O Indio está no imaginário colectivo Brasileiro como seus primeiros habitrantes,
porquanto povoaram este imenso Território da América do Sul, antes mesmo, de ter sido descoberto pelos Portugueses.
O Brasil e todo o Continente Americano, era habitado por grupos de pessoas que vindos da Asia, aportaram a todo o litoral Brasileiro, onde aí encontraram não só um clima como até um solo propício para o seu modo de vida. E foi nessa sequência, que Povos, oriundos de outros continentes aí se radicaram embora que de uma forma rudimentar, porquanto seus estilos de vida e de costumes foram com o tempo se ramificando e se formando através de Tribos, sociedades primitivas muito comuns á época, porquanto ocupavam o mesmo território e a mesma terra, que segundo estatística, chegaram a atingir cerca de 5 milhões de Indios. Definir em traços genealógicos a raça Índigena, é remontarmos ás suas origens e neste caso aos imigrantes asiáticos, australianos e malásios, que de cor morena, olhos e cabelos pretos e lisos, possuiam ainda, além dos aspectos fisionómicos de mongóis, uma estatura mediana baixa, padrão característico desses Povos. Dessa imigração que se consumou e se fortaleceu através do tempo, viria mais tarde com a chegada dos Portugueses ao Brasil a se desprenderem da sua identidade cultural, devido sobretudo ás grandes diferenças existentes entre povos completamente distintos. E foi através desse cruzamento de Raças, indigena e europeia, mais propriamente a Portuguesa, que algumas dessas Tribos se adaptaram a uma nova Civilização.

Hoje o contingente de nativos cifra-se á volta de 400.000 Indios, que vivem no Brasil em reservas demarcadas e protegidas pelo Governo. Com cerca de 200 Etnias indigenas e 170 línguas, o Mundo Indigena se dividiu em duas partes, com uma delas a se integrar na civilização e a outra a viver isoladamente nas regiões da Amazónia.
Os Tupi-Guarani, Micro-Jê- Arnak, Karib e tantas outras Tribos Indigenas que vivem em Estados do Sul, Norte e Centro-Oeste do Brasil, conservam ainda a sua afinidade lingúistica, enquanto que outras vivendo no Nordeste e sudoeste do País, adquiriram progessivamente a nossa lingua, a Portuguesa. o que já não aconteceu com as manifestações folclóricas nativas, cujos costumes ainda hoje se conservam, devido aos inumeros rituais que prevalecem no Mundo Índigena.
O Toré, Kaurup e os Toantes são os mais frequentes entre os Indios porquanto eles obedecem aos Agradecimentos, Casamentos, Batizados e a outras celebrações importantes. Durante os folguedos que duram toda a noite, tanto as mulheres (cantadeiras) como os dançadores “Praiás” (indios que usam máscaras) emprestam a esses movimentos uma vasta cultura, até porque os colares, roupas e pinturas coloridas, os motivar para esses mesmos rituais.

A coreografia do Toré, comum a vários grupos indigenas das regiões Norte e Nordeste, consiste em dançar ao ar livre, formando um grande círculo em torno dum Centro, onde cada par ( homens e mulheres) giram em volta de si mesmos, pisando fortemente o solo em ritmos de dança, no que são acompanhados por dançarinos, que em coro, declamam versos de difícil compreensão, porquanto são cantados no idioma da Tribo. No fundo é um ritual que expressa contentamento, sobretudo pela magia e pela mística que cada Tribo mantem, perservando essa mesma Cultura.

Por sua vez o Kaurup, que é uma das maiores festas tradicionais Indigenas, praticada no “Alto Xingu” em Mato Grosso, pelos índios que lá vivem, consiste em uma reverência aos mortos, que através dos tempos, se tem mantido e que se inicia com danças e cantos em frente a vários troncos, que pintados e enfeitados a preceito, simbolizam os familiares já falecidos.

Con os Toantes, as músicas sagradas sempre predominaram, assim como as benfeitorias do corpo e da alma que tão expressas ficavam através dos rituais Indigenas, porquanto fazem parte duma Cultura ainda não arreigada dos costumes Indígenas.

O Indio de uma maneira geral, respeita e sempre respeitou o meio ambiente, procurando tirar dele, sómente o necessário; madeira, palha, ceramica e peles de animais, foram mais que suficientes matérias primas que a Natureza lhes ofereceu e da qual eles tiraram partido para a sua sobrevivência, além claro da caça, da pesca e da agricultura.
Hoje em dia algumas Tribos mantem esse padrão de vida, sobretudo aqueles que se mantem isolados. No entanto o Mundo Indigena sem classes sociais e preconceitos, se regeu sempre por duas figuras importantes; o Pajé (Sacerdote da Tribo que conhece os rituais e recebe as mensagens dos Deuses, além de ser ainda o Curandeiro) e o Cacique (chefe) tambem importante na vida Tribal, pois a ele competia e compete organizar e orientar os Indios.
A educação dos indios é interessante, até porque os Indios menores, seguem os adultos tentando imitar o que eles fazem. Toda a religião Indigena assenta sobretudo nas crenças e nos rituais religiosos, porquanto todas as Tribos acreditam nas forças da Natureza e nos Espiritos dos antepassados.
A titulo de curiosidade aponto aqui alguns costumes das Tribos Indigenas, que mais não são que típicos episódios tão característicos dessas etnias.

Em Roraima a Oeste do Pará, vivem lá presentemente cerca de 1250 Indios e o que mais ressalta da Cultura desse Povo, era a troca de mulheres capturadas de outras aldeias e que eram consideradas troféus de guerra, por artigos europeus. assim como também as mulheres dessa Tribo usarem como roupa, uma espécie de cinto, feito da entrecasca da árvore, o que só por si significava que ela estava sexualmente disponível ao contrário de quando ela o retirava sinal evidente que indicava a aproximação.
No Acre, na área Indigena de Campinas, os Katukina (indios barbados) tinham por costume pintar a boca de preto, assim como também trocarem de cônjugues, (os filhos ficavam sempre com a Mãe) uma prática bastante comum entre esses Povos nativos.
Ainda na Amazónia, os Sataré-Mawé, que ficaram conhecidos por serem os introdutores do Guaraná na região e por produzirem uma forte bebida fermentada, que causava embriaguez durante um mês seguido, assim como a Formiga, insecto muito respeitado pelos Indios que a consideravam uma divindade, a tal ponto, que os nativos para demonstrar coragem aos seus filhos, até porque a picada era extremamente dolorosa, os obrigava a colocar as mãos dentro duma espécie de luva cheia de formigas e resistir á dor, caso conseguissem eram considerados adultos.
Nos dias de hoje,alguns dos muito costumes praticados por esses povos,já estão extintos.
No dia 19 de Abril comemora-se em todo o Brasil o dia do Indio.

in Maia Hoje 

About these ads