Crónicas e Narrativas


Whether I am called a Doctor, Shaman, White Witch, Herbalist, or Phytochemist, I have been involved with herbal medicine and natural healing modalities for about 15 years now. Many people who meet me want to know how I came to be who I am and to do what I do. I am not totally sure myself how I evolved from an aggressive conventional business woman and entrepreneur to the “White Witch of the Amazon” but I do know somehow that it was a journey that I was supposed to undertake.

Shamanism is a religion in the broadest sense. It’s practice is shared by all indigenous peoples with an underlying cosmography that cuts across through local customs, labeling systems and manifestations peculiar to regional biota. Even today, when long in retreat from the relentless onslaught of western rationalism and insensate technology, shamanism survives in native cultures on all of the planet’s inhabited continents.

The divergence of western religions from shamanism lies in the concepts of humans as the exclusive possessors of spiritual souls and in humankind as the lone interpreter of ordinary and extraordinary realities. Shamanic peoples are neither so audacious nor, perhaps so foolish. In shamanism, all of existence is viewed as highly integrated and connected. When a tree falls in the forest, a star falls from the sky. Maybe more importantly, literally everything that exists has a soul – without division into organic and inorganic. There is no hierarchical structuring of consciousness with humans resting comfortably at the top and rocks and trees at the bottom. They recognize and respect all forms of life as soulful living beings – even a rock and even a tree. Maybe if we learned this one lesson, conservation of our forests, wildlife, and natural resources would become the standard and the rule and not so difficult after all.

The role of the shaman rises out of a recognition, seemingly long lost to modern humankind, of humanity as disruption. In making its way, humankind is killing for food, clothing and shelter, thereby bringing disorder where there was none. To the shaman falls the task of righting the wrongs, appeasing the offended, of repairing the harm his/her people bring upon themselves through both unavoidable as well as intemperate and disrespectful action. In considering the shaman as healer, as restorer of balance, it is not farfetched to think of him/her as an environmentalist or even as an ecologist of the group psyche.

The impetus into natural healing for me came when I got cancer in my mid-twenties. I survived acute myceoblastic leukemia through alternative and herbal medicine when the conventional doctors said it wasn’t possible. I have studied and practiced alternative medicine since that time yet, for a long time it was a hobby or second to the conventional businesses I owned. Then in 1989, I sold my companies, bought a large ranch outside of Austin, Texas and took a vacation to Africa. Those events re-connected me to the land, nature, wildlife, and inner spirit that I was just too busy to notice or was ignoring or avoiding before. I planted large organic vegetable and medicinal herb gardens, worked the soil, and raised a large menagerie of eclectic animals and teenaged boys. I only had one teenaged son myself, but most times provided a meal, bed or understanding ear for at least 6 teenagers just about all the time. In a short time, I became notorious in this conventional rural community as the “weird woman” with the weird animals that didn’t act like animals and the weird gardens that grew weird things, where all the kids hung out. But the locals, spooked though they were, still came with their kids and animals to get the “weird herbal cures” that I freely shared with any who asked or needed it.

I then started a small company there on the ranch which researched and disseminated information to cancer patients about alternative treatments being used outside the US. The internet at that point was mostly government and university computer main frames tied together, and I ended up laying over 8 miles of telephone cable just to get online (and off the rural party lines) to do this international research and share it with cancer patients who had not a clue what “internet” even meant. Many times, my company would help patients access treatments and medicines not available here and everything was done for whatever the actual costs were.

This research led me to a herbal treatment being used in Europe for cancer and AIDS patients with some success. It was a vine found in the rainforests in Peru and a drug was made in Austria using the imported bark. So, I got on a plane to Austria to check it out. I was impressed with the results and so I got on a plane to Peru when I found that the drug made in Europe was too expensive and that it could be made available here as a natural product or supplement rather than an “unapproved drug” much more cheaply. That was my first trip into the rainforest almost 5 years ago and it changed yet again the course and focus of my life. Not only did I find this vine called Cat’s Claw growing in the rainforest, I found a wealth of medicinal plants growing in an incredible environment that were more effective than any I’ve seen. I fell in love with the wildness of the jungles, the innocence and spirit of the native peoples, the vast and varied cultures, and the spirit, energy and power of the rainforest. I knew somehow that I was supposed to do something there to help preserve this incredible place from the destruction that I saw even on my first trip into the rainforest.

That was the birth of the companies I set up to make available Cat’s Claw and the other plants I was introduced to. I have owed seven companies before these, and this is the only company that I haven’t had to push and make happen. From the inception of it, I have been furiously running behind this business trying to keep up with an entity that seems to have a life and direction of its own.

My ongoing research on medicinal plants takes me into the heart of the rainforest, working side by side with indigenous tribal shamans and medicine men, rural village herbalists and “doctors” called curanderos, as well as North and South American herbalists, phytochemists and universities. As a board certified Naturopathic physician, I have a small Austin practice and enjoy working on the many hard cases that get referred to me who have exhausted all others and are willing to try some weird jungle herbs for thier cure. After five years, I now harvest and import over 100 important rainforest medicinal plants from my humble beginnings with one plant called Cat’s Claw. Traveling through the remote areas of the Amazon where medicines, hospitals and doctors are virtually non-existent has brought an opportunity to learn as a practitioner how to treat illnesses and diseases that I would never encounter here… like malaria, yellow fever, typhoid, and leprosy, just to name a few. As a practitioner or healer in the jungle, I am called “JaguarWoman” White Witch, Shaman, “Pacchumama” (Earthmother), or Curandera (Healer) by the remote villages and tribes I visit and work with. I use their ancient knowledge of their plants and combine it with western research and science, so my “potions” are different yet familiar to their shamans and healers. It’s quite a life and I am having a wonderful time!

“What i am trying to say is hard to tell and hard to understand… unless, unless… you have been yourself at the edge of the Deep Canyon and have come back unharmed. Maybe it all depends on something within yourself – whether you are trying to see the Watersnake or the sacred Cornflower, whether you go out to meet death or to Seek Life.”

“To the center of the world you have taken me Great Spirit and showed me the goodness and the beauty and the strangeness of the greening earth, the only mother – and there the spirit shapes of things, as they should be, you have shown me and I have seen.”

Susan Seddon Boulet

publicado em 08/06/2007

Marcílio de Freitas
Diretor do Centro de Estudos Superiores do Trópico Úmido da Universidade do Estado do Amazonas; mafreitas@uea.edu.br

As representações simbólicas e materiais que movimentam o processo de produção e reprodução da vida no Estado do Amazonas constituem uma referência emblemática para o Brasil e o mundo.

Destaque para suas características sócio-ecológicas: formado por 62 municípios, é a unidade federativa com a maior reserva florestal do planeta; possui uma área territorial de cerca de 1.500.000 km2 (150.000.000 hectares); cerca de 10% de toda reserva florestal dos trópicos úmidos do planeta, distribuída ao longo de mais de 96% desta superfície, com um estoque de biomassa de cerca de 67.500.000.000 toneladas contendo um estoque de carbono equivalente a 33 bilhões e 750 milhões de toneladas (22,5 quilos por m2). Possui ainda: um pouco mais de 3 milhões de habitantes; 67 povos indígenas com culturas próprias; cerca de 25.000 quilômetros de rios navegáveis; e uma rica biodiversidade – em 1997 Antony constatou que os solos do Arquipélago de Anavilhanas – situado no município de Novo Airão – possuem uma população de 116.409 indivíduos numa camada com área superficial de 1m2 e com 10cm de profundidade (Antony, 1997).

As florestas do Estado do Amazonas ocupam um papel relevante no processo de estabilização termodinâmica do planeta, ao retirar anualmente da atmosfera terrestre, no mínimo, uma quantidade total média de carbono de cerca de 150 milhões de toneladas (100 gramas por m2 por ano), contribuindo para o resfriamento da terra e reafirmando a importância deste Estado no processo de minimização dos impactos das variações climáticas do planeta (a fauna que compõe as florestas do Estado do Amazonas retira para efeito fotossintético, por ano, esta quantidade de carbono da atmosfera terrestre transformando-a em madeira, tronco, galhos, raízes e folhas). É importante ressaltar que o carbono retirado da atmosfera terrestre pelas florestas do Amazonas corresponde a cerca de 2% do total do carbono emitido e estocado por ano na atmosfera terrestre; isto é: de cada 100 quilos de carbono que é, efetivamente, estocado anualmente na atmosfera terrestre devido às emissões mundiais, os biomas do Amazonas retiram, anualmente, cerca de 2 quilos.

Antecipando-se aos desdobramentos políticos dos Relatórios do IPCC que projetam um futuro ecológico trágico para o planeta, Eduardo Braga – Governador do Estado do Amazonas – assinou o Decreto No. 26.561 em 25 de abril de 2007, que estabelece uma Política Pública Estadual de Variações Climáticas para este Estado, articulada com uma proposta de desenvolvimento econômico, humano e solidário centrada no paradigma da sustentabilidade e integrada ás culturas regionais. Nesta quinta-feira, 31/05/2007, a Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas discute em audiência pública 02 projetos de lei – complementar e ordinária- encaminhados pelo Governador Eduardo Braga e voltados á institucionalização de uma Política Estadual sobre Mudanças Climáticas, Conservação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Amazonas Em Tempo, p. A8; 31/05/2007).  Com esta iniciativa histórica, o Governador rompe com uma tradição política centenária de se impor e implantar na região modelos econômicos dissociados de nossa realidade sócio-cultural.

Ao propor uma matriz de desenvolvimento concebida na Amazônia e alicerçada na preservação das arquiteturas e das estruturas mecânicas dos biomas amazônicos, e que se materializa através da renumeração ao Amazonas pelos serviços ambientais prestados por estes biomas ao mundo, o Governador cria novas perspectivas econômicas e sociais para a melhoria de qualidade de vida das populações regionais. Seqüestro e crédito de carbono, inventários e manejo-agroflorestal, monitoramento contínuo dos biomas amazônicos; criação e humanização de novas reservas florestais, criação de sistemas de gestão, normatização e certificação dos processos de compensação de gases estufa no Estado; implantação de programas de formação de técnicos especializados em questões ambientais próprias de cada meso-região do Amazonas; desenvolvimento de plataformas de informação e de comunicação centradas na bioeconomia e na educação ambiental, implantação de programas de recuperação de áreas degradadas; mobilização dos atores sociais e econômicos; parceria com um consórcio de universidades e institutos de pesquisa regionais especializados em pesquisas avançadas sobre Amazônia e com experiência acumulada sobre modelamento dos ciclos biogeoquímicos na região; …; e a institucionalização de uma nova matriz ocupacional para o Amazonas, são dimensões técnicas deste importante programa governamental, um exemplo para o Brasil e para o mundo.

Nasce, no Estado do Amazonas, os princípios estruturantes para implantação das futuras plataformas tecnológicas, de natureza ecológica, de serviços ambientais que movimentarão os mega-processos econômicos da Amazônia no mercado mundial e que acelerarão a fusão das tecnologias hytec do Pólo Industrial de Manaus com os produtos e processos bio-florestais, com impactos na matriz produtiva brasileira e com grande conectividade com o mercado internacional.

A ampliação desta iniciativa para toda Amazônia legal é uma possibilidade factível, considerando a potencialidade e as características dessa região. A Amazônia legal é formada pelos estados do Amazonas, Acre, Pará, Amapá, Roraima, Rondônia, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso e possui 11.248 quilômetros de fronteiras internacionais com 7 países: Peru, Bolívia, Colômbia, Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa; 3/5 do território brasileiro; um pouco mais de 3/5 da Amazônia pan-americana; 2/5 do continente sul-americano; 1/20 da superfície terrestre; 3/1000 da população mundial; 1/5 da disponibilidade mundial de água doce (Corrêa da Silva, 2001); 50% do potencial hidrelétrico do Brasil; 12 milhões de hectares de várzeas; cerca de 75.000 quilômetros de rios navegáveis; 1/3 da floresta latifoliada mundial; 1/10 da biota universal; 163 povos indígenas que correspondem a 204 mil pessoas (60% dos índios brasileiros); 250 línguas faladas em toda a Amazônia panamericana, das quais 140 na Amazônia brasileira.

A biodiversidade da região impõe a sua presença na geopolítica mundial: A Amazônia possui cerca de 28% das florestas tropicais mundiais; 18 a 20% dos recursos hídricos mundiais, e cerca de 1/3 de toda a biodiversidade do planeta; Em levantamento fitogenético realizado numa área de 100km2 da Reserva Ducke constatou-se a existência de: 1200 espécies de árvores e de 5000 indivíduos, das quais cerca de 300 espécies de árvores com mais de 10cm de Diâmetro a Altura do Peito (DAP) em cada hectare de floresta, valor superior ao número total de espécies existentes em toda a Europa; Antony em 1997 constatou que nos solos do Arquipélago de Anavilhanas, tem-se uma população de 116.409 indivíduos numa camada de 0-10cm de profundidade; No período de 1995-2000, 97% dos registros de patentes feitos no Brasil foram de estrangeiros sobre produtos de biodiversidade; a floresta amazônica possui em torno de 350 toneladas de biomassa por hectare; a floresta de platô amazônica produz cerca de 7,5 toneladas de detritos vegetais por hectare por ano; Dados mais recentes (2004) sobre o inventário da biodiversidade brasileira, comprovam que a Amazônia possui: 427 espécies de anfíbios (o equivalente a 71% do Brasil e a 10% do mundo); 3.000 espécies de peixes (o equivalente a 50% das Américas do Sul e Central e a 23% do mundo); 378 espécies de répteis (o equivalente a 81% do Brasil e a 6% do mundo); 4.000 espécies de plantas superiores com sementes (o equivalente a 93% do Brasil e a 17% do mundo);  427 espécies de mamíferos (o equivalente a 81% do Brasil e a 9% do mundo); 1.294 espécies de aves (o equivalente a 77% do Brasil e a 13% do mundo).

O clima e o desmatamento na região, também, têm impacto global: a energia solar incidente na região amazônica é de 400 calorias/cm2 x s. Entre 80 a 90% desta energia é utilizada para o processo de evapotranspiração e de 10 a 20% para o aquecimento do ar (calor sensível); há dias que a temperatura aumenta de até 30 graus para alturas de 10km acima do solo; na floresta de terra firme o vapor é devido a transpiração (70%) e ao processo de evaporação da chuva interceptada pela cobertura vegetal e pela liteira (30%). Dados do IBAMA demonstram que: até 1970 somente 1% da região tinha sido desmatada; a área desmatada na Amazônia em 1990 foi de 13.800km2; no período de 1998-1999 o desmatamento atingiu  66.610km2, e entre 1970 e 1990 o desmatamento totalizou um percentual de 15% (75 milhões de hectares), área maior que o território francês (551.500km2), ou o alemão (356.910km2) ou o Reino Unido (244.000km2).

Ao contrário de outras regiões da Amazônia e do Brasil, as taxas de desmatamento no Estado do Amazonas são muito menores. No período 1990-2004, o Estado do Amazonas desmatou, em média, 0,05% (860 km2/ano) de seu território ao ano. As projeções médias para a Amazônia brasileira indicam uma taxa 07 vezes superior, 0,35% ao ano (18.184 km2/ano) (Inpe/Prodes, 2005, In: Viana, 2006). Este cenário de preservação ambiental no Amazonas resulta de diversas ações estaduais e federais na região, com destaque às políticas de desenvolvimento econômico e humano assentada no princípio de sustentabilidade econômica, social e ecológica implantada pelo atual Governador deste importante Estado brasileiro. As áreas protegidas deste Estado somam, atualmente, cerca de 78.775.133,107 hectares de florestas do trópico úmido, distribuídas entre unidades de conservação federal, unidades de conservação estadual e terras indígenas, correspondentes a cerca de 52% do território total deste Estado (dados da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Amazonas, 2006); áreas que têm se ampliado com a criação de novas reservas estaduais.

É um patrimônio do povo brasileiro que tem exigido alto investimento do Estado do Amazonas para sua conservação e integridade ecológica com inclusão social e geração de renda, e que demanda maior participação financeira do governo federal e de parceiros internacionais envolvidos com a conservação do planeta. Ações que precisam ser incorporadas às políticas públicas do Estado do Amazonas e direcionadas para a melhoria da qualidade de vida das populações regionais em forma sustentável.
O IPCC (2007) afirma que cerca de 20 a 22% (1,0 a 1,2 bilhão de toneladas) das emissões globais efetivas de carbono estocadas na atmosfera terrestre são originadas de queimadas e dos usos do solo. Os especialistas identificam a Amazônia pan-americana, a África central, e o sudeste da Ásia como as regiões que lideram estas emissões; equivocadamente e na mesma proporção de seus interesses, consideram as taxas de desmatamento da Amazônia como cenário de referência para o Estado do Amazonas, confundindo e comprometendo a dinâmica dos processos sócio-econômicos em curso neste Estado.

Desde 2002, o governo deste Estado tem construído inúmeras iniciativas centradas na melhoria de qualidade de vida das populações endógenas e no compromisso com a preservação e conservação ecológica da região. Destaque para as Políticas Florestais nas Unidades de Conservação Públicas e Privadas tendo como foco central: a conservação florestal, os sistemas agroflorestais, as plantações florestais e o manejo florestal. Ênfase para a manutenção da estabilidade dos ciclos biogeoquímicos, em especial o ciclo do carbono (fixação de carbono), ciclo hidrológico (conservação e uso social da água), ciclo do nitrogênio (processos de ciclagem e reciclagem); usos e conservação da biodiversidade e das estruturas mecânicas, arquiteturas e belezas cênicas dos biomas amazônicos. Ações que se encontram articuladas com vários programas de pesquisa centrados em demandas regionais e mundiais, como: populações e ecossistemas e amazônicos, e, física e química e modelagem atmosférica tropical; dinâmica da biomassa vegetal e planejamento da conservação dos ecossistemas; dinâmica e efeitos das mudanças de uso da terra na Amazônia; variações climáticas e emissões de gases traços na Amazônia, tecnologias aplicadas aos trópicos úmidos, e, processos de interação biosfera-atmosfera (Freitas, 2003; Manzi et al., 2006), dentre outros; ampla parcela deles fomentados pela Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Amazonas.

Educação superior, ciência e tecnologia têm sido utilizados no Estado do Amazonas, também, para dar concretude técnica e política á noção de sustentabilidade; o governador Eduardo Braga concebe e constrói um projeto político assentado numa revolução científica e tecnológica que incorpora as inovações tecnológicas contemporâneas integrando-as ás complexas características sócio-ecológicas da região e direcionando-o para o bem estar das populações regionais. Saúde, educação, habitação, transporte, …, e economia sustentáveis constituem dimensões deste empreendimento político.

Portanto, a preservação ambiental no Estado do Amazonas constitui um processo construído pelo Estado e seus municípios, principalmente, pela suas populações originárias que secularmente resistiram à implantação dos grandes projetos predatórios na região, empreendimento que assegurou ao Estado do Amazonas a posição de principal sorvedouro terrestre mundial de dióxido de carbono com uma contribuição importante para o resfriamento do planeta. Importância que se reafirma à medida que a matriz industrial deste Estado é de natureza não-poluente, á exceção de sua pequena frota automobilística que conta com pouco mais de 320 mil carros movidos à combustível fóssil em uma malha rodoviária, majoritariamente, restrita aos centros urbanos de seus 62 municípios (dados de 2005, citação in: Proposta da SDS/AM, junho de 2006).

O Pólo Industrial de Manaus (PIM) com mais de 500 indústrias, nacionais e transnacionais, e de abrangência em toda Amazônia ocidental, constitui, atualmente, uma matriz científica e tecnológica sofisticada. Também, de natureza não-poluente, este Pólo gera mais de 105 mil empregos diretos (dados do final de 2005) e encontra-se em pleno processo de expansão física e econômica.

Os principais focos do PIM são as indústrias elétrico-eletrônica, informática, automotora (duas rodas), alimentação e fito-fármacos com uma pauta de exportação que atinge mais de 30 países.

Diversos empreendimentos petroquímicos encontram-se em processo de implantação neste Pólo com impactos na mudança de toda matriz energética da Amazônia ocidental. Destaque especial para os processos de formação, organização, implantação e desenvolvimento de empreendimentos associados à construção de uma matriz biotecnológica acoplada á bioindústria em pleno processo de expansão nesta região.
O faturamento global do PIM superou o montante de US$ 18 bilhões em 2005 (Amazonas em Tempo, 05.01.2006, p. A7), com um crescimento em cerca de 33% em comparação a 2004 quando o faturamento foi de US$ 13,9 bilhões, atingindo pouco mais de US$22 bilhões durante 2006.

O Estado do Amazonas possui atualmente mais de 27 instituições de ensino superior, públicas e privadas, com uma população universitária que ultrapassa 100 mil alunos universitários e em um acelerado processo de institucionalização de programas de pós-graduação. Ações centradas nas características culturais e ecológicas da região e também voltadas para a construção de modelos de desenvolvimento integrados e compatíveis com a importância de sua inserção geopolítica, em âmbito nacional e internacional.

O macro-cenário referente ao desenvolvimento econômico e humano com preservação ambiental do Estado do Amazonas, representa enorme esforço e custo sócio-econômico para as comunidades endógenas e para o poder público; empreendimento que precisa ser compartilhado economicamente entre todos aqueles que usufruem dos benefícios dos serviços ambientais gerados pelos biomas amazônicos, da escala regional à planetária (idem, Proposta da SDS/AM, junho de 2006).

A abrangência deste empreendimento abarca questões do tipo: Como se dará a colaboração internacional no Estado do Amazonas nesta Era de sustentabilidade? Como conciliar a preservação ecológica da Amazônia com os interesses de suas populações? Qual é o grau de importância da Amazônia para os processos ecológicos mundiais? Como operacionalizar estratégias políticas que impeçam que o processo de naturalização dos processos sociais destrua as culturas nativas da Amazônia? Como articular os modelos de desenvolvimento sustentável em curso no Estado do Amazonas com os interesses de um mercado nacional e internacional não-sustentável, tendo como eixo central a melhoria de qualidade de vida de suas populações? Estas são questões complexas de interesse regional, nacional e mundial que precisam ser resolvidas em curto prazo.

A reafirmação técnica pelo IPCC, de tendência de desestabilização ecológica do planeta com conseqüências imprevisíveis no processo de perenização da espécie humana no planeta, põe elementos novos aos fundamentos do processo civilizatório mundial. A conclusão final destes especialistas das ciências da natureza, ao remeterem às soluções do problema de desestabilização termodinâmica do planeta para a instância política coloca novas possibilidades e responsabilidades para os (as): políticos, empresários, cientistas; formuladores e gestores de políticas públicas; matrizes dos processos educacionais, em todos os níveis, do pré-escolar aos estudos avançados; formadores de opinião; e, principalmente, para o cidadão comum.

A questão-central posta pelos especialistas no IPCC resume-se à seguinte indagação: O sistema climático terrestre continua se aquecendo? Quais são as conseqüências sócio-econômicas desta constatação?

Estas são questões que articulam interesses locais e planetários e que se desdobram na necessidade de reinvenção e reconstrução dos modelos de desenvolvimento econômico, alicerçados em outras matrizes industriais e energéticas e comprometidos com um estilo de vida mais solidário e menos consumista.

Estes mesmos especialistas [do IPCC] relatam que, sob o ponto de vista científico, ainda não existem respostas definitivas sobre a taxa de aquecimento terrestre nem sobre o desdobramento deste efeito em nossas vidas durante o século 21; entretanto alertam sobre a gravidade desta questão ecológica que enquanto tendência põe em risco a perenidade da espécie humana no planeta e que envolve mecanismos complexos e decisões de caráter eminentemente políticas. Os registros e os alertas do IPCC constituem uma memória histórica e uma referência emblemática sobre a necessidade e nos modelos de desenvolvimento econômico em curso.

Os processos de modelagem e controle analítico e empírico do IPCC apresentam diversos indicadores de tendência de desestabilização climática do planeta, com destaque para: crescimento do estoque de gases-traço na atmosfera, em especial do dióxido de carbono, do metano e dos óxidos de nitrogênio, intensificando o efeito estufa; a fusão das camadas de neve em superfícies terrestres e do gelo das calotas polares, com o aumento e crescimento do número de lagos glaciais; a elevação dos níveis médios dos oceanos em cerca de 17cm no século 20; e, mudanças nos padrões de vários fenômenos e ciclos da natureza. Enfatizam também as possibilidades reais de variações nos índices pluviométricos, nos graus de salinidade e de acidez (prevê-se uma diminuição de 0,14 a 0,35 unidades no pH) dos oceanos, nas cadeias da flora e da fauna dos oceanos, na intensidade de ciclones e tornados tropicais, nos padrões de vento e de circulação atmosféricas, dentre outras secundárias.

O IPCC ressalta que as projeções analíticas dos modelos meteorológicos indicam que: uma duplicação de concentração de CO2 resultará num, provável, aumento de 3 0C e não menos que 1,5 0C; a eliminação completa da lâmina de gelo da Groelândia resultará numa elevação do nível do mar em 7 metros; o aquecimento planetário tende a reduzir a captura e/ou o seqüestro de CO2 aumentando o estoque deste composto na atmosfera e, portanto, retro-alimentando e agravando o efeito-estufa; possibilidade de aumento de freqüência de eventos climáticos extremos, noites e dias mais quentes e frios; chuvas mais intensas, ciclones e tornados tropicais mais intensos.

As projeções também indicam que a emissão anual de carbono fóssil aumentou de uma média de 6,4 GtC/ano (1 GtC = 1 Giga-tonelada de Carbono = 1 bilhão de toneladas de Carbono)  na década de 1990 para 7,2 GtC/ano no período de 2000-2005, sendo que 97% do CO2 emitido pelos países ocidentais industrializados é proveniente da queima de combustíveis fósseis, para atender as necessidades sociais de 25% da população mundial dessas nações que consume cerca de 80% da energia produzida no planeta (dados da década de 90) e cerca de 86% do consumo privado total do planeta.

E com um agravante: as concentrações de outros gases-estufa crescem rapidamente na atmosfera terrestre. Os principais gases-estufa são o(s): CO2 (CO2 – 50%; queima de combustíveis fósseis), CH4 (CH4 – 15%; processos agrícolas e uso de combustíveis fósseis), vapor de água (10%), ozônio (O3 – 9%), clorofluorcarbonetos (CFCs – 8%; sistemas de refrigeração e de aerossóis – sprays), N2O  (N2O – 6%; mais de 1/3 de todas as emissões é de origem agrícola) dentre outros de menor relevância.

Os registros também mostram que, majoritariamente, as principais fontes primárias de emissões de carbono de distribuem através de: 1) uso de combustíveis fósseis (carvão, gás, gasolina e óleo) – com uma contribuição em cerca de 5,8-6,0 bilhões de toneladas carbono – destinado ao aquecimento residencial e setor de serviços (15%); transporte (27%); energia industrial em geral (57%) e outros (1%); 2) uso da terra (desmatamento, derrubada de florestas, setor agropecuário) com uma contribuição em cerca de 1,2-1,6 bilhão de tonelada de carbono. O IPCC afirma que ainda existe uma grande incerteza nesta última estimativa que corresponde cerca de 20-22% da emissão total de carbono.

Os registros confirmam que os países que mais contribuem para o aquecimento do planeta são: Estados Unidos (27%); Federação Russa (13%); Japão (6,4%); e, Alemanha (5,5 %) (dados de 1999), o que mostra a correlação entre os maiores Produtos Internos Brutos (PIB’s) mundiais e a quantidade de carbono emitido e estocado na atmosfera terrestre,[1] pondo responsabilidades e compromissos diferenciados para esses países.

O IPCC expõe também diversas dificuldades técnicas que contribuem para o grau de incerteza nos experimentos e medidas do ciclo de carbono. Destaque para: observar, avaliar e simular variações climáticas em pequenas escalas, nestas dimensões a variabilidade climática pode ser maior que a provocada por agentes externos, o que dificulta sua identificação e caracterização; dificuldade de precisão analítica e instrumental dificultando as medidas mais sensíveis; dificuldade adicional em construir e projetar taxas de emissões seguras, exatas considerando que estes fatores dependem de políticas públicas e de compromissos políticos nacionais e internacionais; ampliar parcerias interinstitucionais para construir bancos de dados, sistemas de observações e  monitoramento, construir políticas públicas apropriadas, plataformas tecnológicas e redes científicas locais, regionais, nacionais e internacionais; construir estratégias para revitalizar as áreas mais vulneráveis.

Dificuldade também em se construir um diálogo e em se estabelecer mecanismos operacionais focados na estabilização das emissões, com o setor produtivo, em especial com os grupos que controlam o setor energético.

O IPCC reafirma que a vulnerabilidade sócio-econômica futura de um país pode vir a depender dos impactos das variações climáticas, mas depende essencialmente do tipo de desenvolvimento que ele escolher; ele emblematiza o desenvolvimento sustentável reforçando a necessidade de se privilegiar as culturas regionais, o planejamento integrado, o uso da terra e dos ecossistemas integrado às potencialidades regionais e ao conhecimento tradicional, a implantação de mecanismos preventivos às  catástrofes naturais, a implantação de plataformas tecnológicas e cadeias científicas ancoradas em informações que privilegiem as dimensões humanas integradas aos processos da natureza, e o uso de múltiplas fontes energéticas.

Em forma tópica o IPCC sugere, como fator de inibição de emissões, uma drástica valoração dos comodities de carbono (em 2005 a tC foi estimada como valendo US$43 que corresponde a US$12 por tCO2). Estes valores seriam imediatamente elevados para US$350 por tC que corresponde a US$130 por tCO2. Em médio e longo prazo os cenários termodinâmicos projetados pelo IPCC reafirmam a necessidade de se criar uma nova matriz industrial.

Ainda segundo o IPCC, os diversos cenários de emissões de gases-traço previstos pelos modelos meteorológicos possuem várias características comuns, em especial a(o): elevação da temperatura da terra com grandes impactos na sócio-economia mundial, do local ao mundial; crescimento populacional até a metade do século 21, fortalecimento de modelos econômicos focados no desenvolvimento regional e/ou no privilegiamento de processos mundiais; forte incorporação de inovações científicas e tecnológicas aos processos produtivos privilegiando a busca de fontes de energia não-poluentes; construção de políticas de proteção ambiental ancoradas na noção de sustentabilidade sócio-econômica e ecológica; modificação de ciclos vitais para a manutenção da vida, ciclo hidrológico, ciclo de calor; e tendência à intensificação do processo de pauperização do mundo.

O IPCC também discrimina, ainda que em forma muito fragmentada, os cenários virtuais associados aos prováveis impactos do aquecimento planetário nos processos produtivos, nos continentes, nas regiões e nos ecossistemas.

Para uma elevação de temperatura de 1,5 – 2,5 0C prevê-se: a extinção de várias espécies vegetais e animais e modificações estruturantes na arquitetura, estrutura mecânica e dinâmica ecológica dos ecossistemas terrestres; impactos negativos na matriz agrícola regional e mundial afetando a cadeia alimentar, a disponibilidade dos produtos agro-florestais, a geografia e a dinâmica sócio-econômica das regiões localizadas nas costas e nas áreas-baixas, e também os sistemas de atendimento e prevenção de saúde pública.

O processo de aquecimento do planeta também põe a possibilidade factível de savanização dos biomas amazônicos, impactando diretamente 08 países que compõem a Amazônia panamericana e mais de 250 culturas endógenas diferentes pondo em risco a sobrevivência da maior floresta tropical úmida do planeta. O governo do Estado do Amazonas já mostrou que é possível administrar este importante estado brasileiro gerando renda com preservação ambiental e mitigando as fontes emissoras de gases-estufa.
O Estado do Amazonas, Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), Políticas Públicas na Amazônia e o Futuro do Planeta constituem dimensões políticas reais e simbólicas de uma gênesis que tem como missão a construção de estratégias, processos e estruturas voltadas para a perenidade humana no planeta e a melhoria de qualidade de vida dos cidadões.

Navegação e habitação nos trópicos, etnociências, doenças tropicais, matriz energética não-poluidora, definição de matrizes ocupacionais e preservação dos ecossistemas amazônicos, serviços ambientais; consolidação de redes meteorológicas, mudanças climáticas, monitoramento e segurança do território, recursos hídricos, recursos minerais, ciclos biogeoquímicos com ênfase aos ciclos hidrológico, de carbono, de nitrogênio e de fósforo, minerais essenciais, manejo florestal, fruticultura e psicultura, bioindústria, engenharia naval, dentre outros, constituem focos de interesse institucionais que se encontram na agenda científica em curso no Estado do Amazonas, e que já possuem resultados positivos que estão sendo incorporados, em diferentes intensidades, às Políticas Públicas.  A progressiva demanda e integração de setores produtivos associados à bioindústria, à biotecnologia e à bioinformática com o desenvolvimento de pesquisa avançada no campo da biologia molecular com as áreas de bioprospecção, biodiversidade e biomassa junto aos setores produtivos, caracterizados como plataformas tecnológicas de fitofármacos, fitoterápicos, fitocosméticos e alimentação (Silva Freitas, 2005, p. 18) pòe novos desafios e perspectivas positivas para a construção de um futuro mais justo e altero para os povos do Estado do Amazonas.

Referências bibliográficas

Amazonas Em Tempo, p. A8; 31/05/2007; Jornal de circulação regular no Estado do Amazonas.

Antony, L., M., K. (1997) Abundância e Distribuição Vertical da Fauna do Solo de Ecossistemas Amazônicos Naturais e Modificados; In: Projeto Bionte: Biomassa e Nutrientes Florestais-Relatório Final, pp. 249-255. MCT-INPA, Manaus, Brasil.

Corrêa da Silva, Marilene. “Metamorfoses da Amazônia”; Campinas, UNICAMP. Tese de Doutorado; 1997.

Corrêa da Silva, Marilene (2002) Metamorfoses da Amazônia, EDUA, Manaus.
Freitas, M.; Freitas Silva, M., C.; Barros, M. (2007) Diálogos com a Amazônia; Editora Valer, Manaus, AM. (em processo de editoração)

Freitas, M. (2006) Projeções estéticas da Amazônia: um olhar para o futuro; Editora Valer, Manaus.

Freitas, M. em colaboração com Castro Jr., W., E. (2004) Amazônia e desenvolvimento sustentável: um diálogo que todos brasileiros deveriam conhecer; Editora Vozes, Petrópolis, RJ.

Freitas, M.; Freitas, Corrêa da Silva, M.; Marmoz, L. (2003) A Ilusão da Sustentabilidade; EDUA, Manaus, AM.

IPCC (fevereiro de 2007), Climate Change 2007: The Physical Science Basis; Summary para Policymakers, Working Group I, Paris, França.

IPCC (abril de 2007), Working Group II Contribution to the Intergovernmental Panel on Climate Change Climate Change 2007: Climate Change Impacts, Adaptation and Vulnerability, Summary para Policymakers, Bruxelas, abril de 2007

Manzi, A., O. ; Luizão, F. (2006) Projeto de criação do Programa de Doutorado e Mestrado ‘Clima e Ambiente’ aprovado pela CAPES / MEC em 2006.

Unesco, (2005) Em direção às sociedades do saber, Unesco, Paris.

Viana, V. (2006) Proposta para Criação de um Programa para Redução de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) por Desmatamento e Prestação de Serviços Ambientais nos Municípios do Sul do Estado do Amazonas de autoria da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Amazonas, encaminhada ao CESTU em 26/07/2006.

——————————————————————————–
[1] O Brasil emite atualmente cerca de 70 milhões de toneladas de CO2 por ano (cerca de 1% das emissões mundiais), sem a inclusão das contribuições originadas de queimadas (dados de 2005).

foto_col_5589.jpg  Para cada pessoa viver, é necessário uma pegada ecológica média geral (2,8 hectares). Mas Europa, EUA, Japão, Índia e China vivem muito acima daquilo que lhes é permitido por seus recursos ecológicos, com uma pegada que chega a 600%. O Planeta suportará?

Quanto aguenta a Terra em sua generosidade ao nos forncecer todas as
condições para que possamos viver, nos reproduzir e coevoluir? Não só nós
mas toda a comunidade de vida que vai das bactérias aos vegetais e animais?

Ela é um planeta pequeno, finito em seus recursos e já velho. Temos que
viver dentro das capacidades de fornecimento e de reposição, próprios da
Terra e não ao nosso bel prazer. A espécie homo sapiens/demens ocupou 83% do planeta e consumiu excessivamente a ponto de a Terra já ter ultrapassado em 25% sua capacidade de recarga. A seguir esta lógica, o planeta quebra como qualquer empresa que gasta mais do que ganha.

Como todos extraem da Terra seus recursos para viver, quanto de chão cada um precisa para garantir sua sobrevivência? Quanto de terra produtiva, áre aflorestal, energia, habitação, água, mar, urbanização e capacidade de absorção dos dejetos cada pessoa necessita? A esse conjunto de fatores ecológicos e sociais se chama de pegada ecológica e social, expressão cunhada por Martin Rees e Mathis Wackernagel ao fazerem um estudo sobre o tema para o Conselho da Terra em 1977. Eles tomaram como referência de cálculo o número de hectares necessários para que cada um, cada cidade e cada pais possam viver de forma minimamente decente. O planeta dispõe de 10,8 bilhões de hectares produtivos que é menos que 25% de sua superfície.

Para cada pessoa viver fazem-se necessários pelo menos 2,8 hectares. Esta seria a pegada ecológica média geral.

Como 18% da humanidade consome 80% dos recursos vitais e os hábitos de consumo variam consoante as regiões e as culturas, varia também a
porcentagem de hectares per capita usados. Assim a Europa, os Estados
Unidos, o Japão, a Índia e a China vivem muito acima daquilo que lhes é
permitido por seus recursos ecológicos, com uma pegada que vai de 200% até 600% (é o caso do Japão) de sua biocapacidade nacional. Isto significa que se uma região se apropria de mais hectares para manter seu alto nível de consumo (Norte), a outra deverá forçosamente ocupar menos (Sul). Em outras palavras, o consumo alto de um pais ou região comporta um subconsumo baixo no outro. Por aí se entende a profunda falta de equidade na repartição dos bens e o caráter desigual de todo o processo de produção e consumo mundial.

A biocapacidade total do território brasileiro é de 18.615.000 pontos. A
pegada ecológico-social brasileira é de 2,6 hectares. Nossa biocapacidade
excede tanto a nossa demanda que o Brasil poderia ser a mesa posta para as fomes e as sedes do mundo inteiro. Mas nos paises notam-se profundas
diferenças. Enquanto um habitante de Bengladesh possui uma pegada de 0,5 hectares, a de uma norte-americano é de 9,6. Em outras palavras, se todos os habitantes da Terra tivessem o nível de consumo norte-americano,
precisaríamos de três Terras semelhantes a nossa para garantirmos os
recursos energéticos e materiais suficientes. Vivemos, pois, sem nenhuma
humanidade e solidariedade. Por isso esse modo de viver é totalmente
insustentável e pode levar ecologicamente a Terra a um colapso.

O ideal que a Carta da Terra propõe para todos é um “modo sustentável de
viver”: produzir em consonância com os sistemas vivos, contendo nossa
voracidade e dando tempo para que a Terra se regenere e continue a oferecer a nós e à comunidade de vida tudo o que todos precisam.

(*) Leonardo Boff é teólogo e escritor

Para além dos “velhos” países europeus que protagonizaram o colonialismo, a partilha do século XXI inclui os EUA, a China, países “emergentes” como e Brasil, Índia e mesmo um país africano, a África do Sul. A luta agora se centra no petróleo.

Tudo leva a crer que estejamos perante uma nova partilha de África. A do final do século XIX foi protagonizada pelos países europeus em busca de matérias-primas que sustentassem o desenvolvimento capitalista e tomou a forma de dominação colonial. A do início do século XXI tem um conjunto de protagonistas mais amplo e ocorre através de relações bilaterais entre países independentes. Para além dos “velhos” países europeus, a partilha inclui agora os EUA, a China, outros países “emergentes” (Índia, Brasil, Israel, etc.) e mesmo um país africano, a África do Sul. Mas a luta continua a ser por recursos naturais (desta vez, sobretudo petróleo) e continua a ser musculada, com componentes econômicos, diplomáticos e militares. Tragicamente, tal como antes, é bem possível que a grande maioria dos povos africanos pouco beneficie da exploração escandalosamente lucrativa dos seus recursos.

Os EUA importam hoje mais petróleo de África do que da Arábia Saudita e calcula-se que em 2015 25% venha do continente. Angola é já o segundo maior exportador africano para os EUA (depois da Nigéria). Por sua vez, a China faz vastíssimos investimentos em África, os maiores dos quais em Angola que, no ano passado, se tornou o maior fornecedor de petróleo à China. E o comércio bilateral entre os dois países ultrapassou os 5 bilhões de dólares. Entretanto, as empresas multinacionais sul-africanas expandem-se agressivamente no continente nas áreas da energia, telecomunicações, construção, comércio e turismo. Ao contrário do que se poderia esperar de um governo do Congresso Nacional Africano (ANC) de Nelson Mandela, não as move o pan-africanismo. Move-as o capitalismo neoliberal puro e duro, imitando bem as concorrentes do Norte.

A primeira partilha de África conduziu à Primeira Guerra Mundial e submeteu o continente a um colonialismo predador. E a atual? A luta agora se centra no petróleo e na distribuição dos rendimentos do petróleo. Uma visita breve a Luanda é suficiente para avaliar da vertigem da construção civil a cargo de empresas chinesas, portuguesas e brasileiras, da selva urbana do trânsito, dos luxuosos condomínios fechados, alugados às empresas petrolíferas, da lotação dos hotéis esgotada com meses de antecedência, enfim, da palavra “negócio” e “empresa” na boca de toda a gente que tem um veículo de tração às quatro rodas ou aspira tê-lo.

Nada disto chocaria, sobretudo num país só há trinta anos libertado do colonialismo, devastado por uma guerra fratricida fomentada pela África do Sul do apartheid e depois financiada pelos amigos de hoje até estes se convencerem de que a paz poderia ser um bom negócio, um país com carências abissais de infra-estruturas sem as quais não será possível qualquer desenvolvimento. O que choca é que, paredes meias com o mundo da renda petrolífera, viva a grande maioria da população de Luanda na mais abjeta miséria dos musseques em barracas de zinco e cartão, sem luz nem saneamento, pagando caro pela água potável, com lixeiras e esgotos pestilentos servindo de recreio às crianças cuja mortalidade é das mais altas do continente.

(*) Boaventura de Sousa Santos  é sociólogo e professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Portugal).

É crime contra a segurança nacional o vídeo da Arkhos Biotech defendendo a privatização da Amazônia. A pena: reclusão, de 4 a 20 anos, prevê a Lei 7.170/83
por CHICO ARAÚJO
Um crime contra a soberania nacional. É o que cometeram os dirigentes da Arkhos Biotechonology e os responsáveis pela produção de um vídeo de 1’25’’, postado no site da empresa, no qual é defendida abertamente a privatização da Amazônia brasileira. O crime é tipificado no artigo 9º, da Lei 7.170, de 14 de dezembro de 1983, que define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social. A pena: reclusão, de 4 a 20 anos.

No vídeo, o diretor sênior de marketing da Arkhos, Allen Perrell, incorre em vários crimes tipificados na Lei 7.170. O principal deles é contra o artigo 9º, que prevê reclusão de até 20 anos para quem “tentar submeter o território nacional, ou parte dele, ao domínio ou á soberania de outro país”. A atitude de Perrel se enquadra nessa norma quando diz, no vídeo, que a “Amazônia não pertence a nenhum país. Pertence ao mundo”. Ou seja, a peça publicitária não reconhece a autonomia do Brasil sobre a região amazônica, e ainda incita à pessoas à tentativa de submeter o território nacional ao domínio estrangeiro. Advogados consultados pela Agência Amazônia reconhecem que o crime se configura em várias partes do vídeo. De acordo com um deles, o atentado á soberania do Brasil fica claro quando Perrel apela: “ajudar-nos a comprar a Amazônia não é apenas uma ótima oportunidade de investimento. Pode ser a única maneira de salvar a floresta da extinção total”. Além do crime contra a soberania, o vídeo da Arkhos Biotechonology incite à pratica de estelionato, na medida que põe à venda uma patrimônio (a Amazônia, no caso) que não pertence à empresa. Outro fato grave levantado pelos advogados é o de a empresa afirmar estar localizada em território brasileiro. No site, a Arkhos diz que desenvolve atividades na região de Itacoatiara, no Amazonas. Nesse caso, a empresa e os autores do vídeo cometem crime previsto no artigo 10º da mesma lei, que é “aliciar indivíduos de outro país para invasão do território nacional”. Esse intento fica explicito quando Perrel, em tom dramático, afirma que a proteção privada da Amazônia deve ocorrer porque “os países (no caso o Brasil) que deveriam tomar conta dessas riquezas não estão à altura da tarefa”. A pena, nesse caso, varia de 3 a 10 anos de reclusão. O vídeo fere, também, o artigo 22 da lei, que proíbe a propaganda pública contra a ordem política e social. Esse fato é observado em vários trechos, principalmente quando diz que a Amazônia deve passar ao controle privado.

Conheça a Lei AQUI 

O vídeo da Arkhos vendendo a Amazônia rende polêmica. Publicações nacionais correm o risco de passar ao largo de uma postura criminosa e inaceitável
por MONTEZUMA CRUZ

BRASÍLIA – O vídeo da Arkhos Biotech vendendo a Amazônia rende polêmica na rede. Virou assunto de jornais, emissoras de rádio, blogs e sites. Seria diferente? Não. Contudo, alguns procuram minimizar uma reportagem e abafar o pronunciamento de respeitados parlamentares.

Algumas publicações do eixo Rio-São Paulo perguntam: falso ou verdadeiro? Correndo o risco de passar ao largo de uma postura criminosa, inaceitável, repugnante. Pode-se oferecer a presunção de inocência a quem estaria brincando com fogo, consciente de que traz prejuízos internos e externos ao País?

Um vídeo pernóstico e perigosíssimo, com ares de didático, está em cena no mesmo instante em que o site Amazônia para sempre faz circular o sempre meritório Movimento Amazônia Para Sempre, sem fins lucrativos e que coleta assinaturas eletrônicas para denunciar o desmatamento na região. No mesmo momento em que se estudam detalhadamente as águas do Xingu, com o uso de imagens de artistas e modelos. Na mesma hora em que ONGs ditas de conservação prospectam minérios e roubam insetos e plantas do território indígena. Na mesmíssima hora em que alguns governantes dilapidam o patrimônio regional, incluindo-se o rico subsolo mineral.

Mesmo que fosse uma arte de criança, não se aceita jogar a sujeira de um Arkhos para baixo do tapete, ou da lixeira cibernética. Por quê e para quê?

Paralelamente ao famigerado Arkhos, seja qual for a origem, o conteúdo e o feitio lingüístico do seu site, vemos situações positivas campeando nas caixas postais e nos monitores. O site Amazônia para sempre, autor de uma delas, tem repudiado a comemoração do “menor desmatamento da Floresta Amazônica dos últimos três anos: 17 mil quilômetros quadrados, quase a metade da Holanda”. “Quando se desmata 16%, isso equivalente a duas vezes a Alemanha e três vezes a área do Estado de São Paulo”, adverte o site.

Noticiar e opinar com seriedade são direitos inalienáveis de quem está na internet com boas intenções, acredita-se. E há bem intencionados, felizmente.

No entanto, assessores ministeriais sugerem à Agência Amazônia que se cale “para não espantar a lebre”.

O que choca não é o fato, mas a sua publicação.

O senador Arthur Virgílio está certo ao revelar o caso no Congresso, seja a empresa fictícia ou não. De outro lado, convida à reflexão este apelo, contido na página do laboratório em discussão: “Deixar a Amazônia nas mãos dos sul-americanos é condená-la à extinção rapidamente. Ao propiciar ao mundo a chance de intervir no destino da floresta, a humanidade pode estar dando o único passo possível para salvar a Amazônia”. Isso cheia a rapinagem em essência.

Há exemplos de preocupação na rede que merecem o reconhecimento público. Não fosse uma campanha bem feita pelo Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), o cupuaçu estaria hoje nas mãos da Asahi Foods, do Japão. Não houvessem as manifestações a respeito daquele dito mapa de uma “Amazônia Internacional, dividida” — entre os quais este escriba se inclui — também não se chegaria à origem daquela história. E fomos à raiz do dito cujo. A história, todos sabem.

O que a sociedade brasileira oferece em troca, pela manutenção desse patrimônio com biodiversidade incomparável e rica, com seres humanos incríveis, com uma fonte incalculável de riquezas minerais, petróleo e gás natural no subsolo e mais de 20% da disponibilidade de água doce do planeta? — perguntamos, lembrando o jornalista e poeta manaura Simão Pessoa.

Parodiemos Cecília Meirelles, não é isto, ou aquilo; mas isto e aquilo.

por Chico Bruno
publicado em 1ªHora – 29/03/2007

Navegando pela internet, deparei-me com o sítio da empresa Arkhos Biotech, que tem uma unidade instalada em Itacoatiara, no Amazonas, e se auto-intitula líder mundial na distribuição de sistemas concentrados extraídos de óleos de frutos tropicais e uma das maiores fabricantes do mundo de ativos vegetais para a indústria cosmética e farmacêutica. A empresa atua na Amazônia brasileira desde o final da década de 80 e se diz reconhecida internacionalmente por atuar norteada pelo conceito de desenvolvimento sustentável.

O xis da questão é que Arkhos Biotech lançou recentemente a campanha “Amazônia para todos”, inspirada, quem sabe, no slogan do governo Lula “Brasil para todos”, mas que vem a ser a defesa da internacionalização da Amazônia através da sua privatização.

A empresa diz que “a Amazônia vem sendo tratada como um problema pelos países que a administram quando, na verdade, ela representa a solução para os problemas do mundo.”

A Arkhos Biotech investe contra o Brasil, afirmando que “a Amazônia é um fardo difícil [para o Brasil] carregar – como demonstram sucessivamente as taxas de desmatamento da Amazônia brasileira. O Brasil sequer investe em pesquisa na Amazônia. Dos 0,65% do PIB brasileiro investido em pesquisa, apenas 2% são canalizados para a região Norte. Os institutos de pesquisa que surgiram nos últimos anos na Amazônia brasileira, a maioria ongs ou entidades sem fins lucrativos, são mantidos com dinheiro dos países desenvolvidos. Hoje, mais de dois terços da produção de conhecimentos sobre a Amazônia são originados em outros países. Além disso, 78% das pesquisas sobre a Amazônia são produzidas por pesquisadores estrangeiros. A internacionalização da Amazônia já é um fato consumado.”

A campanha encetada pela Arkhos é um acinte ao Brasil e aos demais países que abrigam a Floresta Amazônica.

Sem o mínimo pudor eles alegam que “não se trata de “tirar” do Brasil, Venezuela, Peru, Colômbia, Guianas, Suriname e Equador os direitos garantidos pelas fronteiras estabelecidas. Entretanto, parece óbvio que estes países já tiveram sua chance, e falharam. Deixar a Amazônia nas mãos dos sul-americanos é condená-la à extinção rapidamente. Ao propiciar ao mundo a chance de intervir no destino da floresta, a humanidade pode estar dando o único passo possível para salvar a Amazônia.”

Ao abrir a página da empresa na internet, a primeira mensagem tem o título “A Amazônia deve ser internacionalizada”. A campanha que está em curso é realizada às claras, não tem subterfúgios, pelo contrário tem um vídeo de 1’ 25” estrelado pelo diretor sênior de marketing Allen Perrell, no qual ele afirma de maneira incisiva: “A Amazônia não pertence a nenhum país. Pertence ao mundo.”

Até agora, o governo brasileiro não tomou nenhuma atitude contra esse flagrante abuso da empresa, apesar de ser cobrado pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), pela deputada federal Perpétua Almeida (PC do B-AC) e pela deputada Janete Capiberibe (PSB-AP).

Aliás, ao ser procurado pela Agência Amazônia de Notícias, que denunciou a aberração, o Ministério do Meio Ambiente, através da secretária da Coordenação da Amazônia, Muriel Saragoussi, insinuou que a agência de notícias teria errado ao denunciar a proposta nociva ao país da Arkhos. Sem muitos rodeios, Muriel propôs a agência de notícias deixar “o caso esfriar”, pois, segundo ela, esta seria a melhor forma de deixar a Polícia Federal flagrar a Arkhos.

De concreto, Muriel Saragoussi apenas informou que levaria a denúncia à PF, mas pediu que a Agência Amazônia não desse muita publicidade ao assunto.

A atitude de Muriel Saragoussi, que falou em nome do governo brasileiro, é no mínimo suspeita.

Afinal, uma empresa estrangeira, instalada há quase trinta anos no país, enceta uma campanha de internacionalização da Amazônia, nas barbas das autoridades brasileiras, e a única reação do governo é mandar a PF apurar.

Será que essa frouxidão é para não causar constrangimentos na visita que o presidente Lula vai fazer a Bush neste fim de semana?

Bata-me um abacate, com bastante limão e baunilha.

por Chico Bruno
publicado em 1ª Hora – 28/03/2007

É chato bater na mesma tecla, mas fazer o quê, quando se trata da Amazônia, esse pedaço imenso de Brasil esquecido pelo resto do País.

Enquanto o país não dedicar um olhar mais agudo para a Amazônia, ela vai continuar a ser uma espécie de Casa da Mãe Joana, onde uma minoria se locupleta, em detrimento aos amazônidas.

As maracutaias proliferam em todos os estados da região Norte.

Em Roraima, existem fortes acusações de ilicitudes sobre o senador Romero Jucá (PMDB), líder do governo no Senado. Infelizmente os processos andam a passo de jaboti. O senador anda lépido e faceiro pelos tapetes azuis do Senado, sem o menor constrangimento.

No Pará, com apenas três meses de mandato, a governadora Ana Júlia Carepa (PT), aliada do deputado Jader Barbalho (PMDB), protagonista dos maiores escândalos amazônicos, pratica o nepotismo, vai de jatinho da ORM Air Táxi Aéreo, de propriedade do principal executivo do grupo Liberal (jornais, rádios e TVs), Rômulo Maiorana Junior, a formatura de um filho em Belo Horizonte e nomeia a cabeleireira e a esteticista como assessoras especiais do palácio do Governo. Pelo visto, a arquiteta Ana Júlia está inebriada pelo poder.

No Amapá, parentes e amigos do governador Waldez Góes (PDT) e do senador Gilvam Borges (PMDB) estão envolvidos com a Máfia da Saúde, que fraudou licitações na Secretaria de Saúde, segundo apurou a Polícia Federal. Aliás, todos os secretários de Saúde nomeados por Waldez foram presos. Sebastião Bala, na Operação Pororoca, e Uilton Tavares e Abelardo Vaz, na Operação Antídoto.

Ainda, no Amapá, o prefeito de Macapá João Henrique (PT) passou vários dias preso na PF, responde a inquérito judicial, mas está no cargo, como se nada tivesse acontecido, inclusive elegeu sua mulher deputada federal.

Mas no Amapá, ainda, existe o assédio judicial à imprensa, denunciado, pela Federação Nacional dos Jornalistas, ao país essa semana. Jornalista que escreve o que os poderosos não gostam são processados.

No Amazonas, o senador Alfredo Nascimento (PR), às vésperas de reassumir o Ministério dos Transportes, é processado por vários crimes entre eleitorais e de improbidade administrativa.

Em Rondônia, o governador reeleito Ivo Cassol (PR), deputados estaduais e juízes protagonizaram cenas estarrecedoras exibidas em horário nobre da Rede Globo. Infelizmente estão todos lépidos e faceiros em seus cargos.

No Tocantins, o governador Marcelo Miranda (PMDB) é acusado de supostos crimes de improbidade administrativa.

O problema é que os políticos, sempre eles, aprovaram uma lei que obriga os suspeitos de crimes contra o erário público só serem processados pelo STF. Uma fuga bem bolada para postergar punições.

No Acre, existiam todas as maracutaias que grassam na Amazônia, mas foram tolhidas pela ação firme do poder público com a ajuda da grande imprensa, que deu visibilidade nacional aos desmandos.

É isso que precisa ser feito em relação aos demais estados da região Norte, dar visibilidade nacional à roubalheira que prejudica o desenvolvimento da região.

A luta é grande, mas como formiguinhas vamos abrindo túneis embaixo da terra até conseguir derrubar o castelo de corrupção que se instalou na Amazônia.

Com fé em Deus e nos amazônidas de bem.

por Chico Bruno
publicado em 1ª Hora – 28/03/2007

É chato bater na mesma tecla, mas fazer o quê, quando se trata da Amazônia, esse pedaço imenso de Brasil esquecido pelo resto do País.

Enquanto o país não dedicar um olhar mais agudo para a Amazônia, ela vai continuar a ser uma espécie de Casa da Mãe Joana, onde uma minoria se locupleta, em detrimento aos amazônidas.

As maracutaias proliferam em todos os estados da região Norte.

Em Roraima, existem fortes acusações de ilicitudes sobre o senador Romero Jucá (PMDB), líder do governo no Senado. Infelizmente os processos andam a passo de jaboti. O senador anda lépido e faceiro pelos tapetes azuis do Senado, sem o menor constrangimento.

No Pará, com apenas três meses de mandato, a governadora Ana Júlia Carepa (PT), aliada do deputado Jader Barbalho (PMDB), protagonista dos maiores escândalos amazônicos, pratica o nepotismo, vai de jatinho da ORM Air Táxi Aéreo, de propriedade do principal executivo do grupo Liberal (jornais, rádios e TVs), Rômulo Maiorana Junior, a formatura de um filho em Belo Horizonte e nomeia a cabeleireira e a esteticista como assessoras especiais do palácio do Governo. Pelo visto, a arquiteta Ana Júlia está inebriada pelo poder.

No Amapá, parentes e amigos do governador Waldez Góes (PDT) e do senador Gilvam Borges (PMDB) estão envolvidos com a Máfia da Saúde, que fraudou licitações na Secretaria de Saúde, segundo apurou a Polícia Federal. Aliás, todos os secretários de Saúde nomeados por Waldez foram presos. Sebastião Bala, na Operação Pororoca, e Uilton Tavares e Abelardo Vaz, na Operação Antídoto.

Ainda, no Amapá, o prefeito de Macapá João Henrique (PT) passou vários dias preso na PF, responde a inquérito judicial, mas está no cargo, como se nada tivesse acontecido, inclusive elegeu sua mulher deputada federal.

Mas no Amapá, ainda, existe o assédio judicial à imprensa, denunciado, pela Federação Nacional dos Jornalistas, ao país essa semana. Jornalista que escreve o que os poderosos não gostam são processados.

No Amazonas, o senador Alfredo Nascimento (PR), às vésperas de reassumir o Ministério dos Transportes, é processado por vários crimes entre eleitorais e de improbidade administrativa.

Em Rondônia, o governador reeleito Ivo Cassol (PR), deputados estaduais e juízes protagonizaram cenas estarrecedoras exibidas em horário nobre da Rede Globo. Infelizmente estão todos lépidos e faceiros em seus cargos.

No Tocantins, o governador Marcelo Miranda (PMDB) é acusado de supostos crimes de improbidade administrativa.

O problema é que os políticos, sempre eles, aprovaram uma lei que obriga os suspeitos de crimes contra o erário público só serem processados pelo STF. Uma fuga bem bolada para postergar punições.

No Acre, existiam todas as maracutaias que grassam na Amazônia, mas foram tolhidas pela ação firme do poder público com a ajuda da grande imprensa, que deu visibilidade nacional aos desmandos.

É isso que precisa ser feito em relação aos demais estados da região Norte, dar visibilidade nacional à roubalheira que prejudica o desenvolvimento da região.

A luta é grande, mas como formiguinhas vamos abrindo túneis embaixo da terra até conseguir derrubar o castelo de corrupção que se instalou na Amazônia.

Com fé em Deus e nos amazônidas de bem.

Luís Nassif
La Insignia. Brasil, março de 2007

 

Está na hora de desmistificar essa questão da ocupação da Amazônia. Nas últimas décadas houve uma mistura algo confusa entre preservação e desenvolvimento zero, descartando a ocupação racional do solo. Com isso, nem se desenvolve nem se preserva, deixando a floresta à mercê de madeireiros ou garimpeiros inescrupulosos.

Desde Chico Mendes rompeu-se o mito da impossibilidade de casar exploração racional e respeito ao meio-ambiente, desenvolvimento zero e preservação ambiental.

Além disso, o avanço da interdependência mundial, e das questões ambientais, tornam a internacionalização da Amazônia um risco mais concreto do que as visões conspiratórias de outros tempos. Principalmente se não houver um plano coerente, ecologicamente responsável, de ocupação do território.

Não se está falando de pouca coisa. Segundo recente Ciclo de Estudos sobre a Amazônia, organizado pela Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais, a Amazônia corresponde a 1/20 da superfície do planeta e 2/5 da América do Sul. A Amazônia sul-americana tem 1/5 da disponibilidade de água doce do mundo, 1/3 das reservas mundiais de florestas latifoliadas. Mais de 63% da Amazônia Sul-Americana estão sob soberania brasileira. O que torna o Brasil o país de maior biodiversidade do planeta.

Ponto relevante dos diagnósticos é que, ao contrário do que se propaga, a Amazônia não é um espaço vazio. No último censo tinha 20 milhões de habitantes, 70% dos quais nas cidades.

Nos últimos anos, o Brasil passou a responder adequadamente aos desafios mundiais em relação à região, com os projetos SIVAM/SIPAM, políticas de integração física com outros países e a revitalização do Tratado de Cooperação Amazônica, convertido em Organização do Tratado de Cooperação Amazônica.

Mas não basta. Nos últimos anos ocorreram mudanças políticas relevantes na região, obrigando a se pensar estrategicamente sua integração.

Segundo análises de Francisco Carlos Teixeira da Silva, professor titular de História Contemporânea da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), as últimas eleições mudaram o mapa política da região.

Na Bolívia, as eleições para a Assembléia Nacional Constituinte provocaram maior equilíbrio nas relações internas, reduzindo a formidável força de Evo Morales, que havia conquistado 70% dos votos nacionais. Nenhum partido sozinho conseguiu 2/3 das cadeiras, obrigando todos a negociar.

Na Colômbia, a vitória de Álvaro Uribe abriu possibilidade de negociação direta com as FARC (Forças Armadas Colombianas), esvaziando os riscos de militarização na fronteira norte. Com a vitória de Alan Garcia, no Peru, foram estabelecidos limites à atuação política de Hugo Chaves, da Venezuela.

O novo fato no continente é a reformatação econômica, com as três maiores economias – Argentina, Brasil e Venezuela – associando-se com economias extra-regionais – México, Angola e África do Sul.

Com o Mercosul ampliado pela Venezuela, um dos grandes desafios geopolíticos brasileiros será avançar na integração da região, inclusive como forma de enfrentar a concorrência chinesa. II

Na discussão sobre a Amazônia, um dos grandes desafios será separar mitos e disputas econômicas das preocupações reais com o meio ambiente. Especialmente em um ponto onde a questão ecológica tem sido constantemente invocada, que é o da exploração racional do potencial hidrelétrico da região – especialmente em um momento em que há dúvidas consistentes sobre a capacidade do país em enfrentar um novo apagão.

Estima-se que o potencial não explorado de energia hidrelétrica seja de 160.000 MW na Amazônia, contra 84.000 MW instalados no Brasil.

Um dos projetos que está no meio do tiroteio é o Complexo Madeira – projeto de produção de energia e de integração fluvial no rio Madeira.

No plano energético, o projeto se dispõe a substituir energia térmica por quatro hidrelétricas. As duas primeiras seriam Santo Antônio (capacidade de 3.150 MW), Jirau (3.300 MW), localizadas entre Porto Velho e Abunã, em território brasileiro. As demais, dependendo de estudos de impacto ambiental e viabilidade, seriam uma Binacional no Rio Guaporé, com 3.000 MW, entre Abunã e Guarajá-Mirim, na fronteira entre Brasil e Bolívia; e outra em Cachoeira Esperança, com 800 MW, no território boliviano).

A integração com a Bolívia se daria em duas frentes. Hoje em dia, a energia elétrica a ser gerada na Bolívia só pode ser despejada no Brasil, que precisa de cerca de 3 a 4 mil MW por ano, no ritmo atual de crescimento. Essa venda poderá proporcionar uma receita anual de US$ 400 milhões, equilibrando seu balanço de pagamento.

No plano logístico, essas obras permitiriam 4.225 quilômetros de rios navegáveis. Com isso, poderá integrar 11 milhões de hectares de terras bolivianas, atualmente inacessíveis. O impacto poderá dobrar o PIB boliviano. Mas poderá também abrir espaço para uma substancial redução dos custos de logística da região, para venda aos mercados europeu e americano.

Segundo Abel Holtz, diretor-presidente da Eletrocoop, o Complexo Madeira permitirá a instalação de parques industriais em segmentos como o agro-industrial, o mineral, o naval e o de base. Permitirá integração com outras usinas da região, reduzindo a possibilidade de um novo colapso, e substituirá progressivamente a geração térmica.

Há duas dúvidas básicas em relação a ele. A primeira, no plano ambiental. A defesa do projeto está em estudos, segundo os quais, a área inundada pelas duas hidrelétricas será de cerca de 250 km², ligeiramente superior ao tamanho da bacia naturalmente formada no período anual de cheia do Rio Madeira. E a área de utilização de agricultura em larga escala, no Mato Grosso, seria em torno de 70 mil km², não prejudicando áreas de proteção ambiental.

Segundo o projeto, o Complexo Madeira utilizará turbinas do tipo bulbo (baixa queda/ menor impacto ambiental), e das soluções para o transporte de grandes blocos de energia para os centros de consumo, a exemplo das linhas Norte/Sul, Itaipu, Argentina, etc.

Esses são os argumentos do projeto Complexo Madeira. A partir deles, se poderá abrir uma discussão objetiva sobre as maneiras racionais e ambientalmente responsáveis de explorar o potencial hídrico da Amazônia.

« Página anteriorPágina seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 25 outros seguidores