Filmes & Documentários


Brad Pitt em Washington DC (EPA)

Brad Pitt comprou os direitos do livro «The Lost City of Z – A Tale of Deadly Obsession in the Amazon», de David Grannn com vista a transformá-lo em filme, escreve o jornal «Folha».

O livro, que tem como palco a Amazónia, foi lançado há um mês e meio nos EUA, mas Pitt terá tido a uma cópia do livro desde Maio do ano passado.

Segundo o jornal, o actor ofereceu a cópia do livro ao realizador Fernando Meirelles durante a edição do ano passado do Festival de Cinema de Cannes. O realizador brasileiro não a terá aceite.

Desconhece-se ainda quando começará a rodagem, mas já se especula que Pitt irá ao Brasil com Angelina Jolie e filhos para filmar a produção da Paramount.

Fonte: IOL

The Lost City of Z

A Tale of Deadly Obsession in the Amazon

By David Grann; David Gann
(Doubleday Books, Hardcover, 9780385513531, 339pp.)

“Reading more like a script for Indiana Jones than a work of nonfiction, this book vividly brings to life the British explorer Percy Fawcett and the Amazon he loved and explored. Grann seamlessly brings together elements of history, anthropology, and biography into a superb narrative.”
– Ann Carlson, Harborwalk Books, Georgetown, SC
Description
A grand mystery reaching back centuries. A sensational disappearance that made headlines around the world. A quest for truth that leads to death, madness or disappearance for those who seek to solve it. “The Lost City of Z” is a blockbuster adventure narrative about what lies beneath the impenetrable jungle canopy of the Amazon.
After stumbling upon a hidden trove of diaries, acclaimed “New Yorker” writer David Grann set out to solve “the greatest exploration mystery of the twentieth century”: What happened to the British explorer Percy Fawcett and his quest for the Lost City of Z?
In 1925 Fawcett ventured into the Amazon to find an ancient civilization, hoping to make one of the most important discoveries in history. For centuries Europeans believed the world’s largest jungle concealed the glittering kingdom of El Dorado. Thousands had died looking for it, leaving many scientists convinced that the Amazon was truly inimical to humankind. But Fawcett, whose daring expeditions helped inspire Conan Doyle’s “The Lost World, ” had spent years building his scientific case. Captivating the imagination of millions around the globe, Fawcett embarked with his twenty-one-year-old son, determined to prove that this ancient civilization–which he dubbed “Z”–existed. Then he and his expedition vanished.
Fawcett’s fate–and the tantalizing clues he left behind about “Z”–became an obsession for hundreds who followed him into the uncharted wilderness. For decades scientists and adventurers have searched for evidence of Fawcett’s party and the lost City of Z. Countless have perished, been captured by tribes, or gone mad. As David Grann delved ever deeper into the mystery surrounding Fawcett’s quest, and the greater mystery of what lies within the Amazon, he found himself, like the generations who preceded him, being irresistibly drawn into the jungle’s “green hell.” His quest for the truth and his stunning discoveries about Fawcett’s fate and “Z” form the heart of this complex, enthralling narrative.

The Lost City of Z: A Tale of Deadly Obsession in the Amazon

In 1925, explorer Percy Harrison Fawcett embarked on his most ambitious adventure yet: finding the fabled lost city of gold — aka El Dorado — or, to him, simply the enigmatic Z. In trying to solve one of mankind’s greatest mysteries, he inadvertently created another, as he disappeared in the South American jungles and was never heard from again.

His vanishing act prompted scores of rescue efforts, during which an estimated 100 people lost their lives as well. Today, the fascination with Fawcett continues, and that includes NEW YORKER writer David Grann, who tells the whole story — or as much as is known — in THE LOST CITY OF Z: A TALE OF DEADLY OBSESSION IN THE AMAZON.

It’s difficult to believe that in the 1920s — not that long ago, really — people bought into the idea of a city of riches, but the unknown proved to be an irresistible to lure to Fawcett, who, until his fateful final trip, seemed immune to the dangers of the jungle that felled so many others, including that of his own parties.

As Grann reconstructs each of Fawcett’s expeditions, the terrain’s numerous threats stick with you; LOST CITY is a litany of bee-swarming, bat-biting, pus-oozing, limb-swelling maladies. There are hungry piranha; the famous urethra-seeking fish; and socks that are peeled off … along with entire layers of skin. To go into the jungle seemed to equate with acquiring a horrible infection, and yet Fawcett kept finding men to go back with him.

Until that stakes-raising one in 1925, when his party consists entirely of his college-aged son, Jack, and Jack’s best friend, neither of whom had ever embarked on such a trip before. For that, it feels doomed from the get-go, and as Grann leads up to it, your stomach fills with dread, anticipated what we know now to be inevitable.

But that’s only half the story, as Grann, too, is bitten by the Fawcett bug, and becomes as obsessed with finding out what happened to his subject as his subject was to chasing a mere myth. So alternating chapters with the Fawcett adventures are those of Grann himself, venturing into territory that very well may be an alternate world, given his inexperience — he’d never even been camping.

Although obviously the journalist has lived to tell about it — and finding out more than anyone has before, thanks to access to diaries provided by Fawcett’s granddaughter — that doesn’t make LOST CITY any less suspenseful, especially when an early chapter details a similar hunt in the mid-1990s by a father-and-son team that results in their abduction by an Indian tribe.

Like James Swanson’s MANHUNT: THE 12-DAY CHASE FOR LINCOLN’S KILLER, this is the best kind of nonfiction: that which thrills like its fictional counterparts. Without ever having to leave your armchair, Grann takes you a journey to places you’ll never want to go, in a fascinating account of a man who died in pursuit of his dream — both daring and disillusioned. As a work of journalism and adventure, THE LOST CITY OF Z is quite a feat. —Rod Lott

Buy it at Amazon.

Percy Fawcett was a Victorian-minded explorer in the early 20th century.

Alternate description.
Credit: Doubleday (c) 2009

Mad and manly, Fawcett was certain there was a lost civilization in the lush green hell of the Amazon rainforest. His certainty flew in the face of generations of scholars and scientists who knew there was nothing to be found in the Amazon except extremely hostile hunter-gatherer residents, huge deadly snakes, man-eating fish and insects bearing horrible diseases.New Yorker writer David Grann’s new book chronicling Fawcett’s explorations, The Lost City of Z: A Tale of Deadly Obsession in the Amazon, proves several things. One, Percy Fawcett was certifiable. Two, I’m not so sure about David Grann. And three, there really was a “Lost City of Z”, but Fawcett was blinded by Victorian notions of what cities looked like and thus unable to see it when he was standing in its ruins.

A fascinating book, The Lost City of Z‘s film rights have been bought by Brad Pitt, who will undoubtedly spend some horrific time in the Amazon rainforest and come back with a fabulous movie.

Read my book review of The Lost City of Z, and please feel free to add your own review

More Information

Brad Pitt será explorador britânico desaparecido na Amazônia

O ator americano Brad Pitt, 44, foi escalado para interpretar o célebre explorador britânico Percy Fawcett, que desapareceu na selva amazônica em 1925 durante uma expedição que buscava uma cidade perdida.

Pitt havia expressado seu interesse em produzir e atuar no filme “Lost City of Z”, que conta a história da missão de Fawcett, há 83 anos, segundo a publicação Daily Variety.

Fawcett – cujas aventuras foram, acredita-se, uma das inspirações para o herói Indiana Jones – desapareceu tentando encontrar a cidade de Z.

Desde então, inúmeros exploradores já tentaram refazer os passos de Fawcett em sua derradeira expedição na selva para descobrir o que de fato aconteceu com ele.

Pitt, que recentemente trabalhou em “O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford” está em mais dois filmes com lançamento previsto para este ano: “Burn After Reading”, dos irmãos Joel e Ethan Coen, e “The Curious Case of Benjamin Button”, de David Fincher.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilus … 8432.shtml

Sobre o Coronel Fawcett

O Coronel Percy Harrison Fawcett (1867 – 1925) foi um famoso arqueólogo e explorador britânico que desapareceu ao organizar uma expedição para procurar por uma civilização perdida na Serra do Roncador, Brasil.

Fawcett nasceu em 1867 na cidade de Devon, Inglaterra. Em 1886 entrou para a Royal Artillery e acabou escalado para trabalhar no Ceilão, onde conheceu sua esposa. Depois trabalhou como agente secreto britânico na África Meridional e aprendeu técnicas de sobrevivência na selva. Acabou por fazer amizade com os escritores H. Rider Haggard e Arthur Conan Doyle, que mais tarde utilizaram suas histórias como base para escreverem a obra “Lost World”. Suas histórias também serviram de inspiração para a criação de aventuras envolvendo o personagem Indiana Jones.

A primeira expedição de Fawcett na América do Sul ocorreu em 1906 quando ele viajou ao Brasil para mapear a amazônia em um trabalho organizado pela Royal Geographical Society. Ele atravessou a selva, chegando em La Paz, na Bolívia em junho desse mesmo ano.

Fawcett realizou sete expedições entre 1906 e 1924. Ele tinha a habilidade de conquistar os povos que habitavam os locais explorados dando-lhes presentes. Ele retornou a Inglaterra para servir ao exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial, mas logo após o fim da guerra retornou ao Brasil para estudar a fauna e arqueologia local.

Em 1925 convidou seu filho mais velho, Jack Fawcett, para acompanhá-lo em uma missão em busca de uma cidade perdida, a qual ele tinha chamado de “Z”. Após tomar conhecimentos de lendas antigas e estudar registros históricos, Fawcett estava convencido que essa cidade realmente existia e se situava em algum lugar do estado do Mato Grosso, mais precisamente na Serra do Roncador. Curiosamente antes de partir ele deixou uma nota dizendo que, caso não retornasse, nenhuma expedição deveria ser organizada para resgatá-lo.

O seu último registro se deu em 29 de maio de 1925, quando Fawcett telegrafou uma mensagem a sua esposa dizendo que estava prestes a entrar em um território inexplorado acompanhado somente de seu filho e um amigo de Jack, chamado Raleigh Rimmell. Eles então partiram para atravessar a região do Alto Xingú, e nunca mais voltaram.

Muitos presumiram que eles foram mortos pelos índios selvagens locais. Porém não se sabe o que aconteceu. Os índios Kalapalos foram os últimos a relatar terem visto o trio. Não se sabe se foram realmente assassinados, se sucumbiram a alguma doença ou se foram atacados por algum animal selvagem.

Fonte: Wikipedia
http://www.mochileiros.com/brad-pitt-interpretara-coronel-fawcett-em-novo-filme-t27065.html

Brad Pitt vai interpretar aventureiro que desapareceu na Amazônia

Percy Fawcett sumiu no Alto Xingu quando buscava civilização perdida.
Brad Pitt acaba de assinar contrato para estrelar e produzir filme baseado na história real do soldado e espião britânico Percy Fawcett, que em 1925 desapareceu junto com seu filho em Mato Grosso, quando buscava uma civilização perdida que chamava de “Z”. Dirigido por James Gray, “The Lost City of Z” (A cidade perdida de Z) se baseará em livro homônimo escrito pelo norte-americano David Grann.

Segundo o diário britânico The Guardian, Fawcett serviu de inspiração para que George Lucas criasse o personagem Indiana Jones.
O último sinal de vida do aventureiro e de seu filho foi um telegrama enviado em 29 de maio de 1925 a sua

mulher. Na mensagem, Fawcett informou que estava se preparando para entrar em território desconhecido.
Ampliar Foto Foto: Reprodução Foto: Reprodução
O verdadeiro Percy Fawcett, que desapareceu em Mato Grosso em 1925. (Foto: Reprodução)

Fonte: GP1.com.br

Villas Bôas tentou achar restos mortais de Fawcett

Dentre as diversas histórias estranhas que sucederam ao desaparecimento de Fawcett, uma das mais curiosas diz respeito a uma ossada encontrada pelo indigenista Orlando Villas Bôas (1914-2002) na região do Xingu em 1952.

O sertanista, que havia feito contato recente com os kalapalo, acreditava que fossem os restos mortais do coronel Fawcett. Mas a suspeita não se comprovou, conforme relatou o jornalista Antonio Callado (1917-1997) em um de seus primeiros livros, “Esqueleto na Lagoa Verde” (1953).

Uma das hipóteses levantadas foi de que os kalapalo mataram Fawcett, seu filho Jack e um amigo de Jack chamado Raleigh Rimmell porque eles se recusaram a dormir na cabana de um dos índios por considerá-la suja demais. Esse índio, ofendido, teria matado Fawcett a bordunadas, enquanto outros flecharam Jack e Raleigh.
Seja como for, a ossada descoberta por Villas Bôas foi notícia no mundo todo. Assis Chateaubriand, dono de um império de jornais à época, convidou outro filho de Fawcett, Brian, para visitar o Brasil e os índios que teriam matado seu pai. Mas um dentista que havia tratado de Fawcett desmentiu que o crânio fosse do inglês.

Antes disso, desde o desaparecimento do coronel, em 1925, diversas expedições de busca haviam acontecido. Uma delas, patrocinada pelo jornal inglês “The Times”, foi realizada em 1933 por Peter Fleming, irmão do criador do “007″, Ian Fleming. Resultou no livro “Brazilian Adventure” (aventura brasileira), que teria vendido 600 mil exemplares da Europa.

E histórias fantásticas não paravam de pipocar: em 1932, um caçador suíço relatou que tivera um encontro com Fawcett na floresta no ano anterior.

Em 1937, uma missionária americana disse ter encontrado um filho de Jack Fawcett com uma índia. A criança, branca e de olhos azuis, foi objeto de novas buscas infrutíferas.

E, finalmente, há os esotéricos da seita Núcleo Teúrgico, que acreditavam que Fawcett encontrou sua cidade perdida e lá viveu feliz até 1957, aos 90 anos, “quando se desmaterializou de vez”, segundo conta Hermes Leal, em seu livro “O Enigma do Coronel Fawcett”.

A seita não sobreviveu à morte de seu líder, Udo Luckner, em 1986. Mas sobreviveu ao fim do mundo, cuja data Luckner havia proclamado para 1982. Menos mal.

Fonte: Meio Norte

HISTORY: Coronel Percy Fawcett

Colonel Percy Fawcett in Mato Grosso Brazil

Colonel Percy Fawcett in Mato Grosso Brazil

The Lost City of Z

In 1925, the gentleman explorer Colonel Percy Fawcett entered the Amazon rainforest in search of a mythical ancient kingdom: Z. He was never seen again. What happened to him, and to the countless men who followed in his footsteps?

Go to the Telegraph’s article

LINKS:

> Wikipedia

Brad Pitt comoPercy Fawcett e Tom Cruise no  Survivor

percy-fawcett-brad-pitt

Read the other day that Brad Pitt will play the role of Percy Fawcett; an English explorer who vanished in Northeast Mato Grosso in 1925 while searching for the Lost City of Z.    The news clip said Brad and Angelina would move to Brazil during the filming.   Mato Grosso?   I wonder……?   I doubt it unless they actual film in Mato Grosso, which I think would be very unlikely.

The Survivor TV program is filming its reality show in the Jalapão region of the State of Tocantins.   It sure has put Tocantins on the map.

And, of course, Tom Cruise was in Rio promoting his latest film.   He and the wifey went to the beach, ate out in a restaurant in Leblon (sushi, I believe) and flew by helicopter down to Angra dos Reis.  He waved and said “Gracias” and “Hola” the whole time.  Someone forgot to tell him the language here is Portuguese; not Spanish.  As far as I know, he didn’t mention Buenos Aires as being the capital of Brazil.  Another error many Gringos make when visiting Brazil.

LINKS:

> Percy Fawcett – Wikipedia

> Survivor – CBS TV

> State of Tocantins – Wikipedia

> Site State Government of Tocantins – Jalapão

> Angra dos Reis

Leia mais

Especial

LIVRARIA DA FOLHA


Foto:  Felipe Panfili

Lá se vão 18 anos que, através das mãos de Ruy Guerra, o livro Quarup, de Antônio Callado, chegou às telas do cinema. Recentemente foi lançado o livro Kuarup Quarup, de Paulo Marcos, que foi o fotógrafo do longa e que retrata os bastidores do período de filmagens no Xingu. Cláudia Ohana, que faz parte do elenco, ficou muito emocionada com a obra.

 

Ela fez questão de abraçar o autor, bem como a família de Antonio Callado, incluindo a filha Tessy Callado, também atriz, que marcou presença na noite de autógrafos, realizada na Livraria da Travessa, no Rio. Em Kuarup Quarup. O fotógrafo mostra os quatro meses que passou entre os índios xinguanos, fazendo o still (fotos de cena) e clicando os bastidores do filme.

 

Além do contato diário com os artistas – entre eles Fernanda Torres, Taumaturgo Ferreira e Cláudia Raia -, e toda a equipe, Paulo Marcos fez amizade com os índios. Assim, ele registrou diversos aspectos da intimidade deles e os seus afazeres do dia-a-dia. Para o autor, o livro honra o Parque do Xingu e seus fundadores, os irmãos Villas Boas.

in O Fuxico

 

This video is a little long, but it is an amazing view of the dangers faced by activists working in places like this.

 

From the Guardian’s website:

Paulo Adário, the coordinator of Greenpeace’s Amazonia campaign, who led the mission subsequently complained that ‘We heard from the Mayor and all of the others that the Constitution does not exist in Juína, there is no right to go and see, no freedom of the press. It is completely unacceptable that ranchers, with the support of the local authorities, can violate our freedom of movement and freedom of expression in this way.’Unfortunately such threats are both very real and very common in Brazil today. Over the past 30 years, 1,237 rural workers, union leaders and activist have been killed in Brazilian land disputes and only a tiny handful people have ever been convicted as a result.

I have huge respect for journalists and activist who put their lives on the line to get the truth out. But as Paulo reminded me by email:

We could leave the region with our plane and – that Tuesday – remove the two Opan guys. But the Enawene will stay there forever, and Opan needs to come back to help them. They are under threat, not us.

He’s right. They’ve asked for our help, and brave people like that deserve it. One way we can help to keep them safe is to spread the word. So please forward this video around.

 

Survival International is also calling on people to write emails and letters. Also see the OPAN website.

 

post do Andrew no Blog Making Waves

 

***************************************

 

August 30, 2007

 

Threats and intimidation down Amazon way

 

As the narrator of this startling video states, “working in the Amazon forest is not for the faint of heart.” In the past, people from campaigning organisations have been bullied by land owners and workers, facing intimidation, violence, death threats and even murder. The most recent example, documented in the video from Greenpeace Brazil, happened just last week and seeing footage of a situation verging on outright violence, I’ve found a new level of respect for the men and women who put themselves in the firing line.

 

 

The trouble began when a group of representatives from Greenpeace and Operation Native Amazon (an organisation working with forest communities), along with two French journalists, went to visit the indigenous Enawene-Nawe people near the town of Juina in Mato Grosso state. All they wanted to do was document their way of life in the forest, but were prevented from doing so by an angry mob of farmers and local officials.

 

Attempts to negotiate failed as it became clear that the farmers considered themselves as owners of not just the land and roads, but also the Enawene-Nawe as well. As the group are escorted away by a convoy of Jeeps and pick-up trucks, this appalling affront to civil liberties in a democratic country is a shock to the system, particularly as the town mayor was helping to run them out of town. At least they could leave, but the Enawene-Nawe’s lands are surrounded by farms which are continually encroaching on the forest.

 

When it comes down to it, the rights of a community who have lived there for generations are being challenged by the commercial ambitions of farmers who have been cutting down the forest for perhaps 20 years. I know who I’m backing.

 

post do Jamie no Blog Making Waves

BBC Brasil - BBC

 

Tamanho do texto? A A A A

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

 

- A organização não-governamental Survival International lançou nesta quarta-feira uma campanha para proteger tribos isoladas da Amazônia.

De acordo com a ONG, que produziu um filme para a campanha, mais de cem tribos em todo o mundo continuam sem manter contato com a civilização.

“Elas representam os povos mais vulneráveis do mundo, que podem ser exterminados nos próximos 20 anos caso os seus direitos a um território não sejam reconhecidos e defendidos”, afirmou a atriz Julie Christie, estrela do filme Doutor Jivago (1965) e narradora do filme.

A campanha da ONG defende o direito desses índios de viverem isolados e alega que o contato com o “homem branco” trouxe conseqüências negativas a várias tribos.

A organização cita o exemplo dos akuntsu, um povo das florestas de Rondônia. Hoje, há apenas seis sobreviventes dessa tribo.

De acordo com a Survival, quando a Funai tentou entrar em contato com os akuntsu em 1995, descobriu que criadores de gado tinham invadido as terras deles e massacrado quase todos.

Depois da matança, segundo a ONG, os agressores teriam destruído as ocas com tratores para eliminar provas do crime.

“Um dos homens (que sobreviveram ao ataque), Pupak, ainda guarda uma bala de chumbo nas costas e conta que homens armados o perseguiram a cavalo. Eles vivem em um pequeno resto de floresta”, diz o texto da Survival.

Outro exemplo citado pela ONG para justificar a necessidade de isolamento dos índios é o da tribo Awá, um povo de caçadores nômades do leste da Amazônia.

De acordo com a Survival International, hoje os awá estão sob pressão de enormes projetos agroindustriais, criadores de gado e grileiros.

“Estamos sendo encurralados pelos brancos. Eles estão sempre avançando e agora estão quase em cima de nós. Estamos sempre em fuga. Amamos a floresta porque nascemos aqui e sabemos como sobreviver a partir dela. Sem a floresta, vamos sumir, vamos ser extintos”, afirmou um líder indígena dos awá, To”o, à ONG. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

via Estadão

Paulo Adario às margens do Rio Juruena com Atainaene escoltado por  PMs.

Foto de Juína Brasil
Paulo Adario às margens do Rio Juruena com Atainaene escoltado por PMs.

 

 

Juína, Brasil — Greenpeace e Opan pedem investigação contra fazendeiros e políticos que expulsaram as organizações e dois jornalistas franceses da cidade de Juína, no Mato Grosso.

O Greenpeace e a organização indigenista Opan (Operação Amazônia Nativa) pediram hoje ao Ministério Público Federal a apuração dos graves incidentes ocorridos há dois dias em Juína, no Mato Grosso, que resultaram na expulsão, por fazendeiros, de um grupo de representantes da Opan, ativistas do Greenpeace e dois jornalistas franceses. Entre os ambientalistas estava o coordenador do Greenpeace na Amazônia, Paulo Adario.

Veja as imagens:

 

Cópias de duas horas de imagens em vídeo documentando ameaças, ofensas e o processo de expulsão do grupo foram entregues agora à tarde ao Procurador Federal da República em Mato Grosso, Mário Lúcio Avelar. Pela manhã, Adario fez um pronunciamento sobre o assunto durante reunião especial do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) que se realiza em Cuiabá, e pediu providências das autoridades estaduais e federais. Ontem, durante a abertura da reunião, o governador Blairo Maggi anunciou que irá pedir a presença do Exército para enfrentar a grilagem e garantir a ordem no noroeste do estado, onde está Juína. O governo do estado havia sido informado no dia anterior que o Greenpeace, a Opan e jornalistas estavam praticamente mantidos como reféns num hotel da cidade, cercados por quase uma centena de fazendeiros.

“Ao mesmo tempo em que o governo celebra e assume o mérito pela queda das taxas de desmatamento na Amazônia, o episódio em Juína mostra que sua presença ou é rala ou ainda está muito longe daqui”, disse Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia do Greenpeace, que fazia parte do grupo. “É inaceitável que fazendeiros, com o apoio de autoridades locais, cerceiem a liberdade que todo cidadão tem de ir e vir e revoguem a Lei de Imprensa, cassando o direito de jornalistas exercerem sua profissão com segurança”.

O grupo do Greenpeace, da Opan e os jornalistas franceses foram expulsos por fazendeiros na segunda-feira pela manhã (20/08), depois de ser mantido durante toda a noite sob vigilância em um hotel da cidade. O grupo de nove pessoas estava de passagem por Juína e seguia em direção à terra indígena Enawene-Nawe. O objetivo da viagem era documentar áreas recém-desmatadas, além de mostrar a convivência de um povo indígena que vive de agricultura e pesca com a floresta e seu papel em preservar a biodiversidade.

No final da tarde de domingo, fazendeiros abordaram integrantes das duas organizações no hotel onde estavam hospedados, querendo saber quem eram e o que estavam fazendo em Juína. A área onde está localizada a terra indígena está em disputa entre os Enawene Nawe e os fazendeiros e expressa o conflito da expansão agrícola sobre áreas protegidas e territórios de povos indígenas.

Os índios reivindicam a reintegração de parte do território tradicional que teria ficado de fora da demarcação e que contém uma área de pesca cerimonial, fundamental nos rituais sagrados dos Enawene. Os fazendeiros, por sua vez, alegam que a terra é deles e estão dispostos a lutar para mantê-las. Eles se mostraram muito irritados quando souberam que jornalistas integravam o grupo que estava no hotel.

Na manhã seguinte, o local foi cercado por dezenas de fazendeiros e o presidente da Câmara Municipal, vereador Francisco Pedroso, o Chicão (DEM), que exigiam esclarecimento sobre os objetivos dos visitantes. O grupo foi levado à Câmara Municipal, onde uma sessão especial foi rapidamente organizada. Estavam presentes o prefeito da cidade, Hilton Campos (PR), o presidente da Câmara, o presidente da OAB, o presidente da Associação dos Produtores Rurais da região do Rio Preto(Aprurp), Aderval Bento, vários vereadores e mais de 50 fazendeiros. E também a polícia. Durante seis horas, os fazendeiros e repetiram que a entrada do grupo na terra Enawene Nawe não seria permitida e que seria “perigoso” insistir na viagem. Esmurrando a mesa, o prefeito de Juína, Hilton Campos, afirmou que não iria permitir a ida do grupo para o Rio Preto, sendo aplaudido fervorosamente pelos colegas fazendeiros.

Para evitar maiores conflitos, a viagem foi cancelada. O grupo, então, se dirigiu ao local de encontro com os Enawene, uma ponte sobre o Rio Preto, a 60 km de distância, para dar a eles combustível e comida para a volta. A viagem foi feita sob escolta policial, para garantir a segurança dos jornalistas, da Opan e do Greenpeace. Mas nem isso evitou que os fazendeiros, que acompanharam a viagem de ida e volta em 8 oito caminhonetes lotadas, continuassem intimidando e ameaçando o grupo. O grupo se refugiou no hotel de onde não pôde sair nem para comer. Uma viatura da Polícia Militar ficou na área, para impedir qualquer tentativa de invasão, mas não conseguiu impedir que um fotógrafo fosse agredido. Os fazendeiros fizeram uma vigília na frente do hotel durante toda a noite.

De manhã cedo, 30 caminhonetes lotadas de fazendeiros, com faróis acessos a buzinando sem parar, insultando e ameaçando o grupo, escoltaram o grupo, que estava protegido por duas viaturas policiais, até o aeroporto.Foram advertidos a decolar imediatamente, ou o avião seria queimado. No momento, todos se encontram em segurança em Cuiabá.

 

in Greenpeace

Titulo: Os Xetá da Serra de Dourados
Titulo original: Os Xetá da Serra de Dourados
Bitola original: 16mm
Direção: Wladimir Kozak
Produção: 1957/60
Duração: 43’

Os Xetá da Serra de Dourados é considerado a obra mais significativa de Wladimir Kozak, abordando aspectos da vida dos índios Xetá atualmente extintos.

Título: Heinz Forthmann
Título original: Heinz Forthmann
Bitola original: 16mm/cor/p&b
Direção e Produção: Marcos de Souza Mendes, Brasil, 1990.
Co-produção: FUNARTE/DECINE-CTAv e Associação Brasileira de Documentaristas-DF/Ceprocine
Duração: 55’

Documentário sobre o fotógrafo e cineasta Heinz Forthmann (1915-1978), nascido em Hannover, Alemanha Ocidental, brasileiro por opção. Entre 1942 e 1957, Forthmann trabalhou para o Serviço de Proteção aos Índios – SPI – onde foi fotógrafo do Marechal Rondon e realizou ao lado de Darcy Ribeiro e Orlando Villas Boas uma das mais importantes obras do cinema etnográfico nacional.
Trabalhou, nos anos 60, como cinegrafista para produtores nacionais e internacionais registrando aspectos da vida brasileira. De 1965 a 1978 foi professor da Universidade de Brasília, onde dirigiu o Centro de Recursos Audiovisuais e fotografou vários filmes de cineastas locais. A dispersa e esquecida obra do cineasta Heinz Forthmann (1915-78) tenta ser recuperada através de suas fotografias, de seus filmes e (“Os índios Urubu”, “Funeral Bororo”, “Kuarup” de depoimentos de contemporâneos entre os quais: João Domingos Lamônica, Darcy Ribeiro, Orlando Villas Boas, Rosita Forthmann, Takumã Kamayurá, Luís Humberto e Vladimir Carvalho. Prêmio de melhor média metragem no 18¹ Festival do Cinema Brasileiro de Gramado, 1990; Hors Concours, XXIII Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Prêmio Especial do Júri na XVIII Jornada Internacional de Cinema da Bahia, Salvador, 1991.

Título: Kuarup
Título original: Kuarup
Bitola original: 35mm/cor
Direção, Fotografia, roteiro e montagem: Heinz Forthmann
Produção: Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE), Brasil, 1961/62
Duração: 20’

O Kuarup está relacionado com a origem do povo xinguano, que é a história de Mavutsinim. Um grupo de índios representa os peixes; outro, as onças. Eles se defrontam amistosamente no ambiente no ambiente ritual. Enquanto o mito é relatado, os índios se movimentam representando os heróis míticos – inclusive Mavutsinim, transformando em tronco de árvore. Este tronco de árvore é que ganha vida através da ação dos xamãs que cantam e tocam chocalhos (trecho da entrevista com Roberto Cardodo de Oliveira, janeiro de 1985. Prêmio Saci do Cinema do Estado de São Paulo (melhor curta metragem), 1963. Menção Especial do festival dei Populi, Florença, 1964.

Título: Funeral Bororo
Título original: Funeral Bororo
Bitola original: U-matic e 16mm/cor
Direção: Maureen Bisilliat
Produção: Maureen Bisilliat, Brasil, 1990
Duração: 47’

Gravado e editado em 1990, tem como matéria prima original o registro documental etnográfico de um funeral de um chefe da nação Bororo, realizado em 1953 pelo fotógrafo alemão Heinz Forthman e por Darcy Ribeiro. Darcy assistiu o ritual como um representante de Rondon, que era descendente de índios desta nação. Mais de trinta anos depois, Maureen Bisilliat coloca o antropólogo numa ilha de edição para rever o material etnográfico, que sobreviveu ao tempo, telecinado a partir de um velho copião 16mm junto com mais dois rolos de som ambiente. As imagens vão reavivando sua memória e, então, presenciamos o testemunho emocionado de um dos maiores intelectuais da América Latina, ao mesmo tempo em que vemos as imagens de um ritual único.

Título: Bubula, o cara vermelha
Título original: Bubula, o cara vermelha
Bitola original: 16mm/cor/p&b
Direção: Luiz Eduardo Jorge
Produção: Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia-IGPA, Área de Documentação, Digital Films, Brasil, 1999
Duração: 27’

Trajetória histórica de documentação do cineasta e fotógrafo Jesco von Puttkamer durante quatro décadas na Amazônia.
OCIC/Brasil, Troféu Jangada, no 1o. Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, 1999; Prêmio do Júri Popular no 10o. Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, 1999; Prêmio Especial do Júri na XXVI Jornada Internacional de Cinema e Vídeo da Bahia, 1999; Troféu Karajá, Universidade Católica de Goiás, III Jornada Científica das Universidades Católicas do centro Oeste, 1999; Prêmio Marco Antônio Guimarães, pelo melhor uso de material de pesquisa no 32o. Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, 1999; Prêmio Especial do Júri pela pesquisa e resgate da identidade cultural brasileira no 32o. Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, 1999; Prêmio Especial do Júri, pelo resgate da memória nacional no 4o. Festival de Cinema do Recife, 2000.
” A única alegria é que eu sei que em boas mãos se encontram meus milhares de diários e sons gravados e imagens cinematográficas, para que o brasileiro do futuro do ano 2, 3 mil ainda se lembre que ele é descendente daqueles valorosos índios que haviam nessas matas amazônicas, destemidos…” (Jesco von Puttkamer).

Título: Tsa’amri – de alguém que partiu para se tornar índio.
Título original: Tsa’amri – von einem, der auszog, Indianer zu werden
Bitola original: Betacam/cor
Direção: Eike Schmitz
Produção: Alemanha, 1991.
Duração: 77’

Uma figura estranha. Há 35 anos o alemão Adalbert Heide vive com os
índios Xavante. O que o levou para lá? Quando criança ele lia Karl May (célebre escritor alemão de romances de viagem) e sentia-se fascinado. E assim, ele mesmo tornou-se um cacique, Tsa’amri, que acompanha os índios nas caçadas. Um filme regionalista teuto-brasileiro irônico e nostálgico.

Título: O cineasta da selva
Título original: O cineasta da selva
Bitola original: 35mm/cor
Direção: Aurélio Michiles
Produção: Superfilmes, Brasil, 1997
Co-produção: TV Cultura – Governo do Estado de São Paulo
Duração: 87’

Silvino Santos (1886, Portugal-1969, Brasil), começou sua carreira de cinematógrafo na cidade de Manaus quando esta vivia seu apogeu graças ao ciclo da borracha, tornando-se um dos pioneiros do cinema no Brasil. Adotou o Brasil como pátria aos 13 anos de idade, documentou a história de uma Amazônia com uma produção extensa e diversificada. Ao longo dos seus 84 anos realizou nove longas e 57 curtas e médias metragens no Brasil em Portugal, muitas vezes se embrenhando na floresta amazônica com uma câmera de manivela na mão e fazendo as pontas de teste do material filmado nos ocos das gigantes árvores da selva. Para documentar a vida do cineasta, Michiles optou por uma narrativa em flashbacks, intercalados por depoimentos dos filhos do cineasta e dos cinéfilos amazonenses. O ator José de Abreu interpreta Silvino contando sua própria história, refletindo sobre seu trabalho e a época em que viveu. Ele é o elo de ligação entre as imagens de arquivo, as de Michiles e os depoimentos. Prêmio HBO Brasil de Cinema 1997.

Título: No paiz das Amazonas
Título original: No paiz das Amazonas
Bitola original: 16mm/ p&b/ mudo
Direção: Silvino Santos e Agesilau de Araújo
Produção: Brasil, 1922
Duração: 106’

Percurso por alguns rios da bacia amazônica, o filme retrata diversas formas de sobrevivência e trabalho na região: a pesca do peixe-boi e do pirarucu, a extração da balata e do preparo do latex, a extração da castanha e o preparo do guaraná.
No Paiz das Amazonas é considerado o filme mais famoso de Silvino Santos que realizou enquanto funcionário da Cia J.G.Araújo. Foi sucesso de público e crítica permanecendo em cartaz cinco meses no Cine Palais no Rio de Janeiro, além de ser exibido em salas de cinema na França, Inglaterra e Lisboa. Junto de Nanook, de Flaherty (1922), La Crosière Noire (1926) de Léon Poirier, Tabu (1930) de Murnau, o filme No Paiz das Amazonas e No rastro do Eldorado (1925) de Silvino formam um conjunto de filmes de viagem que forneceram aos moradores das metrópoles a oportunidade de se aventurar e descobrir as regiões “mais selvagens do mundo”. Aqui, exibimos o trecho final do filme intitulado “Os Índios Parintintins e outros”.

Peru FilmPAROMEA RONIN BAKEBO
(The Children of the Anaconda)
2006 – DVD 30 Min. Shipibo with optional English or Spanish subtitles.

A community-based film production facilitated by reflexive films and Village Earth. Paromea Ronin Bakebo (Shibibo for “the Children of the Anaconda) illustrates the visions and hopes of the Shipibo people of Peru’s Amazon Basin, who struggle to protect their way of life and natural resources against the threats from outside interests encroaching upon their traditional lands.

$25.00 Donation

Temas como trabalho escravo e violência contra crianças e adolescentes estão entre as principais preocupações do Movimento Humanos Direitos (MHuD), entidade que congrega nomes conhecidos como Camila Pitanga, Letícia Sabatella e Marcos Winter

por Mauricio Monteiro Filho

Nos intervalos de gravações e ensaios, um grupo formado basicamente por atores e atrizes tem se dedicado a um tema que ainda ocupa uma tímida fatia da programação televisiva: a luta pelos direitos humanos.

Formado há cerca de quatro anos, o Movimento Humanos Direitos (MHuD) – http://www.humanosdireitos.org/ – lança mão da visibilidade de seus membros para trazer a público questões relacionadas a trabalho escravo, violência contra crianças e adolescentes, desrespeito ao meio ambiente. Dessa forma, fora do horário nobre, a dupla Jáder (Chico Diaz) e Bebel (Camila Pitanga), que diverte a audiência da novela “Paraíso Tropical”, da Rede Globo, troca a representação pela ação política. Também fazem parte do grupo artistas renomados como Letícia Sabatella, Osmar Prado, Dira Paes, Wagner Moura e muitos outros atores, atrizes e profissionais de áreas variadas.

De acordo com o diretor-geral, o também ator Marcos Winter, a área de interesse da entidade transita sobre “questões por demais desgraçadas, fruto de descaso e de um atraso muito grande no país, porque precisamos de reformas básicas e estruturais”.

Entre as questões mais recentes em que o grupo se envolveu, está um caso de violência sexual contra menores na cidade de Sapé, estado da Paraíba, em que o MHuD pronunciou seu apoio à promotora de Justiça do município, que está sendo ameaçada de morte.

Outra campanha atual da entidade é o repúdio à construção da barragem de Estreito, na divisa entre o Maranhão e o Tocantins. O empreendimento, que já está em fase de início das obras, alagará uma área de 400 quilômetros quadrado. Além disso, afetará 12 municípios e três terras indígenas, desalojando cerca de 20 mil pessoas.

Ambas as intervenções do Humanos Direitos - além de outras – estão no site da entidade, ou podem ser acessadas pelos links ao fim do texto.

O MhuD também tem desempenhado um importante trabalho no acompanhamento do projeto de emenda constitucional (PEC) 438, que trata da expropriação de terras em que forem encontrados trabalhadores escravos. O grupo esteve pessoalmente no Senado Federal durante a votação do texto, que foi aprovado, mas atualmente está travado na Câmara, aguardando votação em segundo turno.

Winter também identifica que a vanguarda lançada pelo MHuD tem gerado uma sensibilização maior do setor artístico para temas sociais. “É bom ver a Xuxa dizendo que não se deve bater em crianças, na televisão”, exemplifica. Mas ele julga que, enquanto não houver “disponibilidade para encarar as tragédias do país de perto”, não haverá transformação social real.

Assista:
Vídeo do MHuD sobre os riscos da construção da barragem de Estreito
Vídeo do MHuD em apoio à promotora de justiça de Sapé (PB)

Strange bedfellows: McDonald’s, Greenpeace, and the Amazon rainforest

<!–

Strange bedfellows: McDonald’s, Greenpeace, and the Amazon rainforest

–>

Here’s an article in the Washington Post about our campaign against Amazon destruction through soy plantations. Some of you may remember us locking horns with McDonald’s in the “McAmazon” campaign; this is a nice glimpse of what was going on…  Read more »

 

Amazon soya campaign wins BBC food gong

<!–

Amazon soya campaign wins BBC food gong

–>

Usually, winning a campaign is good enough in itself but winning an award on top of that has to be the cherry on the cake. Or, in this case, the sesame seeds on top of a squishy white bun…. Read more »

 

Cyberactivists help save Amazon Rainforest

<!–

Cyberactivists help save Amazon Rainforest

–>

After a lot of pressure from Greenpeace supporters who sent e.mails and letters, McDonald’s has decided not use to chickens that have been fed on soy grown in the deforested areas of the Amazon rainforest. Well this is really… Read more »

 

KFC = Klearing Forest for Chickens

<!–

KFC = Klearing Forest for Chickens

–>

As we revealed in early April, McDonald’s have been implicated in the clearance of the Amazon rainforest to grow soya for animal feed and, thanks to the thousands of emails and letters you sent, they’re talking to us about… Read more »

 

Amazonia is burning for our food

<!–

Amazonia is burning for our food

–>

© Greenpeace / Andreas Varnhorn 28 May 2006, Frankfurt, Germany “Amazonia is burning for our food”. 300 Greenpeace activists covering 2000 trees with flame posters to demonstrate against destructive logging for soya plantations in the Brazilian Amazon area…. Read more »

 via Greenpeace Weblog

29-3-07aloaloamazonia.jpg

via Corrêa Neto

Documentário produzido no Amapá mostra o cotidiano de quem mora nas regiões mais afastadas, que têm como principal meio de comunicação um programa de radio que existe há quase 60 anos.

Desde a sua estréia, o Programa Alô, Alô Amazônia, levado ao ar diariamente pela Rádio Difusora de Macapá, funciona como um elo entre os moradores das regiões ribeirinhas — onde o rádio é o principal meio de comunicação — e quem mora em Macapá, a capital do Amapá.

Os moradores do interior do Amapá e os municípios marajoaras de Breves e Chaves têm um compromisso inadiável todas as tardes com o programa, que é um dos mais antigos do rádio amapaense e se tornou uma espécie de pombo-correio eletrônico.

É a voz do interior retratada em mensagens de todos os tipos: são recados de saudade, notas de falecimento, cobranças, felicitações de aniversário, além de outras facetas do cotidiano ribeirinho. São mensagens por vezes íntimas, pessoais, que em boa parte, só se tornam públicas pela necessidade de comunicação.

É esta voz do interior que está sendo levada para as telas por meio do documentário “Alô, Alô Amazônia”, dirigido por Gavin Andrews, que conta com festa de lançamento no Teatro das Bacabeiras, dia 16 de março as 19h30. O projeto é o representante amapaense da terceira edição do Doctv e mostrará histórias curiosas de quem mora nas comunidades ribeirinhas, isoladas e de difícil acesso, tendo como pano de fundo as mensagens divulgadas pelo programa de rádio.

“Seja para anunciar a chegada de um familiar ao seu vilarejo ou convidar a vizinhança para a festa da padroeira local, o programa tem o papel fundamental de unir as pessoas mais distantes da região”, afirma Andrews. Para o diretor, as filmagens do longa-metragem funcionaram como uma espécie de viagem de descoberta dos hábitos, cultura, cotidiano e, em especial, das dificuldades enfrentadas diariamente pelo povo ribeirinho. No rio Canivete em Breves/PA, por exemplo, a equipe ouviu o relato de uma criança atingida por paralisia infantil, ainda este ano; a vacina não havia chegado.

Mas o filme não é um documento denúncia. “Fomos atrás de mensagens as vezes curiosas, outras vezes aparentemente banais, e contamos muito com o fator surpresa. Cada viagem, cada personagem que a gente encontrava dava sempre uma nova direção para o filme, uma nova visão de como perceber o cotidiano tão peculiar do caboclo”, conta o cineasta. O filme, registrado em vídeo de alta definição, captou momentos do dia a dia, festas religiosas e profanas, histórias de saudades ou de um ente querido que não dá notícias há muito tempo, a forma de lidar com a distância e o isolamento. A grande surpresa foi o surgimento, em diversos momentos, de mensagens de consciência e otimismo pelo futuro da Amazônia.

Este é o segundo documentário realizado no Amapá com os incentivos do programa Doctv. O filme estreia em cadeia nacional no TV Cultura dia 1 de abril as 23h00, e entra em cartaz no Cine Líbero Luxardo em Belém dias 6-8 de abril, com lançamento dia 30 de março as 18:00h.
Vejam o Trailer:

Informações: filmes@castanha.org
(96) 9114-3456
http://www.castanha.org

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 26 outros seguidores