clearly violates international rights benchmarks such as Free, Prior and Informed Consent, contained in the recently approved UN Declaration on the Rights of Indigenous Peoples (of which Peru is a signatory). It is precisely the Peruvian government’s rather shameful attempt to manipulate, distort, and even suppress indigenous opposition to oil development that makes it so important to support indigenous leaders efforts to make their voices heard at international venues such as Perúpetro’s Houston road-show. Otherwise, potential investors not only get a distorted view of indigenous opinion, but local indigenous people are excluded the global decision-making process that directly affect their lives.



Given that two of the delegates weren’t able to come to Houston, we would like to continue with our efforts to support these types of crucial interventions. Perupetro is planning another event in August, again designed to divvy up the Amazon for even more oil development. With your continued support, we would like to help these delegates make their presence at this event as well. And hopefully the impact will be even greater.



The Village Earth Team
Kristina Pearson <kristina@villageearth.org>

Ciclo de Conferências em Direito Transnacional 

Dias 22 e 24 de Janeiro, 18Horas

 

Faculdade de Direito – Escola de Lisboa

Universidade Católica Portuguesa

 

A Faculdade de Direito – Escola de Lisboa, da Universidade Católica Portuguesa (FD| Católica) organiza um Ciclo de Conferências dedicados ao tema do Direito Transnacional, que conta com a participação de convidados de renome internacional. A entrada nestas conferências é livre.

 

Dia 22 de Janeiro às 18horas, Daniel A. Farber, Director do Programa de Direito Ambiental na University of Califórnia, Berkeley e Professor no Mestrado Global Legal Studies leccionado pela FD| Católica será o orador da  conferência sobre “Global Warming and American Environmental Law and Policy” a ter lugar na Sala Expansão Missionária, 1º piso do Edifício da Biblioteca João Paulo II da Universidade Católica

 

Raymond T.  Nimmer, Director da Faculdade de Direito de Houston e Co-Director do Houston Intellectual Property and Information Law Institute e professor do LL. M. (Master of Laws) da FD| Católica proferirá uma  conferência subordinada ao tema “Digital Copyright” a ter lugar no dia 24 de Janeiro, às 18horas na Sala das Exposições, 2º piso do Edifício da Biblioteca João Paulo II da Universidade Católica.

brazil2.jpgGreenpeace activists in Brazil today chained themselves to the gates of the National Commission of Nuclear Energy (CNEN), placing a memorial plaque in tribute to the victims of the Goiânia Cesium-137 tragedy, the worst radiation accident in an urban area, in history.

Twenty years ago workers at the Goiânia scrapyard took apart a metal machine, found abandoned in an old radiotherapy institute. The scrapyard owner, fascinated by the glowing blue powder stone inside, took it home to give as presents to his family and friends. His daughter ate some, sprinkled on bread.
The stone was Cesium-137, a highly radioactive element. 60 people died, 628 were contaminated, and over 6,000 exposed to radiation, which spread so far it was found in areas 100 miles away.

A week later the junk dealer’s wife, suspicious of the sudden illnesses afflicting her friends and neighbours, went to the doctor. The diagnosis was acute radiation poisoning, for her and hundreds of others. The homes of the Cesium-137 victims had to be demolished, and their pets exterminated, 4 people died in the early days. Altogether 60 people died, among them the police and firemen left to clean up with no protection or training. Hundreds of others still live with the contamination.

See Greenpeace Brazil’s slideshow about the accident here http://www.greenpeace.org/brasil/nuclear/cesio137

20 years later the Brazilian government still refuse to recognise the victims of Goiania. CNEN the agency in charge of the Goiânia investigation, controls the Nuclear Industries of Brazil, an entirely immoral position that exposes how dangerous the situation remains.

This is why the activists took their message to CNEN today, and despite some police brutality, where some were sprayed with tear gas, they have maintained their vigil.

Cesium-137 is a devastating legacy, and yet Brazil still has no structural ability to deal with existing nuclear installations, and no way of storing radioactive waste. Unbelievably, the Brazilian government is committed to a nuclear expansion programme, pouring public funds into building a new nuclear plant the Angra 3, and into uranium enrichment.

What more will it take for the world to wake up to the dangers of nuclear power? This madness has to end, and the people of Goiânia must get justice, however belated it now is.

in Greenpeace Blog – Making Waves

Autorizar soja transgênica só pode trazer prejuízo ao Brasil. Contas mirabolantes e dados confusos: este é o balanço da argumentação favorável à liberação do produto no Brasil. Nada autoriza a pensar que ela seja mais produtiva ou econômica do que a soja tradiiconal.

 

 

O jornal “O Estado de São Paulo” publicou há algumas semanas, com grande destaque, matéria onde afirmava que o Brasil perdeu 26 bilhões de reais desde 1996 por não ter liberado a produção comercial de transgênicos já a partir daquele ano. A matéria está baseada em estudo da empresa de consultoria econômica Céleres, de Minas Gerais, e causou total incredulidade a quem acompanha o tema, pois nem os propagandistas mais ferrenhos ousaram, até então, afirmar cifras tão gigantescas.

O estudo não só foi amplamente divulgado pela mídia como valeu aos seus autores convites para exporem seus resultados em palestras no Congresso Nacional, transformando-se em importante argumento na campanha em curso para pressionar o governo do presidente Lula a acelerar as liberações de cultivos comerciais dos transgênicos, atropelando as avaliações de impacto ambiental e de riscos para a saúde dos consumidores.

A análise detalhada das informações apresentadas no estudo, entretanto, mostra a sua inconsistência e a leviandade de se dar publicidade a tais argumentos. Se esta é a base sobre a qual se apóia a pressão para a liberação dos transgênicos é melhor, definitivamente, não liberá-los.

O cálculo das alegadas “perdas” indicadas pela Céleres tem como premissa básica que os produtos transgênicos têm custo de produção mais baixo que os convencionais e aplica este princípio à produção de soja, milho e algodão, quer resistentes ao herbicida glifosato ou tendo um poder tóxico capaz de matar lagartas (e outras espécies não-alvo).

Dos três produtos, a soja resistente ao glifosato, conhecida como soja RR, da multinacional Monsanto, é o único produto transgênico cultivado no Brasil desde 1996 sendo, portanto, o único sobre o qual é possível avaliar os resultados práticos a partir de dados empíricos e não de especulações. Por esta razão vamos analisar apenas as afirmações da Céleres sobre as “perdas” derivadas da não liberação da soja RR em 1996, que eles dizem ser da ordem de 4,6 bilhões de dólares.

Em primeiro lugar, o estudo diz que a produtividade das variedades de soja transgênica importadas clandestinamente da Argentina e reproduzidas nas propriedades dos agricultores é “elevada, o que potencializou a vantagem quantitativa da semente geneticamente modificada”.

Esta linguagem enrolada parece indicar que a produtividade foi mais alta do que nas variedades convencionais o que não se verificou em nenhum lugar do mundo. Os únicos testes comparativos de que se tem notícia no Brasil foram realizados pela Fundacep, do Rio Grande do Sul. Em todos os testes de campo, tanto as sementes de variedades transgênicas produzidas ilegalmente como as fornecidas pelas empresas tiveram resultados piores do que os das variedades convencionais, com uma diferença média da ordem de 13%. Os testes realizados nos Estados Unidos confirmam esta verdade com um diferencial de produtividade da ordem de 6,0% em média contra as variedades de soja transgênica no conjunto do país[ii].

Apesar deste comentário sobre a produtividade, o estudo da Céleres não atribui qualquer ganho de produtividade na soja RR quando faz seus cálculos sobre as “perdas”. Esta é apenas uma dentre as muitas inconsistências do estudo.

A Céleres cita uma empresa inglesa de consultoria, a PG Economics, como fonte para afirmar que existe redução nos custos de produção da soja RR devido a uma diminuição da ordem de 53% no uso de herbicidas; de 3,06 kg/ha para 1,44 kg/ha. No estudo da PG Economics encontrado no seu site estes números simplesmente não existem. Ao contrário, na página 7 do mesmo se lê: “deve-se notar que em alguns países, como na América do Sul, a adoção da soja RR coincidiu com aumentos no volume de herbicidas empregados em relação aos seus níveis históricos”.

Apesar da indicação acima sobre o aumento do uso dos herbicidas na América do Sul a PG Economics afirma que houve uma redução nos custos do uso de herbicidas no Brasil com a entrada da soja RR, redução de 73 dólares por hectare. Esta contradição não é explicada no texto, mas talvez os ingleses não saibam que o Brasil fica na América do Sul. Mas de onde tiraram esse dado?

A PG Economics não fez qualquer pesquisa no Brasil, ao contrário do que aparece no estudo da Céleres. Sua fonte de informação é uma publicação do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o USDA. O Gain Report Br4629, de novembro de 2004, apresenta uma tabela comparativa entre os custos de produção da soja transgênica e da soja convencional apenas para a safra 2004/2005 e apenas para a região de Cascavel, no Paraná. Com base em dados tão parciais a consultora inglesa extrapola as supostas economias de 73 dólares por hectare para todo o Brasil e para todo o período de 1996 a 2006.

Mas de onde o USDA tirou o seu dado? A publicação americana cita o Deral, Departamento de Estudos rurais da Secretaria de Agricultura do Estado do Paraná, mas a tabela em questão simplesmente não existe no site do Deral.

Contas mirabolantes
Para confundir ainda mais o leitor é preciso dizer que o estudo da Céleres apresenta uma tabela onde a economia de custos conseguida com o uso de soja RR é de 35 dólares por hectare, em média, para todo o Brasil de 1996 a 2006, mais uma vez devida a uma redução de 50% na quantidade de herbicidas utilizada. A fonte é uma outra empresa, Arcádia Internacional, de origem belga. Nenhum dos textos obtidos no site da dita empresa, entretanto, permitiu identificar qual a fonte de informação utilizada para esta suposta redução do uso de herbicidas.

A Céleres não teve sequer o cuidado de incluir nas suas contas o custo da tecnologia transgênica, observação que a Arcádia faz na sua tabela. A Monsanto cobra 2% sobre o valor da saca de 60kg de soja entregue pelo agricultor. Hoje a saca tem um valor médio de 25 reais e a parte da Monsanto seria de 50 centavos por saca. Calculando uma produtividade de 50 sacas por hectare, o custo da tecnologia seria de 25 reais por hectare. Este valor é de aproximadamente 12,5 dólares por hectare, ou seja, no balanço entre a suposta economia de 35 dólares no uso de herbicidas e o aumento de custo de 12,5 dólares pelo uso da tecnologia, o resultado é uma redução no custo de produção da ordem de 22,5 dólares apenas, menos do que o mercado está pagando de prêmio de qualidade para a soja não transgênica _ 30 dólares por hectare para uma produtividade de 3000 kg/ha.

Em outras palavras, o que queremos dizer é que o estudo da Céleres não se sustenta porque está baseado no estudo da PG Economics que está baseado no boletim do USDA que está baseado em um estudo atribuído equivocadamente ao Deral e cujos critérios e fontes não podem ser verificados. Por outro lado, a citada tabela da Arcádia Internacional também não dá a fonte dos dados e a Céleres esqueceu de incluir o custo da tecnologia nas suas contas. O que temos aqui são puras especulações de “pesquisadores internacionais” que são citados pelos pesquisadores nacionais como fontes sérias e seguras e, com isso, busca-se impressionar o público leitor.

A notória inconsistência dos dados apresentados é perceptível para qualquer um que esteja familiarizado com o uso de herbicidas na agricultura. A mera idéia de que o dado de uso de herbicidas em um determinado ano possa ser extrapolado para dez anos já é um absurdo total.

O caso dos EUA
Na falta de qualquer estudo minimamente sério sobre a cultura de transgênicos no Brasil, penso que podemos olhar para os estudos realizados nos Estados Unidos e que cobrem quase o mesmo período daquele da consultora inglesa, nove anos desde 1996. Estes estudos, realizados pelo pesquisador norte americano Charles Benbrook usam dados oficiais do governo daquele país e uma metodologia que é apresentada de forma transparente em seus estudos[iii].

O estudo de Benbrook prova que o uso de soja RR nos Estados Unidos desde 1996 fez crescer e não diminuir o consumo de herbicidas em comparação com os cultivos de soja convencional. Trabalhando com médias nacionais, Benbrook mostra que em 1996, o primeiro ano de cultivo de soja RR nos EUA, a redução do uso de herbicidas foi da ordem de 30% enquanto no segundo ano a redução foi de 23% em comparação com a soja convencional. Em 1998, a comparação entre a soja RR e a soja convencional resultou em um consumo de herbicidas 6% maior para a primeira. Deste ano em diante, as diferenças de uso de herbicidas vão ficando cada vez maiores, chegando a soja RR a consumir 86% mais herbicidas do que a convencional no nono ano do cultivo, 2005.

O estudo de Benbrook sobre milho e algodão resistentes a herbicidas segue o mesmo padrão, com 20% e 56% de uso de herbicidas a mais nos produtos transgênicos ao final de nove anos de cultivos.

Como é possível que os dados sejam tão discrepantes? Haverá realmente ou terá havido uma redução no uso de herbicidas pelo emprego de soja transgênica no Brasil? Pelo padrão exposto pelo pesquisador americano é provável que no início tenha havido uma redução de uso que, junto com a maior facilidade na aplicação dos herbicidas, tenha provocado o entusiasmo dos agricultores do Rio Grande do Sul em relação a esta tecnologia. Mas é impossível que os dados econômicos e agronômicos tenham se mantidos neste patamar ótimo entra ano e sai ano desde 1996. Já se fala em resistência das ervas invasoras ao uso do Roundup crescendo no RS há alguns anos. As estatísticas sobre o uso de herbicidas no RS, embora não detalhadas por cultura apontam para um forte crescimento no consumo que coincide com a expansão da área com cultura de soja RR naquele estado.

A hipótese mais provável é que a forte redução nos preços do glifosato, com o fim da patente da Monsanto junto com a súbita queda no valor do real em 1999, tenha mascarado as contas dos agricultores. Com o glifosato até 50% mais barato de um ano para outro, usar mais herbicida não aumentou os custos de produção quando comparados com os anos anteriores. Com o dólar quase dobrando também de um ano para outro, os sojicultores do RS tiveram ganhos tão significativos que certamente lhes pareceu justificar até um uso maior de herbicida para ter mais facilidade no controle de invasoras. Daí a se afirmar que o país perdeu bilhões por não ter usado soja RR mais cedo vai uma leviandade que beira a má fé.

Se as tendências constatadas por Benbrook para os Estados Unidos se confirmam para o Brasil _ e não há porque haver diferenças significativas entre os dois casos _ o “atraso” na regulamentação da soja RR em nosso país representou uma forte economia de custos, de cerca de dois bilhões de dólares, e não uma perda de 4,6 bilhões como especula o estudo da Céleres.

Está na hora de se fazer um estudo a sério sobre os custos de produção da soja RR no Brasil e suspender as operações de marketing com cálculos mirabolantes sem base na realidade após dez anos de produção no Rio Grande do Sul. O estudo da Céleres, assim como o da inglesa PG Economics ou o da belga Arcádia em que o primeiro se baseia, é totalmente inconsistente.

* Jean Marc von der Weid é economista e coordenador da AS-PTA (Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa) aspta@aspta.org.br

——————————————————————————–

Informativo Fundacep. ANO XI, nº 14, Agosto/2004.

[ii] ELMORE, R.W. et al. Glyphosate-resistant soybean cultivar yields compared with sister lines. Agronomy Journal, 93408-412, 2001.

[iii] Genetically Engineered Crops and Pesticide Use in the United States: The First Nine Years. Charles M. Benbrook, BioTech InfoNet, Technical Paper Number 7, October 2004. Disponível em: http://www.biotech-info.net/Full_version_first_nine.pdf

 

Em reunião internacional de ministros, Marina Silva e Celso Amorim falam numa organização “guarda-chuva” que coordene o Pnuma e os mecanismos financeiros ambientais da ONU. Definição da agenda global pós-2012, quando terminará a primeira fase de Quioto, é prioridade para as nações.

 

 

RIO DE JANEIRO – Se quiserem mesmo levar a sério a luta contra o aquecimento global nos próximos anos, os governos nacionais necessitam iniciar imediatamente as discussões sobre qual caminho deverão seguir a partir do fim de 2012, quando terminará a primeira fase do Protocolo de Quioto. Essa urgência, aliada ao alarme provocado na opinião pública internacional pela divulgação dos relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, na sigla em inglês), está movimentando a agenda multilateral com uma série de eventos preparatórios à 13ª Conferência das Partes da Convenção sobre Mudanças Climáticas da ONU (COP-13), que acontecerá em Bali, na Indonésia, em dezembro.

Ator importante na discussão ambiental global, o Brasil fez sua parte ao organizar nos dias 3 e 4 de setembro, no Rio de Janeiro, uma reunião internacional de ministros para discutir desenvolvimento sustentável e governança ambiental. Autoridades de 22 países foram convidadas pelo governo brasileiro para o evento, que foi coordenado pelos ministros Marina Silva (Meio Ambiente) e Celso Amorim (Relações Internacionais). Na pauta do encontro, a busca por um modelo de governança global que consiga tirar do papel a sonhada transversalidade e possa aliar efetivamente as questões ambientais às outras esferas do desenvolvimento econômico.

O Brasil obteve sucesso na busca pelo consenso, papel geralmente desempenhado pelo país anfitrião, ao apresentar uma proposta alternativa que talvez possa colocar um ponto final na discussão _ que já começa a ficar velha _ sobre se a ONU deve fortalecer o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) ou criar uma nova organização ambiental multilateral nos moldes da Organização Mundial de Saúde (OMS). A criação dessa organização, que se chamaria Onuma, é defendida pela União Européia, sobretudo pela França, enquanto os países em desenvolvimento preferem a primeira opção.

Intermediária, a proposta brasileira prevê o fortalecimento do magro orçamento do Pnuma (US$ 115 milhões anuais), mas também fala na criação de uma nova agência da ONU a qual o Pnuma estaria submetido, assim como o Fundo Global para o Meio Ambiente e outros mecanismos financeiros necessários ao efetivo cumprimento dos objetivos ambientais: “Uma das formas de pensar essa nova estrutura seria concebê-la como uma organização do tipo guarda-chuva, com responsabilidades nas dimensões normativa, de cooperação e de financiamento. Uma nova organização que potencialize e coordene a ação das órgãos já existentes”, disse Celso Amorim.

A proposta do Brasil foi bem recebida pelos demais governos, e será levada novamente à discussão na abertura da Assembléia Geral da ONU, que acontecerá na última semana de setembro em Nova York, nos Estados Unidos. A ministra Marina Silva festejou “a simpatia” com que foi acolhida a tentativa brasileira de produzir uma proposta de consenso: “Não tenho dúvida de que temos uma grande contribuição a dar nessa discussão. O Brasil apresentou a idéia dessa organização, ou agência, desde que sejam preservadas as outras estruturas e, ao mesmo tempo, coordenadas as convenções e os secretariados”, disse.

FBOMS envia carta a ministros

Durante a reunião do Rio de Janeiro, foi entregue às autoridades nacionais e internacionais uma carta produzida pelo Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS). No documento, as organizações do movimento socioambientalista lembram o Painel de Discussão criado no ano passado pela ONU para “avaliar as melhores formas de se trabalhar a questão ambiental de maneira transversal” e recomendam aos ministros “incrementar a autoridade do Pnuma como pilar ambiental do sistema das Nações Unidas”.

O documento do FBOMS propõe ainda “racionalizar os recursos utilizados no sistema ONU, através de unificação de secretariados, agrupamento de acordos ambientais afins, missões conjuntas e realização de conferências simultâneas de acordos e convenções que tratam de temas afins, para maior eficiência e sinergia no cumprimento de acordos multilaterais ambientais”. Também foi destacada no documento “a necessidade de vincular a discussão sobre a reforma da ONU a uma discussão mais ampla que inclui a necessidade de alteração dos padrões de consumo”.

Mudanças climáticas

Numa reunião organizada pela ONU e realizada em Viena, na Áustria, durante a última semana de agosto, os governantes dos países ricos e dos países ditos em desenvolvimento tentaram avançar na negociação das bases para a discussão de um acordo pós-2012 a ser travada já a partir da COP-13 em Bali. O principal entrave para isso continua sendo a recusa dos países emergentes em assumir metas obrigatórias de redução de suas emissões de gases provocadores do efeito estufa.

Este grupo, que tem a liderança de Brasil, China e Índia, evoca o princípio das “obrigações comuns, porém diferenciadas” que norteou a criação do Protocolo de Quioto há dez anos para exigir que os países mais industrializados arquem com sua responsabilidade histórica pelo aquecimento global. Os países ricos, por sua vez, fazem crescer a pressão sobre os emergentes e afirmam que, sem um esforço conjunto materializado em metas obrigatórias de redução das emissões, será impossível deter as mudanças climáticas em curso.

A reunião de Viena não fez avançar muito esse impasse, mas ao menos os diversos grupos de países aceitaram discutir possíveis concessões de lado a lado novamente na COP-13. Para não terminarem a rodada de discussões austríaca sem nada para mostrar, os países mais industrializados anunciaram ao final do encontro a intenção de reduzir suas emissões entre 20% e 40% até 2020. Essa decisão veio na esteira da proposta apresentada durante a reunião do G-8 em junho, quando os ricos falaram em reduzir 50% das emissões até 2050. Ambas as decisões, no entanto, não têm caráter obrigatório, o que as coloca, ao menos por enquanto, no vasto balaio internacional de manifestos de boas-intenções ambientais.

Image

 

Image

 

Brazilian army engineers prepare to pave a stretch of Highway BR-163, which becomes a red dirt road about 60 miles south of the Amazonian city of Santarém. Debate rages about the possible environmental effects of plans to pave the 1,100-mile road, which turns into impassable mud much of the year.

 

Image

 

Luciano Costa came to the jungle 34 years ago and has been waiting ever since for electricity and a paved highway.

 

Texto e Fotos: JACK CHANG / MCCLATCHY NEWSPAPERS

KILOMETER 129, HIGHWAY BR-163, Brazil — When the rains come to this patch of the Amazon forest, the bright-red dirt road that passes farmer Luciano Costa’s house dissolves into a sticky mush so thick that neither cars nor people can pass.

 

Costa and his family often are stranded for days. In the case of emergencies, seeking help means risking getting stuck in the mud with no one but the monkeys and jaguars for company.

 

“We’re cut off from the rest of the world, and that’s the truth,” Costa said recently outside his house. “It’s like how people lived 50 years ago. We don’t have electricity. Sometimes, we don’t have a road. We’ve been forgotten.”

 

Costa and thousands of other Amazon residents would like to see the government finish paving the 1,100-mile road, known as Highway BR-163. The Brazilian government has been promising to do so for more than 30 years.

 

Yet others oppose paving the more than 500 miles of BR-163 that are unfinished. They fear that a reliable road would spark a land rush and lead to the destruction of more of Brazil’s environmentally sensitive rain forest.

 

The debate symbolizes the dilemma facing Brazilian Amazonia, as the zeal for economic development in the region butts up against worries that the world’s largest rain forest is rapidly disappearing.

 

The rhetoric intensified this year, when Brazilian President Luiz Inácio Lula da Silva earmarked about $800 million to pave the entire highway by 2010. So far, work has gone slowly, and Brazilian army engineers said they were paving only 12 miles of road a year.

 

Pressure is growing, however, to finish the project. Soybean production is booming in Brazil, and a paved BR-163 would connect soy growers near Cuiabá in central-western Brazil to a port that the U.S. agricultural giant Cargill opened four years ago in the northern, Amazonian city of Santarém. Already, tons of soy are loaded at the port bound for U.S. and European markets.

 

Many fear that paving the highway will encourage farmers to clear more forest in favor of greater soy production.

 

Since the country’s military government opened the Amazon for development in the 1960s, new highways have without fail brought slash-and-burn farmers, illegal wood merchants and agro-industry into previously isolated parts of the jungle.

 

Brazil’s government estimates that about a fifth of the Brazilian Amazon, or 227,000 square miles, has been burned or cleared, mostly after 1970. That’s a bit smaller than the state of Texas.

 

The Brazilian environmental group Amazon Institute of People and the Environment found that the toll is even higher, with about half of the Amazon’s ecosystem destroyed or threatened by human activity.

The institute also found that 80 percent of deforestation occurred within 19 miles of official highways.

 

Environmentalists argue that the cost of deforestation is global. Greenhouse gases once trapped by Amazon vegetation now are released, contributing to global warming. Gone are uncounted plant and animal species. Indigenous tribes have been pushed from their native lands.

 

“A lot of people are rooting for this project although they don’t understand what the consequences will be,” said Maria Rosa Almeida, head of a farmers union in Santarém. “We believe it will bring more bad things than good.”

 

Farmers, politicians and businesspeople in the region said they share such concerns but insisted that this time around they would prove that economic development is compatible with protecting the environment.

 

To that end, the federal government has released what it calls Sustainable Plan BR-163, which sets up protected forest areas along the highway and strengthens enforcement of environmental laws in the region, among other measures.

 

“We’re defending a model that restores biological diversity but has man at the center,” said Santarém Mayor Maria do Carmo Martins Lima. “Here, we have 20 million people in Amazonia, and they’re people with a right to be part of the country’s development project.”

 

Residents who have scratched out a living along the dirt road for decades have no doubt that the highway should be paved. The lack of a reliable road has blocked them from selling their crops in Santarém and forced them into a subsistence lifestyle.

 

“This road is a national shame!” ranted 53-year-old Jorge Luiz Calvacanti, who raises crops and cattle on 494 acres about 115 miles down the road from Santarém. “How could they be so irresponsible as to ignore the country’s main artery that connects its north to its south?”

Adding to their anger, many said the unpaved road represented a long-standing betrayal by Brazil’s government, which lured hundreds of thousands of people to the Amazon during the 1960s and 1970s with promises of land and infrastructure.

 

Costa, the farmer, and his family left industrial southeastern Brazil in 1973 with the belief that they were the vanguard of a new wave of development. BR-163 and other highways would help settlers reach into the heart of the Amazon and build new lives, the government had said.

 

But the plan was abandoned in the 1980s when Brazil’s economy collapsed, and people such as Costa were left to fend for themselves. To this day, electrical and telephone lines stop with the asphalt 60 miles outside Santarém.

 

Such stories make for a strong case for paving the road, even to environmental advocates such as Fernanda Ferreira, a Santarém-based activist at the nonprofit Amazon Institute for Environmental Research, who said she believed the asphalt would come sooner or later.

 

“It’s a historic demand of everyone who lives here,” Ferreira said. “I see it as almost certain. The money is already there, and with this Cargill port, so is the incentive. All we can do now is hope some good planning can stop the worst from happening.”

 

in Seattle Times

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 26 outros seguidores